Sunblaze: por ironia do destino ainda desconhecidos

Resenha - Illuminating Heights - Sunblaze

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Júlio Oliveira, Fonte: SunBlaze website
Enviar Correções  


O Sunblaze é mais uma daquelas bandas de excelente qualidade mas que por ironia do destino, passam desapercebidas do grande público. Formada na Alemanha ainda nos anos 90, a banda gravou apenas um registro (de acordo com Jörg Enke, estão trabalhando no próximo há cerca de 5 anos pois todos os músicos têm empregos regulares) no ano de 1997 – Illuminating Heights que é o CD do review que segue-se abaixo.

Apesar de já conhecer a banda desde os anos 90 quando eles tinham samples disponíves em www.mp3.com, fiquei desconfiado logo que recebi o CD pelos coreios (o tecladista Jörg Enke vende pelo Website por US$10.00) por conter apenas duas músicas: "Sunblaze" (14:09) e "Distant Reaches" (10:06). Entretanto eu não poderia acreditar que, com uma arte gráfica de alto nível, impressa ainda em um papel de maior qualidade, a música pudesse ficar em segundo plano, e eu estava certo.

publicidade

O que escutamos no inicio ao fim é um primor do metal sinfônico capaz de transportar o ouvinte a batalhas medievais e que poderia facilmente ser a trilha sonora de filmes como os de Conan e afins.

"Sunblaze" é dividida em 5 atos e a abertura dá-se com "Origin" que em sua suavidade é facilmente capaz de estimular a imaginação criando cenários onde exércitos preparam-se para uma batalha. O interessante é saber que os compositores queriam justamente causar essa sensação. "Alive" traz as primeiras guitarras a serem escutadas e elas vêm na medida certa, como um chamado às tropas a avançarem à guerra. Então um violino os conduz de fato à luta e em determinado momento, passados alguns minutos, é como se os guerreiros tivessem uma pausa antes de voltarem a guerrear de forma ainda mais brava, conquistando finalmente a vitoria.

publicidade

Chegamos então à "Sea Of Silk", terceiro ato que começa de forma melancólica, como uma lamentação. A letra também transmite o mesmo sentimento que abrange morte e a transcendência para uma possível outra vida, que tem no próximo ato, "Scent Of A Blossom" a já mencionada passagem que é concluída no ultimo ato, "Illuminating", que começa de forma bastante intricada, orientada pelo teclado de Enke que mais próximo do fim, recebe a companhia da guitarra do seu irmão Mertin Enke, retomando o tema de "Alive" até o final da faixa.

publicidade

Começa então a segunda faixa, "Distant Reaches", com mais uma vez o tecladista Enke conduzindo a banda até que a guitarra entra e me lembra bastante o Pink Floyd até a chegada do peso da distorção da guitarra que se funde aos instrumentos de corda produzindo um efeito áudio-visual raro. Dessa vez o conteúdo lírico retrata o avanço tecnológico a qualquer custo e que, de acordo com a letra da música, muitas vezes se dá de forma contestável.

publicidade

O disco vai chegando ao seu final e, apesar de ser curto, as melodias nele encontradas, valem cada centavo. Destaque também para o pioneirismo da banda que no início da década de 90 já fazia esse tipo de som que hoje pode ser facilmente encontrado em vários gêneros do metal.

Formação:
Matthias Pfaff - Voz
Martin Enke - Guitarra
Michèl Kalifa - Baixo
Jörg Enke - Teclado
Jochen Donauer - Bateria

publicidade

Sunblaze – Illuminating Heights
(1997 – Underground Empire)
1. Sunblaze
I. Origin
II. Alive
III. Sea Of Silk
IV. Scent Of A Blossom
V. Illuminatin
2. Distant Reaches
http://www.sunblaze.de/




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Legião Urbana: a versão de Renato Rocha sobre a sua saídaLegião Urbana
A versão de Renato Rocha sobre a sua saída

Manowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted SisterManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister


Sobre Júlio Oliveira

Recifense, atualmente divide seu tempo entre trabalhar em Copenhague (Dinamarca) e morar/estudar em Malmö (Suécia). Começou a escutar Metal no início dos anos 90 com os companheiros do Colégio da Polícia Militar e desde então não parou mais, mas nunca se restringindo a um estilo, mas à qualidade da musica em questão. Resolveu começar a colaborar com o site depois de anos lendo as noticias trazidas por outros. "Tava na hora de eu dar minha colaboração também...".

Mais matérias de Júlio Oliveira no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin