Marillion: "Somewhere Else" decepciona

Resenha - Somewhere Else - Marillion

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Carlos Basile Papakyriakou
Enviar correções  |  Ver Acessos


Depois de muita expectativa em torno do lançamento do novo disco do "Marillion 2" (chamarei dessa forma para facilitar as inevitáveis comparações e reflexões sobre a banda; também poderíamos utilizar a nomenclatura "Marillion AH-DH", antes e depois de Hogarth, deixando ainda mais claro e evidenciada a fragmentação das duas fases), aqui estamos com ouvidos e corações abertos.

Pearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desisteCultura inútil: Em quantas músicas Coverdale utilizou "love" (1)

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O disco abre com a modesta "The Other Half" com uma marcação rítmica eletrônica cansativa e de gosto discutível, na segunda parte, Rothery nos presenteia com um belo solo de guitarra. O disco segue com "See You Like A Baby" com um exaustivo refrão, "Thankyou Whoever You Are" com mais um bonito solo de Rothery e a curta "Most Toys" (esta a musica mais fraca do disco e talvez uma das menos inspiradas da carreira da banda). Nas quatro pequenas primeiras musicas a banda no geral não diz ao que veio, faltam melodias e as faixas não empolgam o mais sedento fã marilliano.

A quinta faixa do disco, a faixa-título "Somewhere Else", guarda a partir dos 5 minutos talvez o melhor momento do disco: intensa vibração e pegada, que relembram o "velho" Marillion. O ponto culminate do disco!

A seguinte, "A Voice From The Past" (com cerca de 6 minutos) alguns poderão destacar e colocar em um lugar mais alto que a faixa anterior, apesar do longo e sonolento inicio.

Na seqüência a lenta e pouco inspirada "No Such Thing" e a animada "The Wound" (com marcações eletrônicas) não merecem muito destaque.

O disco termina com "The Last Century For Man" (destaque para o belíssimo final com um teclado sinfônico fazendo a base) e a quase infantil "Faith", que foi tocada ao vivo pela banda durante a turnê do excelente disco, o anterior "Marbles".

Hogarth demonstra sua sempre gana e entrega nas musicas, mas nota-se que algo a mais fica faltando. Os teclados de Kelly e as guitarras de Rothery, apesar de presentes, estão timidamente inspirados e com uma criatividade limitada. A sonoridade da bateria de Mosley ao longo do disco não agrada. Ao mesmo tempo em que ouvimos marcação de tempo com sons eletrônicos cansativos em vários momentos do disco, Mosley abusa da sonoridade acústica utilizando a caixa da bateria sem esteira, tirando (e muito!) o peso e o brilho da parte rítmica do disco. Trewavas completa a cozinha de forma eficiente.

Depois de sedado, o sono e a viagem é quase inevitável. Pena que com pouca imaginação. Neverland, a terra do nunca se aproxima...

Nota para o disco: 6,0

Carlos Basile Papakyriakou

PS - Apenas para constar, algumas comparações (em outras resenhas do novo trabalho do "Marillion 2") foram feitas com Coldplay e Radiohead. Por falta de conhecimento maior e interesse nestas duas bandas, não irei opinar.

Marillion - "Somewhere Else" (2007)

Tracklisting:
1-The Other Half (4:24)
2-See It Like A Baby (4:29)
3-Thankyou Whoever You Are (4:42)
4-Most Toys (2:44)
5-Somewhere Else (7:46)
6-A Voice From The Past (6:12)
7-No Such Thing (3:58)
8-The Wound (7:11)
9-The Last Century For Man (5:26)
10-Faith (4:09)

Musicians:
Steve Hogarth - vocals
Steve Rothery - guitars
Mark Kelly - keyboards
Ian Mosley - drums
Pete Trewavas - bass, occasional electric guitar


Outras resenhas de Somewhere Else - Marillion

Resenha - Somewhere Else - Marillion




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Marillion"


Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivoMike Portnoy
Os dez melhores discos de rock progressivo


Pearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desistePearl Jam
Banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste

Cultura inútil: Em quantas músicas Coverdale utilizou love (1)Cultura inútil
Em quantas músicas Coverdale utilizou "love" (1)


Sobre Carlos Basile Papakyriakou

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336