Resenha - Holy Hell - Rob Rock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 10


Acho que o único trabalho de Rob Rock que ouvi que merecesse uma nota menor que 8 foi o Grin & Bear It do Impellitteri, isso porque o álbum é de 1992. E desde que saiu da banda, em 2000, quando lançou o estupendo "Rage Of Creation", o mínimo que espero dele é algo muito bom. Acho quase impossível que ele venha a decepcionar os fãs no futuro. "Holy Hell" consagra uma carreira solo fantástica, sendo que Rob só não é considerado deus por aqui por falta de tino comercial - não entendo o porquê de nenhuma gravadora tupiniquim ter licenciado estes álbuns ainda. Uma estupidez inacreditável, considerando que o estilo de Rob, tendo o mínimo de divulgação, venderia milhares de cópias facilmente. "Holy Hell" é melhor que os últimos trabalhos de Saxon, Shaaman, Primal Fear, Grave Digger, Iron Maiden, Manowar, At Vance, Anvil, Hammerfall, Dream Evil, Judas Priest e congêneres. Ou seja, qualquer headbanger inteligente irá gostar deste som.

Doentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucosOops!: 10 erros eternizados em gravações de clássicos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Slayer Of Souls", a primeira música, supera minhas expectativas (estratosféricas, tome nota) e deixa transparecer a evolução em termos de peso, agressividade e complexidade de seus álbuns solos. Riff ultra pesado, seqüência de puro heavy metal virulento, thrash-power se assim preferirem, um grande solo e uma linha vocal irresistível. Roy Z, guitarrista e produtor, parceiro de Rob há mais de 15 anos, entrega a produção mais áspera e ofensiva que já fez. Além do direcionamento dado, dois grandes responsáveis por esta maior carga de peso são Andreas Olsson (o baixo finalmente participa mais das composições) e Bobby Jarzombek (ex-Halford e Iced Earth), o monstro, com sua pegada beirando o thrash metal. Sua interação com o guitarrista Carljohan Grimmark é fantástica, confira em "The Revelation". E por falar em Carljohan, o virtuoso membro do Narnia confere a "Holy Hell" solos encharcados de técnica, feeling e ao mesmo tempo agressivos, velozes sim, mas nunca em excesso, aqueles presentes em "Lion Of Judah" e "When Darkness Reigns" são especialmente atraentes.

O peso evidente em todo o material, que se exalta nos riffs mais rápidos e nos timbres afiados, e também nas estruturas mais quebradas e intensas, dão nova roupagem ao trabalho, que é um mix de todos os elementos que Rob Rock já trabalhou em sua carreira, trafegando entre o hard rock, o heavy metal e o power/melódico com inegável competência. "Calling Angels" possui uma melodia magnífica, num dos refrãos mais grudentos que Rob já compôs, sendo o nascimento dum hino, "First Winds Of The End Of Time" é uma canção poderosa, enquanto "I'm a Warrior" é um clássico pessoal de Rob Rock. Tal música já havia sido gravada em dois trabalhos prévios, no Driver e no Impellitteri, e a atual versão capricha neste ótimo hard rock metalizado, tornando-a ainda melhor e mais pungente. "I'll Be Waiting For You" é a primeira balada nos moldes tradicionais, com vocal "a capela", registrada na fase solo, e é um momento lindíssimo e recompensador dentro do play. "Move On", a última, é um novo cover de Abba (a música "Eagle", da mesma banda, estava presente em "Rage Of Creation"), e, ao contrário de sua predecessora, transformada num típico heavy metal, esta aqui, que conta com um dueto entre Rob Rock e Tobias Sammet, é bem diferente de todo o resto, todavia, não deixa de ser interessante, demonstrando a capacidade de se lidar com outros estilos de música.

Falar da performance vocal de Rob Rock é ser eternamente redundante: definitivamente uma das vozes mais carismáticas e irresistíveis do metal mundial, que não vacila um segundo sequer e não tem dificuldade em qualquer tipo de composição. De uma naturalidade ímpar. As guitarras e os vocais continuam ocupando o centro da atenção nas composições de Rock & Roy Z, e não há porquê mudar, pois os dois são gênios e a voz do sujeito é perfeita.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Banda sincronizada, músicas completinhas, explorando várias facetas da vertente mais melódica do metal, parcerias longínquas, virtuose palatável, produção irretocável, arte feita com esmero. E, ainda que algumas passagens - familiares demais ou menos inspiradas que o normal, para ele, claro - quase tiram a nota máxima de "Holy Hell", o 10 é altamente merecido. Ouça, se não gostar, você realmente nunca gostou de metal.

Formação:
Rob Rock (Vocal)
Carljohan Grimmark (Guitarra)
Andreas Olsson (Baixo)
Bobby Jarzombek (Bateria)

Participações Especiais:
Tobias Sammet (Vocal)
Rick Renstrom (Guitarra)
Bob Rossi (Guitarra)
Roy Z (Guitarra)
Mistheria (Teclado)

Site Oficial: www.robrock.com


Outras resenhas de Holy Hell - Rob Rock

Resenha - Holy Hell - Rob RockResenha - Holy Hell - Rob Rock



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rob Rock"


Doentio: Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucosDoentio
Black Metal composto apenas com gritos de pacientes loucos

Oops!: 10 erros eternizados em gravações de clássicosOops!
10 erros eternizados em gravações de clássicos


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280