Dominici: o ex-Dream Theater ainda fiel ao Prog Metal

Resenha - O3; A Trilogy (Part 2) - Dominici

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8


Charlie Dominici, vocalista que gravou o primeiro álbum do Dream Theater, "When Day And Dream United" (1989), resolveu retornar a sua carreira musical e montou este projeto que carrega o seu nome. Fiel ao Prog Metal, Dominici já embarcou de cara em um projeto conceitual de três partes, intitulado "O3: A Trilogy". O segundo capítulo dessa saga é o objeto desta análise.

Separados no nascimento: Phil Lynott e TiriricaPara tocar: O que são tablaturas e como usá-las?

Lançado originalmente em 2007 (a primeira saiu em 2005 e terceira sairá esse ano), "O3: A Trilogy (Part 2)" é um competente álbum de heavy metal progressivo, com influências claras do grupo que revelou Charlie, o hoje gigantesco Dream Theater. Refinado musicalmente, o álbum deve agradar aqueles fãs do grupo de Mike Portnoy que valorizam mais os aspectos progressivos da banda americana em detrimento ao peso. As canções de "O3: A Trilogy (Part 2)" evoluem em construções muito bem elaboradas, adicionando camadas sonoras devidamente complementadas pela voz de Dominici, fazendo com que, em alguns momentos, estejamos de volta à época áurea do Rock Progressivo, aquela passada durante os anos 1970, onde gigantes, às vezes gentis e outras não, dominavam o planeta.

Passagens complexas, climas variados em uma mesma canção, exuberência instrumental, virtuosismo explícito: tudo isso existe em profusão nas longas canções de "O3: A Trilogy (Part 2)". Charlie Dominici, um aficcionado pelo estilo, soube explorar com talento e paixão a música que tanto ama, entregando aos seus fãs um disco surpreendente, não só pelo seu retorno à ativa, mas sobretudo por explorar um caminho artístico totalmente anti-comercial e despretencioso em relação ao mercado. Uma atitude digna de respeito, de um músico que recolocou a sua carreira nos trilhos com um disco que irá pegar muita gente de surpresa.

Faixas:
1. The Monster
2. Nowhere To Hide
3. Captured
4. Greed, The Evil Seed
5. School Of Pain
6. The Calling
7. The Real Life
8. The Cop
9. A New Hope




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dominici"


Separados no nascimento: Phil Lynott e TiriricaSeparados no nascimento
Phil Lynott e Tiririca

Para tocar: O que são tablaturas e como usá-las?Para tocar
O que são tablaturas e como usá-las?

Guitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidosGuitar World
Revista elege os 50 guitarristas mais rápidos

Poeira: a fúria de Ian Anderson pra cima do Led ZeppelinPoeira
A fúria de Ian Anderson pra cima do Led Zeppelin

Black Sabbath: mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill WardBlack Sabbath
Mais uma do Tony Iommi pra cima do pobre Bill Ward

Kiss: Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempreKiss
Paul Stanley diz que Gene Simmons é seu irmão para sempre

Immortal: A inspiração felina e pouco true de HorghImmortal
A inspiração felina e pouco true de Horgh


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336