Resenha - In My Room - Brian Martin Stark

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Vignini
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Brian Martin Stark por 16 anos trabalhou na produção de gente como Winger, Mr. Big, Alice Cooper ou Alan Parsons. Este álbum é o trabalho do produtor que vai para o outro lado do "aquário".

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalMetallica: a regressão técnica de Lars Ulrich

Ele compõe e toca todos os instrumentos, para fazer um rock bem pop, mas com muito bom gosto. "Rosedale" começa o disco bem dançante (no bom sentido), ao estilo do pop-rock dos anos 80, com bons backin' vocals.

"I Am Alone", é uma balada a la Beatles. Logo em seguida entra uma música que mostra outra influência de Brian, os Beach Boys, "Only In My Dreams", com várias características da clássica banda de Brian Wilson, assim como a música seguinte, "It's Time to Swim". Rocks bem leves, dançantes e sem exageros.
O rock'n'roll rola com "(I Wanna Have A) Hit Record", onde ele fala do sonho de todo compositor de ter um hit nas paradas; será que ele consegue? Talvez não, mas que a música é legal, isso não dá para negar.
"Shine The Light!" é mais uma música anos 60, com um toque oitentista, que é seguida pela balada melosa "Shadows On The Wall".

"Humbug" tem bons vocais e logo depois entra a instrumental "Set Pounds" (trocadilho com o clássico Pet Sounds, dos Beach Boys?), onde se vê que o trabalho com Alan Parsons influenciou seu modo de composição.

"Like Before" é uma balada acompanhada por um segundo vocal feminino. "If Love Is A Lie" encerra o cd com um pique meio Journey.

O CD é bem legal. Não é indicado para todos, mas se você curte o pop feito nos anos oitenta, ou é fã de Brian Wilson, pode ir atrás sem susto. Procure conhecer mais no site www.mp3.com/BrianMartinStark. O cara merece mais do que ficar só mexendo botões em uma mesa de som.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Brian Martin Shark"


Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal

Metallica: a regressão técnica de Lars UlrichMetallica
A regressão técnica de Lars Ulrich

Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisÔôôôôeeee
Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

Occult Rock: dez novas ótimas bandas para você conhecerOccult Rock
Dez novas ótimas bandas para você conhecer

Rolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Rolling Stone
Os 100 melhores álbuns dos anos 90

Duff McKagan: ensinando quem não pode beber a beberDuff McKagan
Ensinando quem não pode beber a beber

Metallica: 'St. Anger' foi um ponto baixo, diz HetfieldMetallica
"'St. Anger' foi um ponto baixo", diz Hetfield


Sobre Guilherme Vignini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.