Matérias Mais Lidas

Kiss: Gene Simmons diz que passou dos 70 anos por nunca ter bebido ou usado drogasKiss
Gene Simmons diz que passou dos 70 anos por nunca ter bebido ou usado drogas

AC/DC: a resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da bandaAC/DC
A resposta inusitada de Supla quando perguntam se ele gosta da banda

Chester Bennington: viúva anuncia separação de bombeiro após um anoChester Bennington
Viúva anuncia separação de bombeiro após um ano

Shaman: quando Andre Matos desmaiou durante show em Belo Horizonte, em 2018Shaman
Quando Andre Matos desmaiou durante show em Belo Horizonte, em 2018

Guns N' Roses: Gilby diz que grunge fez a banda sair dos estádios e ir para os clubesGuns N' Roses
Gilby diz que grunge fez a banda sair dos estádios e ir para os clubes

Thrash metal: 20 grandes músicas do estilo mais rápido e agressivo da música pesadaThrash metal
20 grandes músicas do estilo mais rápido e agressivo da música pesada

Paul Stanley: A dor e o drama de ser corno de um Caça-FantasmasPaul Stanley
A dor e o drama de ser corno de um Caça-Fantasmas

Rock in Rio: Produção afirma que datas estão mantidasRock in Rio
Produção afirma que datas estão mantidas

Nervosa: é difícil ser músico de rock/metal no Brasil, um país muito católicoNervosa
"é difícil ser músico de rock/metal no Brasil, um país muito católico"

Gilby Clarke: Axl Rose foi quem te demitiu, certo?Gilby Clarke
"Axl Rose foi quem te demitiu, certo?"

Black Sabbath: banda compartilha meme de Bernie Sanders em capa de primeiro discoBlack Sabbath
Banda compartilha meme de Bernie Sanders em capa de primeiro disco

Max Cavalera: O único presidente bom do Brasil foi mortoMax Cavalera
"O único presidente bom do Brasil foi morto"

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Supla: Papai é petista, mamãe é golpista e eu sou anarquista!Supla
"Papai é petista, mamãe é golpista e eu sou anarquista!"

Marilyn Manson: perdi tudo por causa de ColumbineMarilyn Manson
"perdi tudo por causa de Columbine"


Matérias Recomendadas

WatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposWatchMojo
Os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

Guns N' Roses: Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpasGuns N' Roses
Axl desafina guitarra de Slash e pede desculpas

Krisiun: banda lista os 5 picos mais demoníacos do BrasilKrisiun
Banda lista os 5 picos mais demoníacos do Brasil

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba

Rock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morridoRock Stars
Como se pareceriam alguns se não tivessem morrido

Stamp
Tunecore

Resenha - Nevermind - Nirvana

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício de Almeida (Maquinário)
Enviar Correções  


Falar sobre "Nevermind" é falar sobre quase toda uma cultura, um período onde foram colocados em xeque alguns valores comportamentais e algumas angústias reprimidas por "Thriller" ou "Like a virgin" que atormentavam as rádios, dia e noite.

Não há como negar o impacto causado pelo Nirvana quando lançou seu segundo álbum, o primeiro por uma grande gravadora. O hard-rock já havia se tornado uma paródia de si mesmo, e aqueles cabelões enormes ao lado de solos de guitarras enormes e dos enormes falsetes deixavam de inovar, caindo na mesmice. E o Axl Rose... Bom, o Axl Rose sempre foi o Axl Rose. O início das pré-produzidas 'boybands' que viriam assombrar o mercado em meados da década de 1990 já apontava dois nomes certos: Madonna e Michael Jackson. Suas danças ensaiadas e as músicas vergonhosamente pop marcaram seu lugar no universo musical, porém chegaram a tal ponto de estagnação que mesmo que não quisesse, o mercado precisava de sangue novo. Mas onde encontrar? Uma nova Madonna ou um novo Michael Jackson não seria a solução, afinal, eram eles a estagnação do mercado fonográfico. O jeito foi procurar por pequenos movimentos culturais que teimavam em aparecer nos mais variados cantos do mundo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Foi então que a cinzenta Seatlle surgiu, possuidora de uma movimentação musical que, contradições à parte, poderia se tornar o pote de ouro no fim do arco-íris. E se tornou. Não apenas Nirvana, mas Pearl Jam, Mudhoney, Soundgarden, Alice in Chains entre outras tantas bandas saíram de lá conquistando uma legião de fãs que jamais apareceriam nas estatísticas de pesquisa de opinião de qualquer gravadora daquela época. A juventude via o muro cair, a Aids surgir, toda uma nova configuração social se formar, mas ninguém parecia perceber que falar sobre virgens, rituais satânico-farrofas ou mostrar clipes com lobisomens ou trovões já não correspondia mais com os anseios de toda uma massa de pessoas, angustiadas por algo que não sabiam o que era, reprimidas por algo tão desconhecido quanto ao que reprimia. Era preciso um novo guia, um novo ídolo, pois Jim Morrison, assim como Jimi Hendrix ou Janis Joplin já havia morrido ha décadas, e mesmo se estivesse vivos, a luta deles era outra, contra o Vietnã, e não contra esse inimigo invisível que assolava a juventude da década de 1990.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Os ídolos são, por excelência, tão problemáticos quanto seus seguidores. A história de Kurt Cobain cairia como uma luva, afinal, ele era tímido, tinha problemas familiares, de saúde e sua relação com a realidade não mudava uma vírgula do que se via não apenas nos Estados Unidos, mas também no Brasil, por exemplo, que enfrentava a redemocratização de maneira desastrosa. Não havia dúvidas de que Cobain seria a voz que guiaria esta juventude, entretanto, mesmo sendo um movimento premeditado, nem os engravatados das gravadoras podiam prever o que estava para acontecer. Na realidade, temos em "Nevermind" dois lados de uma mesma moeda, que não apenas gera discussões infindáveis, mas que caracteriza a adaptação forçada de uma realidade.

publicidade

Se o Nirvana foi ou não a melhor banda dos anos 90, nunca saberemos, da mesma maneira que nunca chegaremos ao consenso de quem foi melhor: Beatles ou Rolling Stones. O fato é que Nevermind trouxe de maneira definitiva o underground ao mainstream, causando uma confusão em ambas as regiões. É claro, por exemplo, que as guitarras de Nevermind são distorcidas de maneira diferente das guitarras de "Bleach", e não apenas devido ao gosto pessoal de Cobain. Elas fazem parte de um apanhado de alteração pelas quais passaram o som da banda ao, teoricamente, subirem um degrau. Tal fato não simboliza venda de ideais e/ou qualquer outro tipo de perda da essencial que move as paixões musicais, mas apenas a adaptação pela qual teve que passa o underground quando adentrou os caminhos do mainstream. Da mesma maneira que colocar nas capas das revistas, abrir programas de televisão e canais das rádios para a inconstância do underground e das pessoas que faziam parte dele também foi uma adaptação pela qual teve que passar o mainstream. A pista é de duas mãos. O mercado precisava de alguém que desse fim na estagnação, e encontrou, mas teve que arcar com esse mesmo alguém evidenciando várias das angústias que, até certo ponto, não são tão boas assim para o próprio mercado.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Se as guitarras de "Smells Like Teen Spirit" rendiam milhares a Geffen, então gravadora da banda, ao mesmo tempo ela expunha em seu refrão, "Here we are now/ entertain us" (algo como "Aqui estamos, entretenha-nos"), a superficialidade da relação juventude/mercado fonográfico: 'já que estamos fudidos, nos dê algo para matar o tempo, pois não há mais nada como aqueles idos anos 70 nos quais eu nem era nascido'. E não pensem ser o Nirvana esse 'algo'. Muito pelo contrário, ele era a voz desta juventude. Assim como era a voz mentirosa da juventude jurando não ter uma arma, pois a escondia por não saber para onde apontar, como no refrão de "Come as you are"; assim como era a voz da juventude repetindo consigo que 'precisava achar uma saída, uma saída melhor, melhor esperar' ("Territorial Pissings"); assim como a voz da juventude premeditando sombriamente que 'alguma coisa estava a caminho' ("Something in the way").

Dessa maneira, "Nevermind" talvez figure entre os discos mais importantes da década de noventa, pois, além de transformar toda uma realidade, alterando relações sociais ou comerciais, retrata a realidade daquela época como poucas outras obras conseguiram fazer. E, independente dos 10 milhões ou dos dez fãs, o importante é que aqueles dez anos estão ali, naquelas doze faixas, como uma fotografia capaz de não apenas mostrar a imagem, mas, principalmente, transmitir a emoção.


Outras resenhas de Nevermind - Nirvana

Nirvana: o clássico mais improvável de todos os tempos

Nirvana: Álbum revolucionário para o rock dos anos 90

Resenha - Nevermind - Nirvana