Gamma Ray: depois de uma sucessão de bons álbuns

Resenha - No World Order - Gamma Ray

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas, Fonte: Gamma Ray
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Lançado originalmente em 2001 e relançado no Brasil recentemente pela Dynamo Records, "No World Order" veio de uma sucessão de bons álbuns, e foi o terceiro da formação que gravou "Somewhere Out In Space" em 1997 e se mantém até hoje, com Kai Hansen (guitarra, voz), Henjo Richter (guitarra, teclado), Dirk Schlachter (baixo) e Daniel Zimmerman (bateria).

Separados no nascimento: Dave Mustaine e um Cocker SpanielPlanet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os tempos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Altamente influênciado pela NWOBHM, mas sem abandonar suas origens melódicas do power metal praticado pelo Helloween, "No World Order" pode não ser considerado um clássico da discografia do Gamma Ray, mas tem excelentes momentos e faz justiça à obra da banda. Com uma mixagem mais pesada que de costume, instrumentos na cara e arranjos mais diretos, as primeiras "Dethrone Tyranny" (depois da introdução "Induction") e "The Heart Of The Unicorn" conseguem sintetizar a atmosfera do CD.

Tudo que os fãs esperam do Gamma Ray está presente: dos refrões grandiosos como em "Damn The Machine", pelas ótimas quebras de rítmo como em "New World Order", às harmonias de guitarra de "Eagle", nada é deixado de lado por Kai Hansen & cia. A variação entre as faixas mais melódicas e mais tradicionais é perceptível e parece ter sido meticulosamente pensada. Os riffs e linhas vocais que remetem diretamente ao JUDAS PRIEST são usadas sem a menor cerimônia (ouça "Solid" ou a já citada "The Heart Of The Unicorn") e só não passam por mero plágio pois soam mais como homenagem que cópia.

Conceitual, "No World Order" tem, nas letras que permeiam todo o álbum, a principal fonte de inspiração nos Illuminati, o clã místico que supostamente trabalha em segredo influenciando todas as decisões e acontecimentos globais. Se tudo isso não bastasse, Kai Hansen está em ótima fase, com uma performance vocal excelente, escrevendo a maioria das faixas (algumas são assinadas por Henjo Richter ou Daniel Zimmerman) com a qualidade de sempre. Pode não ser um primor de originalidade, mas tudo é tão bem feito e soa tão sincero que dificilmente alguém reclamará. Ainda bem.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Gamma Ray"


Helloween: Future World em mashup com os três vocalistasHelloween
"Future World" em mashup com os três vocalistas

Helloween: Jack O. Lantern não foi o primeiro mascote da banda?Helloween
Jack O. Lantern não foi o primeiro mascote da banda?


Separados no nascimento: Dave Mustaine e um Cocker SpanielSeparados no nascimento
Dave Mustaine e um Cocker Spaniel

Planet Rock: 40 melhores discos ao vivo de todos os temposPlanet Rock
40 melhores discos ao vivo de todos os tempos


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adGoo336