Resenha - And Lucifer Aeternam Gloriam - Crux Caelifera

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Investindo num som cadenciado e que vem, de uma vez por todas, mostrar que black metal pode sim ser um estilo versátil e bem realizado, desde que estejam presentes talento e trabalho árduo, o Crux Caelifera lança seu primeiro CD. O resultado não poderia ser mais satisfatório. Aliando bases cadenciadas, teclados climáticos e vocais cheios de variações, o disco desta banda paulista surpreende justamente por mostrar que, apesar do crescimento que vem passando o estilo há já bastante tempo, o black metal ainda está distante da saturação.

Led Zeppelin: plágios, homenagens ou mera coincidência?Quando shows dão errado: 25 apresentações desastrosas

O Crux Caelifera tem a vantagem de contar com a experiência e versatilidade do vocalista Vlad d'Hades (ex-Miasthenia), que consegue alternar diversos estilos de voz, indo do mais rasgado ao mais melódico sem maiores problemas. Além disso, a presença do talentoso tecladista Flagellum (que também toca no Mithological Cold Towers) só ajuda a enriquecer ainda mais o som do grupo. Quase não há espaço para blast beats, já que a banda optou por uma condução mais ligada ao doom metal. Em faixas como a incrível "Lord Morpheus, Máster of the Dreams" a alternância de vocais gritados, guturais e épicos cria um ambiente tão soturno que chega a assustar os incautos. É uma mistura muito bem sacada de Viking Metal, Heavy tradicional (como acontece na faixa título) e até alguma coisa de darkwave (de forma muito sutil) pode ajudar a caracterizar o som do grupo. Posso assegurar que o Crux Caelifera é o único de sua espécie, pelo menos aqui no Brasil, onde se tem feito muita cópia de bandas européias sem que isto resulte em trabalhos de qualidade.

A produção é bastante caprichada e foi realizada por Beto Martins. Embora a timbragem dos instrumentos ainda deixe a desejar em algumas passagens, isso não compromete o trabalho aqui apresentado. A gravação é excelente (realizada no Ancient Valley's Towers estúdio). O principal problema aqui acontece quando há abusos de vocais limpos. Eles soam meio deslocados, mas isto não chega a ser ruim. Apenas é algo que a banda precisa desenvolver melhor e, seguramente, nos próximos trabalhos, isto não será mais problema. Autenticas aulas de sofisticação sob forma de metal negro (ouça "Call of the Souls" e comprove) são constantes no disco. Mas o melhor mesmo fica para o final, quando Flagellum resolve criar uma pequena masterpiece com sintetizadores e teclados, numa espécie de trilha incidental satânica. "Horizon Eyes of Lucifer" é a melhor faixa deste CD que tem tudo para pavimentar o caminho do Crux Caelifera rumo ao altar dos gigantes do black metal nacional.

Banda:
Vlad d' Hades: vocais e guitarras
Agnus Noctis - guitarras
Lord Morpheus - baixo
Prophanus - bateria
Flagellum - teclados

Contatos:
Caixa Postal 63542
São Paulo - SP
02138-960
funeral@uol.com.br

Somber Music:
http://www.sombermusic.com
somber@sombermusic@com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Crux Caelifera"


Led Zeppelin: plágios, homenagens ou mera coincidência?Led Zeppelin
Plágios, homenagens ou mera coincidência?

Quando shows dão errado: 25 apresentações desastrosasQuando shows dão errado
25 apresentações desastrosas


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClioIL