Resenha - Third Age Of The Sun - Battlelore

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Lançado em 2003, "Sword's Song" foi um bom CD, especialmente para abrir terreno em terras brasileiras sobre o que é, de fato, a música dos finlandeses do Battlelore. Mistura de sons folk com metal dão certo, quando bem feitas, e no mais novo cd do grupo que mescla vocais guturais masculinos e límpidos femininos, sobram canções tradicionalistas e baseadas em passagens épicas.

Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackMetal Neoclássico: como se tornar uma estrela do gênero

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A voz de Kaisa Jouhki, uma menina muito bonitinha, é especial para o gênero. É ela quem faz o dueto com Tomi Mykkänen, dono de rosnados incríveis e aparentemente forçados, mas que se encaixam muito bem à limpidez da garota. Já na primeira, "Storm Of The Blades", precedida por uma introdução chamada "Usvainen Rhun", é garantido que de dois anos para cá, o processo evolutivo do Battlelore fortaleceu-se. A canção de abertura é um estouro, com muita energia e mistura de vocais. Porém, quem mostra para que realmente veio foi Kaisa, que manda no refrão a mistura mais serena que o ouvido pode receber.

É por aí que já podemos fazer uma análise geral do disco. A Maria, preferindo ter apenas este nome na banda, conseguiu transformar o bonito trabalho que fez nos teclados no disco anterior, em uma participação ainda melhor. O resultado é uma base limpa e precisa. Para os padrões fantasiosos que a banda Battlelore encara, seria impossível não haver um trabalho de teclados, pianos e flautas, mas dispensa-se dizer que a qualidade fica bem mais aceitável.

Falando em fantasia, o visual da banda é uma atração à parte. Nada do que os espalhafatosos do Lordi já não tenham feito, mas Henri Vahvanen na bateria, Jussi Rautio e Jyri Vahhanen nas guitarras, Timo Honkanen, além do vocalista Tomi, vestem-se de orcs ou criaturas oriundas das florestas finlandesas, mostrando que a temática da banda e do álbum são mais importantes do que tudo. No encarte, machados substituem instrumentos e pesadas maquiagens suprem o bom senso, se é que ele existe e/ou se faz necessário.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sendo composto por 13 canções, uma de introdução e a final "Gollums Cry", restam 11 músicas de bom nível sonoro, alegre e possuindo apenas uma balada. O restante são boas misturas de metal melódico e épico. Os vocais mais graves apenas balanceiam, sem dar as caras do real death metal. A exemplo de "Trollshaws" ou "Cloaked In Her Unlight" a mistura de Kaisa e Tomi é interessante, mesmo não sendo um poço de originalidade.

Não há como destacar apenas uma ou duas músicas, já que elas são um pouco parecidas entre si, mas vale o destaque do potencial do baterista Henri, fazendo ótimas viradas, e da dupla de guitarras, que comprime os espaços sonoros com bons momentos. Apenas passagens mais esmiuçadas do teclado ou os riffs são mais acentuados. Certo mesmo é que no lado épico da sonoridade e letras incrivelmente referidas a J.R.R. Tolkien, o Battlelore vem crescendo na cena mundial, mesmo que o som seja um pouco parecido com bandas já bem mais famosas.

Napalm Records




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Battlelore"


Tolkien: A influência do autor no rock e no heavy metalTolkien
A influência do autor no rock e no heavy metal


Trollagem: quando as bandas decidem zoar com o playbackTrollagem
Quando as bandas decidem zoar com o playback

Metal Neoclássico: como se tornar uma estrela do gêneroMetal Neoclássico
Como se tornar uma estrela do gênero


Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280