Resenha - Bloom - Eric Johnson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas
Enviar Correções  

7


Depois de um hiato de 9 anos sem lançamentos (o último, Souvenirs, havia sido lançado apenas na Internet em 2003), Bloom é lançado cercado de ansiedade pelos fãs do artista e por músicos em geral. Considerado por muitos, um dos melhores guitarristas vivos do nosso tempo e um dos poucos que conseguiram criar um estilo próprio, Eric Johnson nos apresenta o novo trabalho como uma "diversa experiência musical". Para a empreitada ainda foram chamados os guitarristas Shawn Colvin e Adrian Legg como participações especiais, juntamente com os membros da sua banda atual.

Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racista

Saúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentais

O estilo melodioso do guitarrista é mostrado de cara na primeira faixa, a própria "Bloom", com um ótimo riff, solos marcantes e bonitas harmonias. "My Back Pages", cover de Bob Dylan, ganha nova roupagem, mas Johnson infelizmente não convence como cantor – problema que surge em outras músicas no decorrer da audição.

Divido em três partes: Prelude, Courante e Allemande, Bloom mostra toda virtuose de Johnson, com ênfase principal nas canções, cada parte refletindo um diferente clima, mostrando como vários estilos musicais podem ser adaptados com perfeição para o estilo único do guitarrista. A primeira, Prelude, marca o lado mais rock das 5 primeiras músicas, enquanto Courante traz a coleção de canções mais intimistas, meditativas. A terceira, Allemande, mais jazz, mas ainda relaxante e introspectiva.

O resultado final das 16 faixas, com destaque para as excelentes "Columbia", "12 to 12 Vibe", "Tribute to Jerry Reed" e "Magnetized", é bom, mas não chega a empolgar tanto quanto o esperado, principalmente se pensarmos no tempo "parado" e no nível do trabalho já feito por Johnson. Os fãs provavelmente vão aprovar.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocarGuitarras
As 15 músicas mais complicadas para tocar

G3: Joe Satriani criou projeto pois sucesso o isolou de todosG3
Joe Satriani criou projeto pois sucesso o isolou de todos


Phil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racistaPhil Anselmo
Vocalista explica e se retrata por episódio racista

Saúde: mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentaisSaúde
Mais de 60% dos músicos sofrem de problemas mentais


Sobre Rodrigo Simas

Designer, carioca e tricolor. Começou a ouvir música aos 11 anos, com Iron Maiden, Metallica e Rush. Tem como hobby quase profissional, a música. Além de produzir shows e eventos, trabalhou por 5 anos em loja especializada em Heavy Metal, e já escreveu para alguns sites e revistas de música. Hoje escuta de tudo um pouco, e cada vez mais descobre que existem apenas dois tipos de música: a boa e a ruim, independente do estilo. Bandas e artistas favoritos: Dave Matthews Band, Peter Gabriel, Rush, Iron Maiden, Led Zeppelin, Ben Harper, Radiohead, System of a Down... e a lista continua...

Mais informações sobre Rodrigo Simas

Mais matérias de Rodrigo Simas no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin