Flowing Tears: novo soa fraco e sem consistência sonora

Resenha - Thy Kingdom Gone - Flowing Tears

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Pedro, Fonte: Pedro MySpace Blog
Enviar Correções  


"Thy Kingdom Gone" é o sexto álbum de estúdio da banda alemã de gothic rock da Alemanha Flowing Tears, lançado no último dia 20 de outubro na Europa, e o segundo do grupo com a vocalista Helen Vogt - sua antecessora, Stephanie Duchene, abandonou a banda em meados de 2003 por razões pessoais. É também o primeiro álbum do grupo com a gravadora Assendance Records. - A banda abandonou a Century Media no final de 2007 pois ele disseram que ela os faziam se sentir "mais um produto do que uma banda".

Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

Boatos no rock: auto-felação, satanismo, sexo bizarro?

Entretanto, o que era para ser motivo de alegria entre os fãs, já que a banda não lança nada inédito desde 2004, se tornou motivo de clara decepção: aqui, tem-se um álbum previsível e sem consistência sonora.

E tal fato se nota já na primeira faixa, "Orchidfire": apesar dos teclados darem uma boa introdução, os riffs soam fracos e forçosamente pesados, como se a banda estivesse procurando um novo direcionamento mas ainda estivesse indecisa para qual direção - seria power ou speedy metal, afinal? A faixa seguinte, "Pain Has Taken Over" continua sem essa segurança quanto à identidade do grupo e acaba soando como só mais uma canção, dessas que a banda só põe num álbum pra ter mais faixas. "Rain of a Thousand Years", embora possua uma introdução à capela muito bonita, soa tão monótona e fraca quanto as anteriores, embora soe mais arrastada e as guitarras distorcidas na metade sejam bem cativantes, mas não irão mudar a sua vida, com certeza.

"Thy Kingdom Gone", faixa que nomeia o disco, possui a participação especial de Vorph, vocalista da banda de black metal industrial norueguesa Samel. A música possui claras influências de doom metal, embora possua uma produção mais sofisticada do que normalmente se vê entre bandas desse gênero. O grunther assume praticamente toda a faixa - principalmente o refrão - e os vocais de Helen só aparecem no final.

"Miss Fortune" e "Kismet" são duas baladas exóticas e que realmente devem ser conferidas - note-se que você só ouve uma faixa realmente surpreendente lá pela metade do álbum. A primeira, possui um teclado caótico e ao mesmo tempo infantil, algo bem original e que merece alguma atenção, principalmente pelo contraste com as guitarras. A segunda tem um começo suave e intimista, onde a voz digitalizada de Helen sussurra os versos iniciais. Os efeitos eletrônicos se extendem por um bom tempo, até entrarem os efeitos árabes e logo em seguida as guitarras.

Mas o destaque mesmo vai para "For My Enemies", sem a menor sombra de dúvidas a melhor faixa do álbum. Um bom refrão, pesado e poderoso, que conta até com a vocalista arriscando um leve gutural em seu final. Uma boa mistura de After Forever e Arch Enemy que faz o ouvinte se perguntar o que ela faz no meio desse álbum. É, com certeza, um oasis num deserto de monotonia que o álbum acaba se tornando. A faixa seguinte, "Souls of the Neon", também é um dueto, mas conta com Sascha Blach, vocalista da banda alemã de eletro-gothic Transit Poetry, mas ao contrário de "Thy Kingdom Gone" - onde o convidado especial canta mais do que a própria vocalista - o cantor só assume breves guturais no final da faixa.

A conclusão a que se chega é que "Thy Kingdom Gone" talvez não seja um álbum realmente ruim: ele seria um grande avanço na carreira de bandas como Evanescence e Lacuna Coil, cujas discografias se resumem a meros pastiches musicais. Mas aqui a banda em questão é o Flowing Tears, um grupo que apesar de ter surgido na mesma época dos filhotes do Nightwish, o tempo todo se recusou a seguir a tendência da fórmula "power metal mais vocais líricos" - De fato, é notável que a banda procura um novo direcionamento sonoro, mas seja pela falta de criatividade ou pela dificuldade de soar original hoje em dia, ainda não deixou claro o seu futuro com o novo trabalho.

Tracklist:
1. Orchidfire
2. Pain Has Taken Over
3. Rain Of A Thousand Years
4. Grey
5. Thy Kingdom Gone
6. Words Before You Leave
7. Miss Fortune
8. Colossal Shaped Despair
9. Kismet
10. For My Enemies
11. Souls Of The Neon Reign
12. The War We Left Behind

Membros da banda:
Helen Vogt: vocais
Benjamin Buss: Guitarra
David Vogt: Baixo
Stefan Gemballa: bateria




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metal/Hard: Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuaisMetal/Hard
Alguns dos maiores e melhores vocalistas atuais

Boatos no rock: auto-felação, satanismo, sexo bizarro?Boatos no rock
Auto-felação, satanismo, sexo bizarro?


Sobre Pedro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin