Scorpions: final digno de tudo que eles já gravaram

Resenha - Sting in The Tail - Scorpions

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Em seu disco anterior, "Humanity: Hour 1", os alemães do Scorpions arriscaram de verdade. Saíram da zona de conforto, fizeram uma compilação de canções de tom sombrio, quase apocalíptico, sobre o futuro da humanidade. Teve gente que chiou, porque eram os Scorpions soando um tanto diferentes do que se acostumou a ouvir deles. Eu, por outro lado, achei excelente, um dos melhores daquele ano. Era aquele hard rock cheio de energia e contagiante, com refrões para decorar logo de primeira? Sim, 100% reconhecível. Mas era mais do que isso. Era uma corajosa mistura de influências fora do padrão Scorpions de ser, com pitadas eletrônicas, alguns riffs quase thrash, delicados flertes com o nu metal. E conseguindo, no meio de tudo isso, ainda soar bastante Scorpions. Excelente.

Scorpions: vídeo oficial de "Holiday" ao vivo no Moscow Music Peace Festival em 1989Emo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada

Mas os puristas podem ficar tranqüilos: em "Sting in the Tail", seu décimo-sétimo álbum de estúdio, digamos que os músicos deram um ligeiro passo atrás. Para aquele que é anunciado como a última peça de sua discografia, o derradeiro antes da aposentadoria, eles preferiram apostar em uma espécie de "porto seguro". Fizeram quase que uma continuação direta de "Unbreakable", antecessor de "Humanity: Hour 1", resultando em doze canções vibrantes, energéticas, com um pique de dar gosto. Assim como aconteceu em "Unbreakable", esta despedida tem um gostinho clássico daquela sonoridade que os escorpiões tornaram característica na década de 80. Música para pular junto, para cantar junto, para bater cabeça junto, em clima de festa.

A festança já começa com o peso das guitarras da dupla Jabs e Schenker na faixa de abertura, "Raised On Rock". E que guitarras, é algo que vamos ter que sempre concordar. Quando os sempre competentes vocais de Klaus Meine convocam para a celebração roqueira em canções como "Rock Zone", "Let's Rock" e "Spirit Of Rock", uma trinca cujas letras têm por objetivo exaltar o frescor e vitalidade do rock, não dá para ficar parado. O mesmo vale para a sacana "Slave Me", cuja levada tem todo o jeitão de que é trilha certa para embalar um sensual strip-tease. Falando em mulher bonita, aliás, a ex-Nightwish Tarja Turunen pode até ter gravado uma participação em "The Good Die Young", mas você vai precisar de muita atenção se quiser detectar o vozeirão da moça enquanto Meine entoa o refrão "The good die young / There might be no tomorrow / In god we trust / Through all this pain and sorrow", porque ela canta inexplicavelmente de maneira discretíssima.

E se estamos falando do Scorpions, ora bolas, estamos falando da banda que estourou mundialmente com baladas como "Wind of Change" e "Still Loving You". Todo disco dos sujeitos tem que ter, obrigatoriamente, uma baladinha gostosa - e aqui temos então duas. São duas facetas de Meine, quase fofo na apaixonada e açucarada "Lorelei" e sofrido e cheio de angústia na amargurada "Sly". Interpretação é com ele. O desfecho vem com "The Best Is Yet To Come" e seu título sintomático - "o melhor ainda está por vir". Seria esta uma mensagem de que ainda não acabou? O Scorpions pode voltar remodelado? Ou os membros do Scorpions podem estar planejando um novo projeto musical? Enquanto você fica aí conjecturando mil e uma teorias da conspiração, a gente ouve uma canção deliciosa, de ares meio country, mas marcada por uma letra que diz um "até breve" de maneira até meio melancólica, que chega a machucar o coração do pobre fã. Doeu.

Olha só, preciso dizer: tudo bem, eu juro que esperava mesmo que eles fossem encerrar a carreira arriscando ainda mais do que fizeram em ""Humanity: Hour 1", sem medo de frustrar os pentelhos que querem ouvir sempre a mesma ladainha se repetindo ad aeternum. Não rolou. Mas isso não quer dizer que eu tenha ficado necessariamente frustrado com "Sting in the Tail". O final é digno de tudo que eles já gravaram até então, faz jus à obra da banda. Mas é um tantinho óbvio, sabe? E para o que tem que ser o seu disco de "adeus", talvez tivesse que ser um pouco mais do que isso...

