Scelerata: review do CD "Skeletons Domination"

Resenha - Skeletons Domination - Scelerata

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Giorgio Moraes
Enviar Correções  


Que tal ouvir um CD onde cada música fosse esculpida para soar como se a cavalaria romana saísse em uma marcha insana para dentro de qualquer um que se dispusesse a ouvir o tal CD? Se você conseguiu desenhar mentalmente essa cena, guarde-a: ela será seu guia através das 11 faixas de "Skeletons Domination", 2º trabalho dos gaúchos do Scelerata.

Presença de Palco: dicas para iniciantes

Antes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rock

Gustavo Strapzon (baixo); Francis Cassol (bateria); Carl Casagrande (vocal); Renato Osorio e Magnus Wichmann (guitarras) trabalham "Skeletons Domination" em cima da lúcida ideologia de que somos inteiramente responsáveis por todo o caos que afeta o mundo. Tal conceito já se mostra em "Enemy Within", faixa de abetura que com seu riif pegajoso ficará por dias e dias soando dentro da minha cabeça: "Now is easy to see, my enemy is only me". Na sequência temos a mística "Spiritual Path", carregada de compassos quebrados e teclados cheios de classe. "Leave Me Alone", 3ª faixa do trabalho, tem um jeitão de Metal oitentista - mas se permitindo um ou outro traço de modernidade. Afinal, ninguém que almeje o futuro pode se dar ao luxo de só olhar o passado.

Ainda celebrando os destaques, "Close To Move Mountains" é, pra mim, uma das mais belas baladas dos últimos anos dentro desse estilo defendido pelo Scelerata: melodia e letra competentíssimas! Sem fazer concessões ou firulas desnecessárias, a banda conduz "Skeletons Dominations" a um final memorável com "Forever And Ever", canção que é quase uma ode à cadência rítmica, com um arranjo denso que abre espaço para a participação de Raquel Fortes - e que pode ser confundida com uma baladona pelos mais desavisados ou por algum novato que acha que tudo é festa.

Destaco a produção do CD: gravado em terras nacionais, porém mixado e masterizado em solo germânico por Charlie Bauerfeind (Blind Guardian; Angra). Para quem pensa que mixar e masterizar fora do Brasil é apenas um gasto a mais, um aviso: o trabalho certo nas mãos erradas põe tudo a perder. A parte gráfica, por sua vez, ficou por conta do mago Gustavo Sazes, que também assina o MySpace do Scelerata.

O Ministério da Saúde Musical adverte: ouça e deixe fluir.

Para conhecer mais:
http://www.myspace.com/scelerataband




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Capas: confira 10 das mais belas do Rock/Metal NacionalCapas
Confira 10 das mais belas do Rock/Metal Nacional


Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Antes do Black Sabbath: as 50 músicas mais pesadas do rockAntes do Black Sabbath
As 50 músicas mais pesadas do rock


Sobre Giorgio Moraes

Giorgio Moraes, 33 anos, é formado em Letras. Natural do Rio de Janeiro, ele reside a 20 anos em São Luis do Maranhão. Tem em seu currículo shows como Raimundos, Detonautas, Skank, e a histórica apresentação dos Stones em Copacabana, no ano de 2006. Escritor, atualmente divulga seu 1º Ebook de poesia.

Mais informações sobre Giorgio Moraes

Mais matérias de Giorgio Moraes no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin