Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


A curiosa história da música "O Papa É Pop", do Engenheiros do Hawaii

Por Bruce William
Em 02/05/22

Júlio Ettore, especialista em BRock e em Legião Urbana, passou a limpo a história da música "O Papa é Pop" e de sua irmã gêmea, "Perfeita Simetria", em um vídeo publicado em seu canal do youtube, que pode ser conferido no player a abaixo. E logo em seguida, a transcrição adaptada dos principais trechos.

"Eu vou começar citando algumas referências históricas dessa letra, que hoje algumas pessoas não lembram ou talvez não façam tanto sentido", diz Júlio. "E a primeira delas é que o Papa naquela época era João Paulo II e ele realmente sofreu um atentado em 13 de maio de 1981", explicando em seguida que é um lugar onde as pessoas costumam ficar e neste dia o Papa passou por ali cumprimentando os fiéis quando levou dois tiros à queima-roupa, e apesar da gravidade do atentado ele sobreviveu.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, Júlio explica o conceito de pop: "Esse negócio das coisas serem populares ainda existe, mas a gente não usa mais a palavra pop para se referir a ela. Hoje seriam os virais, os trends, as tendências, enfim. Mas naquela época, fim dos 80 e começo dos 90 essas coisas eram chamado de pop, o que caía no gosto do povo, estava nas paradas, no Disk MTV, o Humberto (Gessinger) fala de capa de revista, pois as pessoas se informavam através da mídia tradicional, televisão, jornal. Hoje a gente não para muito pra olhar capa de revista em banca de jornal. E a história de um planeta na sua cama, também é uma cena muito fim dos anos oitenta, as revistas, os pôsteres, os cartazes..."

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Daí ele conta que a ideia de fazer um disco brincando com esse negócio de ser pop teve uma série de origens: "Uma delas foi a constatação do próprio Engenheiros que eles tinham se tornado pop. O Humberto falou sobre isso numa entrevista na revista Bizz: 'Essa ideia existia desde que o papa levou um tiro, era uma letra que falava 'o pop não perdoa ninguém'. Mas na época era super difícil falar do pop porque eu não fazia parte, a banda era pequena ainda. Mas desde o ano passado, o pop se tornou mais real para nós. A tecnologia levou a isso, onde tudo é pop. Bem, nós amadurecemos nesse último ano e aprendemos a assumir o lado pop'. Então o Humberto dizia com esse disco que ele queria 'jogar poeira na engrenagem', ao invés de bater de frente com essa questão de ser pop, vamos tentar desconstruir essa ideia".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois Júlio exibe também a declaração dada por Humberto para o programa Matéria Prima em 1991: "O que eu chamo de pop, não sei se é isso que os acadêmicos chamam de pop. Essa realidade simplificada onde não existem dois tons da mesma cor, só existe um tom de verde, só existe um tom de azul, tudo é muito simplificado hoje em dia pela mídia, pela rapidez em geral. E eu acho que a gente pode jogar uma poeira nesse mecanismo de sucesso, pretendo que a gente jogue".

Então Júlio conta uma história muito curiosa que explica por qual motivo a música foi centrada na figura do Papa: "Humberto estava folheando uma revista e encontrou aquela foto que aparece no encarte do disco, bem na capa, do Papa João Paulo II tomando chimarrão. Porque ele fez uma viagem ao Brasil em 1980 e eles fez várias coisas, até segurou uma bandeira do Flamengo". 'Eu já tinha feito essa música, mas não dava muita importância para ela', explicou o Humberto, 'até que um dia eu lendo a (revista) Veja, eu vi uma foto do (Leonel) Brizola no escritório dele, e atrás dele tinha um pôster do Papa tomando chimarrão e eu disse 'olha ali, cara! O Papa é pop mesmo! Quando ele vai pro Sul ele toma chimarrão, quando vai pro Nordeste ele põe aquele chapéu de nordestino, e eu disse 'pô, esse cara é mais pop do que todo mundo!'". Por sinal, essa foto era de propriedade do Governador do Rio na época, o Leonel Brizola. Daí pediram a foto emprestado para ele e colocaram na capa do disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Muitas bandas fizeram músicas atacando o Papa, a nossa é a favor dele

Neste trecho, Júlio diz que Humberto não achava que a música causaria polêmica, e ele explicou o motivo em entrevista para a revista Bizz: "Acho que não terá problemas. Muitas bandas fizeram músicas falando mal da Igreja diretamente. A nossa é super sutil, e é a favor do Papa. Se houver algum problema eu retiro, porque sou supercatólico. Não é brincadeira, é super sério. Se o Papa tem coragem de tomar chimarrão em Porto Alegre, ele tem de ter coragem de estar na capa do disco do Engenheiros".

Após comentar algumas curiosidades sobre a gravação da música, incluindo o fato de terem usado bateria eletrônica em todo ou quase todo o disco, Júlio fala da curiosa citação no final das letras do encarte do disco que diz "Lulu 'Heil Gessinger' Santos", e explica qual é a história por trás disso: "Teve uma matéria do Jornal do Brasil em 17 de fevereiro de 1989, e lá pelas tantas, Humberto falou o seguinte sobre o Lulu Santos: 'Existem entertainers e grupos que querem acrescentar uma existência abaixo das luzes de palco. Na primeira classificação se enquadram o David Cooperfield, o Sílvio Santos e o Lulu Santos, e na segunda estamos nós e muitas bandas como o IRA!, a Legião Urbana e o Paralamas".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Daí o livro "Infinita Highway" conta como foi a repercussão dessa matéria: "Em entrevista para a Folha de São Paulo de 1º de outubro de 1990, Gessinger contou que 'ele (Lulu Santos) ligou pra casa me chamando de nazista. Fiquei chateado, não queria polemizar com ele (Lulu Santos), é uma pessoa que eu admiro. Na minha cabeça ser 'entertainer' não é pejorativo".

Por fim, Júlio comenta que "O Papa É Pop" tem a mesma música de "Perfeita Simetria" mas não há nenhum motivo para isso, trata-se apenas de uma auto-referência: "Aproveitando a autonomia que conquistamos na indústria, fui me fechando no meu próprio trabalho, que foi ficando cada vez mais autorreferente. Discos compunham trilogias, melodias e capas que se repetiam anos depois, letras de músicas voltavam transformadas. Duas letras na mesma melodia, duas melodias com a mesma letra..." explicou Humberto Gessinger no seu livro "Pra Ser Sincero", que ainda mencionou o assunto quando esteve no programa "Matéria Prima" em 1991: "Ela é a perfeita simetria com 'O Papa É Pop', né? Tem a ver com essa logomarca do disco, que é a Perfeita Simetria. Foi a última música do CD e da fita, ela fecha o ciclo do disco espelhando 'O Papa É Pop'".

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Engenheiros do Hawaii: eleita a banda mais inteligente do mundo?


Sobre Bruce William

Bruce William pensava em ser um motoqueiro rebelde mas descobriu que é um Wieder Blutbad nerd apaixonado por uma Fuchsbau. Avy jorrāelan, CatW!

Mais matérias de Bruce William.