Line-Up:
Klaus Meine - Vocal
Matthias Jabs - Guitarra
Rudolf Schenker - Guitarra
Paweł Mąciwoda - Baixo
James Kottak - Bateria

Tracklist:
Raised On Rock
Sting in The Tail
Slave Me
The Good Die Young (participação especial de Tarja Turunen)
No Limit
Rock Zone
Lorelei
Turn You On
Let's Rock
Sly
Spirit Of Rock
The Best Is Yet To Come


Outras resenhas de Sting in The Tail - Scorpions

Scorpions: Mostrando que ainda tem muita lenha pra queimarScorpions: Um álbum onde cada minuto vale a penaScorpions: se despedindo da carreira de forma dignaScorpions: motivos mais fortes para lamentar o fim da banda




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Scorpions"


Scorpions: vídeo oficial de "Holiday" ao vivo no Moscow Music Peace Festival em 1989

James Kottak: ex-Scorpions diz que todos os policiais devem ser homensJames Kottak
Ex-Scorpions diz que todos os policiais devem ser homens

Scorpions e Whitesnake: bandas anunciam mini tour pela Oceania em 2020Em 25/10/1955: nascia o guitarrista Matthias Jabs, da banda Scorpions

Grandes covers: cinco versões para Wind Of Change, do ScorpionsGrandes covers
Cinco versões para "Wind Of Change", do Scorpions

Grandes covers: cinco versões para "Blackout", do Scorpions

Biologia: brasileira presta homenagem a Angra, Maiden, Scorpions e Def LeppardBiologia
Brasileira presta homenagem a Angra, Maiden, Scorpions e Def Leppard

Músicas imortais: Still Loving You, uma grande baladaMúsicas imortais
"Still Loving You", uma grande balada

James Kottak: ex-Scorpions critica comerciais com casais de diferentes etniasJames Kottak
Ex-Scorpions critica comerciais com casais de diferentes etnias

Scorpions: banda publica vídeos profissionais de show em ManausScorpions
Banda publica vídeos profissionais de show em Manaus

Scorpions: "Amazonia Part 5", "Still Loving You" e "Hurricane" em Recife

Scorpions: Paulo Baron da Top Link Music presenteia Rudolf Schenker com jaquetaScorpions
Paulo Baron da Top Link Music presenteia Rudolf Schenker com jaqueta

Scorpions: eleito o melhor show de todo o Rock in Rio 2019 em enquete do G1Scorpions
Eleito o melhor show de todo o Rock in Rio 2019 em enquete do G1

Scorpions: eleitos pelo G1 a melhor banda do Dia do Metal no Rock in Rio 2019

Scorpions: celebrando nas redes todos os 45 shows em 19 cidades do BrasilScorpions
Celebrando nas redes todos os 45 shows em 19 cidades do Brasil

Scorpions: Michael Schenker não pode confiar na bandaScorpions
Michael Schenker "não pode" confiar na banda

Metallica: James Hetfield revela seus guitarristas base preferidosMetallica
James Hetfield revela seus guitarristas base preferidos

Mudanças: 10 bandas que não soam mais como em seus primeiros discosMudanças
10 bandas que não soam mais como em seus primeiros discos


Emo: gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nadaEmo
Gênero que todos amam odiar sem conhecer absolutamente nada

Rock Brasileiro da Década de 70Rock Brasileiro da Década de 70

Avenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30Avenged Sevenfold
The Rev dizia que não passaria dos 30

Preconceito: dificuldades de ser roqueiro em cidade do interiorPreconceito
Dificuldades de ser roqueiro em cidade do interior

Quando shows dão errado: 25 apresentações desastrosasQuando shows dão errado
25 apresentações desastrosas

Sepultura: veja Andreas Kisser tocando com Caetano VelosoSepultura
Veja Andreas Kisser tocando com Caetano Veloso

Alice in Chains: Por que os vocais funcionam tão bem?Alice in Chains
Por que os vocais funcionam tão bem?


Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336