Resenha - Evil Is Forever - Astral Doors

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

9


Bendita seja essa Suécia. Quantos milhões de filhos e grupos pródigos já surgiram e outros ainda estão porvir deste país? A cada lançamento uma nova descoberta. Desta feita, encontrei a melhor opção para fãs de Deep Purple, Black Sabbath, Rainbow, no som maduro e firme do Astral Doors.

Na verdade, a banda estreou com "Of The Son And The Father" em 2003, e ouvi muitos comentários positivos de todos os cantos do mundo, inclusive aqui no Brasil, já que o CD saiu aqui. Todavia, não dei muita onda e cometi o absurdo de só conferir este baita conjunto agora, com "Evil Is Forever".

publicidade

As guitarras de Joachim Nordlund e Martin Haglund, além de peso fenomenal, encontraram a voz perfeita para si. Nils Patrik Johansson é um desses monstros que surgem a cada dez anos - apesar da última década ter revelado Jorn Lande e Russell Allen. Mas enfim, falamos de um dos melhores e mais completos vocalistas da atualidade, remetendo-nos especialmente a Dio e Tony Martin.

publicidade

A sonoridade, apesar de moderna e bem produzida, é bem enraizada nas referências mencionadas, e evoca um clima de final dos anos setenta, início dos oitenta. Realmente fantástico e fidedigno às influências maravilhosas que guiam as composições.

Completando esse time, Jocke Roberg aparece sempre belissimamente com seu hammond, mas poderia ganhar mais espaço. Mika Itäranta segura bem a barra dos intensos riffs no baixo. Por último, Johan Lindstedt surge como outra revelação de alta valia. Bateria estrondosa, levadas pulsantes, e muita precisão.

publicidade

Em alguns momentos, sinto que gostaria de ver o Astral Doors seguir outra linha além dessa tríade com Purple, Sabbath e Rainbow. Talvez pela mixagem perfeita de Peter Tägtgren (Hypocrisy, Dimmu Borgir, Children Of Bodom) e a produção de Vince Sorg (Statetrooper, Grave Digger) que valoriza o peso e vigor dos instrumentos. Porém, pouco depois, a eficácia da agrupação nos lembrando de Ritchie Blackmore, Dio, Geezer Butler, já me faz mudar de idéia e pedir por mais material similar ao apresentado neste segundo disco.

publicidade

Definitivamente há talento demais por aqui, e um futuro que mal consigo imaginar. Difícil pará-los se seguirem nesse ritmo.

Site Oficial – http://www.astraldoors.com

Nils Patrik Johansson (Vocais)
Joachim Nordlund (Guitarras)
Martin Haglund (Guitarras)
Jocke Roberg (Órgão Hammond)
Mika Itäranta (Baixo)
Johan Lindstedt (Bateria)

Material cedido por:
Hellion Records – http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 – Lojas 280 / 282 / 308 – Centro.
São Paulo – SP – BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3Heavy Metal
Alguns discos que são obras-primas pouco lembradas - Parte 3


Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA

Ninguém é perfeito: os filhos bastardos de pais famososNinguém é perfeito
Os filhos "bastardos" de pais famosos


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin