Genesis: momento marcante de excelentes músicos

Resenha - And Then There Were Three - Genesis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Thomaz
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Podemos chamar essa de uma obra de transição. O ano é 1978, e este é o disco que demonstra que o Genesis estava não só tentando se reinventar após ficar com três integrantes, mas também libertando-se de certas amarras pessoais. Após essa fase de transição haveria muitos outros momentos marcantes na carreira desses três competentes e excelentes músicos. É só ouvir "We Can't Dance" ou o maravilhoso "Duke" para comprovar.
268 acessosGenesis: "Mama" em versão Metal por Leo Moracchioli5000 acessosSupernatural: ouça 10 músicas que marcaram a série

Este, aliás, é o único disco em que o Genesis se recusou a escrever qualquer tentativa de um épico progressivo. Músicas mais curtas dariam o tom do álbum. O resultado é bem louvável, e o título do álbum bem condizente com o momento. Seria uma primeira tentativa do agora trio mostrar a todos que não precisavam mais viver nas amarras de seus dois ex-companheiros de banda.

O resultado é bem interessante. "Down and Out", rápida e dinâmica, abre o disco e já demonstra essa procura do grupo por uma nova identidade. A título de curiosidade, a letra desta música se dirige ao próprio Steve Hackett. Sim, foi o Genesis que começou com essa mania de um grupo falar de algo referente a um ex-membro em uma nova música. Eles já tinham feito isso no excelente álbum "A Trick of the Tail", o primeiro da banda sem Peter Gabriel. "Undertow", assim como "Snowbound" ainda contém resquícios da era quarteto do grupo. "Ballad of Big" também mostra pequenos resquícios, porém de sua outra encarnação como quinteto, já demonstrando novidades sonoras.

"Burning Rope" talvez seja a única que se aproxime de uma tentativa de música longa, tendo aproximadamente 7 minutos. Outra interessante mudança de rumo sonoro está em "Deep in the Motherlode" e a divertida "The Lady Lies". As belas "Many too Many" e "Say It's Alright Joe" também dão uma passeada ainda no romantismo do Genesis quarteto. "Scenes From A Nights Dream" é outra que mostra novidades no som da banda. E o álbum finaliza com o que viria a ser o primeiro grande hit radiofônico da banda, "Follow You, Follow Me". Este, em particular, seria um pequeno grande aviso de que haveria um novo ingrediente no som do Genesis a partir daquele momento. Um belo momento em que os membros do Genesis descobrem outra fórmula de sucesso em seu som, atraindo a partir de então, grandes audiências para seus shows.

Um bom disco, mas que ainda só mostraria um pouco do grande potencial que a banda, nesta nova fase de sua carreira, viria a desenvolver, já assumindo essa nova identidade em seu próximo lançamento, "Duke", essa sim, uma as grandes obras desse período do grupo.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de And Then There Were Three - Genesis

1010 acessosGenesis: Aprendendo a fazer pop de boa qualidade

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Phil CollinsPhil Collins
Hospitalizado após cair e bater a cabeça

268 acessosGenesis: "Mama" em versão Metal por Leo Moracchioli90 acessosThe Watch: sétimo LP traz a guitarra de Steve Hackett93 acessosNad Sylvan: LP com participação de Steve Hackett e estrelas prog1256 acessosGenesis: vídeo com o clássico maior da banda ilustrado0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Genesis"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Obcecado pelo 1º disco de Phil Collins?

Pra discutirPra discutir
Os 100 melhores discos de rock progressivo

Phil CollinsPhil Collins
Após conversa "arrogante", não gostou de McCartney

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Genesis"

SupernaturalSupernatural
Ouça 10 músicas que marcaram a série

Guitar WorldGuitar World
Os 100 piores solos de guitarra da história

Drogas e ÁlcoolDrogas e Álcool
Protagonistas nos piores shows de grandes astros

5000 acessosÔôôôôeeee: Sílvio Santos aprova montagem com Steve Harris5000 acessosSlayer: fãs hardcore dão (literalmente) o sangue pela banda5000 acessosMetallica: vizinho zoófilo, cocaína e groupies5000 acessosGuns N' Roses: Matt Sorum se recusou a participar de reunião5000 acessosHard Rock: as 100 maiores bandas do estilo segundo a VH15000 acessosEyes Of Shiva: A coleção de Metallica do baterista Ricardo Longhi

Sobre Ricardo Thomaz

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online