Madness Factory: influências do Metal tradicional e Thrash

Resenha - Madness Factory - Madness Factory

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar Correções  

7


A banda brasileira MADNESS FACTORY, advinda de João Pessoa - Paraíba, apresenta um som calcado em influências diretas do Metal tradicional e especialmente do 80s Thrash Metal da Bay Area, região da Califórnia de onde surgiram nomes como METALLICA, EXODUS e TESTAMENT.

Em atividade desde 2004, a banda lança seu primeiro EP, com 9 faixas gravadas em SMD (Semi Metalic Disc), material mais barato, mas que se assemelha a um CD convencional. Uma ótima pedida para bandas que estão começando e precisam divulgar seu trabalho, não podendo ainda oferecer gravações e lançamentos que envolvam gastos elevados.

publicidade

Muito peso e palhetadas rápidas marcam este EP de estréia do MADNESS FACTORY, com um Thrash Metal consistente, cujos destaques, de longe, ficam por conta das faixas "Never Trust", pesada e marcante desde os primeiros segundos, bem ao estilo METALLICA, e "Satanic Western", com inserção de trechos de filme de Western (filme "Django", de 1966) e riffs que lembram Dave Mustaine e o MEGADETH.

publicidade

Tem-se ainda músicas interessantes com "Intoxicated", que traz na letra tema ligado à "intoxicação" das pessoas pelo que se vê na mídia e na sociedade em geral, com "Damned Children", que mistura Speed Metal com Thrash, alternando momentos acelerados com outros mais cadenciados, e com "Insane World Of Thrash".

Ao todo são pouco mais de 30 minutos de Thrash Metal, sendo que, obviamente, há ainda o que se melhorar em termos de produção, principalmente da parte vocal, pois apesar de boas composições, em algumas músicas o vocal parece não encaixar perfeitamente, ficando muito gritado e pouco cantado.

publicidade

Mas é isso aí. No Brasil, o espaço para o Metal de bandas que estão buscando um "lugar ao Sol" fica bastante prejudicado pelo domínio do Axé e do sertanejo na mídia em geral, mas o MADNESS FACTORY está no caminho certo e tem tudo para melhorar ainda mais.

A formação indicada abaixo é aquela responsável pela gravação deste EP avaliado, contando com algumas participações de outros músicos citados no encarte. Atualmente, de acordo com a página da banda no MySpace, a formação é diversa e remanescem apenas o guitarrista e o baterista creditados na gravação do EP.

publicidade

Mais informações: http://www.myspace.com/madnessfactory
Contato: [email protected]

Banda:
Diego Nóbrega: guitarra
Cléber Campos: baixo e vocal
Jorge Augusto: bateria

Track List:
1 - The Madness Factory (instrumental)
2 - Insane World of Thrash
3 - Hangover
4 - Never Trust
5 - GxOxDx
6 - Satanic Western
7 - Intoxicated
8 - Possessed
9 - Damned Children




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Sabaton: Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda suecaSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

Gigwise: as capas mais polêmicas dos anos 2000Gigwise
As capas mais polêmicas dos anos 2000


Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin