Bullet For My Valentine: ainda muito bom em sua proposta

Resenha - Fever - Bullet For My Valentine

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


As mudanças que o tempo proporciona certamente estão provocando contorções no tradicional orgulho de uma nação que gerou frutos como Black Sabbath, Judas Priest e Iron Maiden... Quem diria que, em pouco mais de uma década, o Bullet For My Valentine estaria entre as mais influentes bandas britânicas da atualidade – não que haja muitas, naturalmente – e ainda por cima executando o tão controvertido Metalcore?

Hellfest: Filmagens profissionais de shows de Lamb of God, Soulfly e outras bandas

Iron Maiden: banda cai no riso em show nos EUA de 2008

"Fever" interrompe um hiato de dois anos afastado dos estúdios, com os músicos alardeando que este será seu clássico, inclusive comparando-o com trabalhos do porte de "The Number Of The Beast" (Iron Maiden) e "Black Album" (Metallica), tal os esforços investidos em suas composições. Bom, mas o que estes tais esforços aí realmente poderiam trazer de diferente para que o novo disco seja detentor de tantos méritos?

Anseios ou exageros à parte, o certo é que são poucos os que não se confortam artisticamente em função de uma promissora fase comercial. Seguindo esse raciocínio, não foi desta vez que o Bullet For My Valentine investiu em algo que apresentasse alguma real progressão para sua carreira, tanto que "Fever" é praticamente uma mescla do que os antecessores "The Poison" (05) e "Scream Aim Fire" (08) já proporcionaram ao público.

Mas, como esses antigos álbuns eram muito bons, então não há motivos para que o novo trabalho também não o seja. É claro que a ambição, quando bem direcionada, sempre oferece saltos de qualidade, e em vários casos é o que acontece em "Fever", em especial no que diz respeito às guitarras. Tuck e Paget estão afiadíssimos e não possuem pudores em conspurcar a fúria do Heavy Metal com porções de melodias acessíveis, definindo o estilo do grupo a cada lançamento.

Tendo Don Gilmore (Linkin Park, Avril Lavigne, Lacuna Coil) como produtor, "Fever" não possui grandiosidade, mas seu fluxo de canções insiste em se manter interessante por praticamente toda a audição. E olha que os tantos refrões grudentos e com vozes limpas são pra lá de manjados! As três primeiras faixas – "Your Betrayal", a pesadíssima "Fever" e "The Last Fight" – são ótimas, seguidas de perto pela sensibilidade aflorada de "A Place Where You Belong" e "Pretty On The Outside".

Ok, as melodias e tantas letras sentimentalóides (de dar nos nervos), aliadas a um visual moderninho certamente colaboram para que muita gente não dê credibilidade ao grupo, mas o Bullet For My Valentine continua muito bom em sua proposta. Agora, não é este prudente escriba que confirmará que "Fever" será o clássico que gostariam que fosse. Mas o fato de até mesmo as opiniões dos próprios fãs estarem divididas é o prenúncio de algumas frustrações lá no horizonte...

Contato:
http://www.bulletformyvalentine.com
http://www.myspace.com/bulletformyvalentine

Formação:
Matthew Tuck - voz e guitarra
Michael Paget - guitarra
Jason James - baixo
Michael Thomas - bateria

Bullet For My Valentine – Fever
(2010 / Jive Records - importado)

01. Your Betrayal
02. Fever
03. The Last Fight
04. A Place Where You Belong
05. Pleasure And Pain
06. Alone
07. Breaking Out, Breaking Down
08. Bittersweet Memories
09. Dignity
10. Begging For Mercy
11. Pretty On The Outside


Outras resenhas de Fever - Bullet For My Valentine

Resenha - Fever - Bullet For My ValentineResenha - Fever - Bullet For My Valentine




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hellfest: Filmagens profissionais de shows de Lamb of God, Soulfly e outras bandasHellfest
Filmagens profissionais de shows de Lamb of God, Soulfly e outras bandas


Bullet For My Valentine: Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron MaidenBullet For My Valentine
Baterista conta o inferno que é abrir para o Iron Maiden

Metalcore: os dez trabalhos essenciais do estiloMetalcore
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Iron Maiden: banda cai no riso em show nos EUA de 2008Iron Maiden
Banda cai no riso em show nos EUA de 2008

Sign of the horns: o sinal do DemônioSign of the horns
O sinal do Demônio


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin