Kiss: fazendo o que o Kiss sabe fazer melhor

Resenha - Sonic Boom - Kiss

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago El Cid Cardim
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Não dá para dizer que qualquer um dos integrantes do Kiss mentiu ao anunciar “Sonic Boom”, seu primeiro álbum de inéditas em 11 anos. É verdade que o baixista (e falastrão) Gene Simmons exerceu sua parte marketeiro e exagerou ao dizer que este seria uma mistura de “Rock and Roll Over” com “Love Gun” – mas também deixou claro que seríamos apresentados a um álbum básico. O básico do Kiss, leia-se bem. Sem teclados, sem corais, sem baladas. Só “carne e batatas”, disse Simmons, no que podemos interpretar livremente para o Brasil como “feijão com arroz”. E é isso que “Sonic Boom” é: um disco que não tem nada de altamente inovador ou revolucionário, mas que reúne uma nova coleção de canções que são totalmente Kiss. E com o padrão de qualidade Kiss. “Sonic Boom” é um bom disco do Kiss. Isso não é bom?
530 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão5000 acessosGuns N' Roses - Perguntas e Respostas

Há quem diga que o Kiss apostou no mais fácil, que foi no jogo ganho. Mas você consegue imaginar este quarteto de mascarados fazendo qualquer música diferente? A ótima e pegajosa "Modern Day Delilah", primeiro single oficial, abre a bolacha dando a dica: é claro que o disco é mais anos 80 do que anos 70. Mas isso não é nem um pouco desabonador, pois estamos falando do jeitão de ótimos discos daquela década, como “Creatures of the Night” e “Lick It Up”. A produção ficou a cargo do vocalista Paul Stanley, que já tinha mostrado competência no cargo ao cuidar da produção de seu recente (e ótimo, apenas para constar) disco-solo, “Live to Win”.

Para si mesmo, inteligentemente, Stanley deixou os vocais de canções mais dançantes, de inspiração mais pop, como "Never Enough" e a deliciosa "Danger Us". Já a voz de Simmons entra, como de costume, nas faixas mais pesadas, dando aquela pegada especial a letras sacanas – basta ouvir "Hot and Cold" (“se está muito quente / você está muito fria / se está muito barulhento / você está muito velha”) e "I'm an Animal" (“eu sou um animal e eu sou livre / sem regras e sem fronteiras / nada pode me deter”) para perceber que estes trechos de “Sonic Boom” estavam especialmente reservados para o linguarudo.

Os outros integrantes do quarteto, no entanto, também têm sua chance pilotando os microfones. Eric Singer, que em estúdio só comprova ser um baterista muito mais técnico e cadenciado do que Peter Criss, faz jus ao sobrenome (com o perdão do trocadilho infame) e canta com competência no hardão "All for The Glory". O mesmo acontece com Tommy Thayer, que consegue segurar bem a onda nas guitarras que um dia foram de músicos tão talentosos quanto Ace Frehley e Bruce Kulick – e ainda consegue a façanha de se sair bem cantando em "When Lightning Strikes". Não é pouco.

A prova de que “Sonic Boom” funciona de verdade e pode ser ouvido sem medo mesmo pelos fãs mais puristas e resistentes da banda reside na faixa “Stand”. A dupla Stanley e Simmons divide os vocais em uma letra do tipo auto-ajuda (“fique do meu lado / eu estarei próximo de você / quando você precisar de mim”) que chega a resvalar no pop rock brega. Mas só resvala, ali, bem de levinho. Porque, quando você menos espera, já está cantando o refrão grudento junto com eles, como só uma boa música do Kiss sempre consegue fazer. Por falar em refrão que te pega de jeito, o disco termina justamente com “Say Yeah”, com aquele gritinho feito na medida certa para contar com o coral dos milhares de fãs durante as apresentações ao vivo. Sim, a dobradinha Stanley/Simmons sabe muito bem o que está fazendo aqui.

“Sonic Boom” é o Kiss fazendo o que o Kiss sabe fazer de melhor: pura diversão. Exatamente como eles fazem quando sobem ao palco, com seus efeitos pirotécnicos e jogos de luzes. Afinal, as canções de “Sonic Boom” foram feitas para se integrar sem maiores problemas ao já conhecido setlist de clássicos que eles vêm mostrando ao longo dos anos em suas turnês. Nada mais natural. Nada mais Kiss.

Line-up:
Paul Stanley – Vocal/Guitarra
Gene Simmons – Vocal/Baixo
Tommy Thayer – Guitarra/Vocal
Eric Singer – Bateria/Vocal

Tracklist:
1. Modern Day Delilah
2. Russian Roulette
3. Never Enough
4. Yes I Know (Nobody's Perfect)
5. Stand
6. Hot and Cold
7. All For the Glory
8. Danger Us
9. I'm an Animal
10. When Lightning Strikes
11. Say Yeah

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Sonic Boom - Kiss

2910 acessosKiss: após 11 anos, um álbum com tudo que os fãs conhecem3359 acessosKiss: não espere algo extraordinário, aproveite a nostalgia

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Paul StanleyPaul Stanley
"Guitarristas não aprendem a fazer base"

530 acessosMarcos de Ros: Gene Simmons, o Capitalista Malvadão493 acessosAce Frehley: "Anomaly" ganha versão deluxe; ouça música inédita766 acessosKiss: bicicleta de triathlon em edição limitada0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Kiss"

KissKiss
Veja o convite do casamento de Gene Simmons

Hard & MetalHard & Metal
Dez músicas que soam melhor ao vivo

KissKiss
Torcida de futebol homenageia Gene Simmons

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"

Guns N RosesGuns N' Roses
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

David BowieDavid Bowie
Muito mais assustador do que Michael Jackson

ShamanShaman
Fernando Quesada desabafa sobre cena brasileira

5000 acessosOzzy Osbourne: comendo oferenda de macumba no Rock in Rio5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosAndre Matos: "Não estava preparado para cantar no Maiden!"5000 acessosIron Maiden: Bruce Dickinson votou pela saída do Reino Unido da União Europeia5000 acessosShows e Festivais: 13 tipos de metalhead que você sempre encontra5000 acessosCordas de guitarra: como elas são vistas no microscópio?

Sobre Thiago El Cid Cardim

Thiago Cardim é publicitário e jornalista. Nerd convicto, louco por cinema, séries de TV e histórias em quadrinhos. Vegetariano por opção, banger de coração, marvete de carteirinha. É apaixonado por Queen e Blind Guardian. Mas também adora Iron Maiden, Judas Priest, Aerosmith, Kiss, Anthrax, Stratovarius, Edguy, Kamelot, Manowar, Rhapsody, Mötley Crüe, Europe, Scorpions, Sebastian Bach, Michael Kiske, Jeff Scott Soto, System of a Down, The Darkness e mais uma porrada de coisas. Dentre os nacionais, curte Velhas Virgens, Ultraje a Rigor, Camisa de Vênus, Matanza, Sepultura, Tuatha de Danaan, Tubaína, Ira! e Premê. Escreve seus desatinos sobre música, cinema e quadrinhos no www.observatorionerd.com.br e no www.twitter.com/thiagocardim.

Mais informações sobre Thiago El Cid Cardim

Mais matérias de Thiago El Cid Cardim no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online