Resenha - Louder Now - Taking Back Sunday

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Os americanos do Taking Back Sunday estão chegando ao seu terceiro álbum, por uma grande gravadora, sem ter sido ainda apresentados para muitas partes do mundo. Duvido que muitos aqui no Brasil conheçam a trajetória do grupo, que começou em 2002 com "Tell All Your Friends", e que teve o seu ápice em 2004, com "Where You Want To Be", álbum que vendeu mais de 1,4 milhões de cópias e que ficou por muito tempo nas paradas de revistas de renome no meio musical, como a Billboard e a Rolling Stone. Provavelmente agora, com "Louder Now", lançado pela Warner Music, as coisas mudam e em pouquíssimo tempo, acredito que o Taking Back Sunday já esteja circulando em programações de rádio e até na MTV brasileira..

Rock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?Capas de álbuns: algumas curiosidades e histórias

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O som de Adam Lazzara (vocal), Fred Mascherino (guitarra e alguns poucos vocais), Eddie Reyes (guitarra), Matt Rubano (baixo) e Mark O'Connell (bateria) é bastante complicado de receber um rótulo específico. Nota-se perfeitamente na proposta do Taking Back Sunday influências que vão desde o pop/rock, passando pelo punk rock, chegando até um rock mais cru e pesado. Produzido por Eric Valentine (que já trabalhou com o Queens of the Stone Age), "Louder Now" pode não trazer nenhuma grande inovação para o estilo, mas não abre a mão do peso e da agressividade típica do rock n' roll.

"What's It Feel Like to be a Ghost?" é um exemplo de composição não tanto pesada (mas com melodia), enquanto que "Liar (It Takes One to Know One)" lembra bastante bandas com o Green Day, pioneiras em fazer um punk rock com um quê de pop/rock. Entretanto, e com toda a certeza, é quando a banda aposta em canções mais pesadas e emotivas, especialmente como "Make Damn Sure", que as coisas tornam-se de extremamente positivas. Essa é provavelmente a maior composição da banda em toda a sua carreira, e a de maior impacto em todo esse seu mais novo álbum. Uma pena a banda não repetir a fórmula dessa faixa nas seguintes, mas pelo menos há outros bons momentos dentro do disco, como a balada "My Blue Heaven", as agitadas "Twenty-Twenty Surgery" e "Spin", além da punk/pesada "Error: Operator", que é, inclusive, parte integrante da trilha sonora do filme "Quarteto Fantástico".

Ainda faltam certas definições para que o Taking Back Sunday elabore um trabalho mais coeso e em uma tendência musical bastante específica, sem tantos experimentalismos e sem composições tão diferentes entre si dentro de um mesmo álbum. Para muitas bandas, esse tipo de variedade funciona muito bem, mas para o Taking Back Sunday, acredito que seja melhor explorar a linha de suas composições mais pesadas. É aos poucos que eles consolidarão o seu nome, tanto nos EUA como em outras partes do mundo. Falta só um pouco de amadurecimento musical.

Site oficial: www.takingbacksunday.com

Line-up:
Adam Lazzara (vocal);
Fred Mascherino (guitarra/vocal);
Eddie Reyes (guitarra);
Matt Rubano (baixo);
Mark O'Connell (bateria).

Track-list:
01. What's It Feel Like to be a Ghost?
02. Liar (It Takes One to Know One)
03. Make Damn Sure
04. Up Against (Blackout)
05. My Blue Heaven
06. Twenty-Twenty Surgery
07. Spin
08. Divine Intervention
09. Miami
10. Error: Operator
11. I'll Let You Live




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Taking Back Sunday"


Rock In Rio: por que ladrões agem menos no dia do Metal?Rock In Rio
Por que ladrões agem menos no dia do Metal?

Capas de álbuns: algumas curiosidades e históriasCapas de álbuns
Algumas curiosidades e histórias


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL