Resenha - Once Upon Our Yesterdays - Cornerstone

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Dutra
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Não criar expectativas sempre evita decepções ou gera uma agradável surpresa. Felizmente, a última opção se encaixa perfeitamente em Once Upon Our Yesterdays, terceiro e mais recente trabalho do Cornerstone, banda liderada pelo vocalista Dougie White e o baixista/tecladista Steen Morgensen (ex-Royal Hunt) - e que conta ainda com o batera Allan Sørensen e o guitarrista Kasper Damgaard. Não que o disco anterior, Human Stain, seja dispensável. Pelo contrário, mas não faz nem sombra ao novo.

Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaKurt Cobain: a teoria de assassinato do músico

Mais do que um ótimo álbum, Once Upon Our Yesterdays é extremamente agradável aos ouvidos. Sem esconder a influência de Rainbow, mesmo porque White participou da última encarnação da banda de Ritchie Blackmore, o Cornerstone nos brinda com um hard rock mais pesado que o habitual, bem trabalhado e com belíssimas melodias vocais. É assim em When the Hammer Falls (com um solo de guitarra inspirado em Eddie Van Halen) e Passion to Warfare ou nas ótimas Welcome to Forever e Scream.

As quatro citadas acima já estão bem acima da média do que é feito no estilo hoje em dia, mas o restante do CD é de tirar o chapéu. Man Without Reason e Some Have Dreams são muito bonitas, a primeira com um inspirado trabalho de Damgaard e ótimo solo do convidado Peter Brander; a segunda com um hammond bem colocado por Morgensen. 21st Century Man, por sua vez, parece ter sido tirado do baú do Rainbow fase Graham Bonnet e Joe Lynn Turner - nada que se assemelhe às babas que este último gravou com o grupo, mas sim às canções mais rock'n'roll.

Apesar de estarmos diante de um trabalho uniforme, há sempre os destaques absolutos. End of the World foi enriquecida com as melodias escocesas e, de quebra, ganhou um belo solo de guitarra com teclados e a participação de Steffan Søgaard Sørensen no violino e no bratsch. Já Hour of Doom e a faixa-título são simplesmente excelentes e mostram quem individualmente mais brilha no grupo: White canta que é uma beleza! E imaginar que essa cara fez uma audição para o Iron Maiden e foi preterido porque Blaze Bayley era amiguinho de Steve Harris...

Once Upon Our Yestedays, faça-se o registro, tem um refrão que lembra The World is Not Enough, escrita e tocada pelo Garbage para ser o tema de "007 - O Mundo Não é o Bastante". Nada que desabone a música que dá nome ao disco. Bonita até dizer chega, ela ainda tem um White inspiradíssimo - sem querer desmerecer, aliás, o ótimo trabalho de Morgensen, Sørensen e Damgaard - e os backing vocals perfeitos de Anne Murillo e Gry Trampedach.

(Hellion - nacional)


Outras resenhas de Once Upon Our Yesterdays - Cornerstone

Resenha - Once Upon Our Yesterdays - CornerstoneResenha - Once Upon Our Yesterdays - Cornerstone




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cornerstone"


Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músicoKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico


Sobre Daniel Dutra

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClioIL