Inmoria: classe que só o power europeu pode proporcionar

Resenha - Invisible Wounds - Inmoria

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


O Inmoria foi formado em 2008, mas seus músicos estão longe de serem novatos no mundo da música. Muitos dos leitores com certeza se lembram dos grupos suecos Tad Morose e Morgana Lefay, que lançaram excelentes álbuns, e vários deles inclusive chegaram ao mercado brasileiro. Pois bem, o Inmoria é o projeto resultante da união de forças destes dois conjuntos.

Presença de Palco: dicas para iniciantesSlash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay

Ainda que estivesse afastado do cenário há mais de 10 anos, foi o baterista Peter Moren (Tad Morose) quem deu início às composições deste álbum. E considerou o resultado tão satisfatório que rapidamente chamou seus ex-companheiros de banda para dar início às gravações, sendo prontamente atendido por Christer Andersson (guitarra) e Danne Eriksson (teclados), além de Henke Westin (baixo, Blazing Skies, Korp). Por fim, a escolha do vocalista recaiu sobre Charles Rytkönen (Morgana Lefay).

"Invisible Wounds" possui toda a classe que somente o Power Metal europeu pode proporcionar, com riffs impiedosos e teclados com a importante função de garantir uma forte carga dramática, sinfônica e obscura às canções. E toda a depressiva pompa atinge proporções ainda maiores pelo uso freqüente de vozes femininas – nada de gótico, ok? – ao longo de todo o repertório.

O disco tende a adquirir um tom mais tradicional, mas, em oposição a esta faceta, os suecos flertaram com alguns sons eletrônicos e industriais em inúmeras ocasiões. E o resultado geral é extremamente positivo, com melodias não muito complicadas, onde a penetrante e agonizante voz de Rytkönen consegue novamente atrair boa parte das atenções.

E, ainda que várias composições sigam por caminhos semelhantes, tudo funciona muito bem, mantendo-se altamente enérgico e poderoso, coisa típica de veteranos. Assim, entre o convencional e o moderno, o Inmoria fez de "Invisible Wounds" uma estréia de respeito, e totalmente indicado a quem aprecia Tad Morose, Morgana Lefay, Nevermore, Savatage e similares. Pode conferir!

Formação:
Charles Rytkönen - voz
Christer Andersson - guitarra
Danne Eriksson - teclados
Henke Westin - baixo
Peter Moren - bateria

Inmoria - Invisible Wounds
(2009 / Massacre Records – importado)

01. Come Insanity
02. Alone
03. Fantasy
04. As I Die
05. Misery
06. Circle Of Memories
07. Haunting Shadows
08. Will To Live
09. The Other Side
10. I Close My Eyes

Homepage: www.inmoria.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Slash: A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gaySlash
A lição aprendida após espalhar que Paul Stanley era gay


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin