Resenha - Lovelorn - Leaves' Eyes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

7


Se tem alguma coisa que Liv Kristine nunca pode reclamar, certamente falamos das bandas que acompanharam-na. Sua voz sempre esteve em realce. Primeiro no Theatre Of Tragedy e agora com o Leaves’ Eyes, novo projeto constituído basicamente pela cantora e todo o Atrocity.

"Lovelorn" apresenta o conjunto desempenhando um eficiente metal gótico, de estruturas bem caracterizadas. Instrumentos com ótimos timbres abrindo campo para a voz angelical de Liv, e a mente criativa de seu marido, Alex Krull.

publicidade

O encontro dos vocais suaves com os guturais, um dos pontos altos na carreira do ex-grupo da norueguesa, são agora revividos pelo casal. Logo de início o embate traz aquela lembrança do Theatre Of Tragedy de "Velvet Darkness They Fear" (1996). Quando há menos agressividade depositada, "Aegis" (1998) surge claramente. Enfim, é como se depois de seis anos engendrando-se pela música eletrônica, Liv Kristine estivesse de volta à velha casa. Porém, com algumas diferenças.

publicidade

O experimentalismo e as fortes influências oitentistas que incidem sobre o Atrocity, reluzem aqui também. É o que distingue essencialmente o Leaves’ Eyes. Contudo, a exploração destes elementos pode ser aprimorada, em especial por parte da vocalista. Falta um tato maior com essa linha musical, nada que o tempo e os discos não possibilitem.

É interessante checar também como outras referências já estão perfeitamente introjetadas por Liv Kristine e seus companheiros. Enya, por exemplo. E tudo num esquema ‘metálico’, mais pesado.

publicidade

Por vezes é maçante a evolução das composições. É raro que surja um inesperado como o solo de guitarra em "Return To Life". As sonoridades folk também ficam na medida do razoável, ausentando-se grandes incursões, exceto pela ótima "Norwegian Lovesong".

O Leaves’ Eyes começa com um vasto leque de idéias pedindo por exploração mais a fundo. Os integrantes quase não arriscaram e fizeram um básico bonito. De outro lado, repetir a receita num próximo CD seria um erro. A audição seqüente do disco deixa claro que a fórmula se desgasta facilmente. Foi bom, mas é necessário mudar e há muito o que melhorar.

publicidade

Site Oficial – http://www.leaveseyes.com

Liv Kristine Espenæs (Vocais)
Alex Krull (Vocais)
Mathias Roderer (Guitarras)
Thorsten Bauer (Guitarras)
Chris Lukhaup (Baixo)
Martin Schmidt (Bateria)

Material cedido por:
Hellion Records – http://www.hellionrecords.com
Rua 24 de Maio, 62 – Lojas 280 / 282 / 308 – Centro.
São Paulo – SP – BRASIL
CEP: 01041-900
Tel: (11) 5083-2727 / 5083-9797 / 5539-7415
Fax: (11) 5549-0083
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Theatre of Tragedy: Liv diz que foi demitida igual a Tarja no NightwishTheatre of Tragedy
Liv diz que foi demitida igual a Tarja no Nightwish

Liv Kristine: fui demitida de minha própria banda!Liv Kristine
Fui demitida de minha própria banda!


Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rockÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Marilyn Manson: ele removeu costelas para praticar autofelação?Marilyn Manson
Ele removeu costelas para praticar autofelação?


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin