Resenha - Buried In Oblivion - Into Eternity

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


Quando você dá uma observada nas informações sobre a função de cada um dos integrantes do Into Eternity, dá até para pensar que eles montaram um coral de vocais death metal. Não! Sem essa de dez mil caras cantando ao mesmo tempo. Os canadenses partem para uma variação fantástica nas vocalizações.

Queen: Perguntas e respostas e curiosidades diversasMilhões: Os eventos com maior público da história da música

Por momentos soa "mainstream", especialmente quando Tim Roth aparece com sua ótima e "limpa" voz, a qual contrasta com a de seus companheiros. Noutras passagens há um quê de Extol nas vozes e especificamente em "Embraced By Desolation" há uma parte que lembra muito Kansas. E nessas mudanças, sempre abordadas por vocais death, segue Roth muito bem.

Este trabalho de vocais do Into Eternity é único e marcante. A veia progressiva e as influências do metal técnico também são fortes. Foram estes os fatores que me chamaram muito a atenção para o debute auto-intitulado da banda lançado em 1999. Consigo notá-los aqui, mas confesso que esperava mais.

"Splintered Visions" é um dos piores começos de discos que já ouvi. Uma guitarra de timbre fraco, e desconjuntada em relação ao restante da música. Não existe qualquer entendimento nas progressividades. E boa parte das outras faixas é assim.

Escutei diversas vezes o CD, pois todas as composições têm genialidades aqui e acolá. Jim Austin é um baterista fabuloso e atuação impecável ao lado do não menos brilhante Scott Krall no baixo. Contudo, foi impossível não ficar incomodado com a guitarra solo dissonante de Rob Doherty. É um músico de muitíssima técnica e qualidade. Só que errou a mão desta vez. Malditos sejam os pedais e a produção que deram ênfase a solos pouco inspirados.

Parece zombaria, mas eu compraria esse disco de olhos vendados, apenas por "Spiraling Into Depression", "Isolation", "Black Sea Of Agony" e "Morose Seclusion" (são, ao todo, dez faixas)

"Buried In Oblivion" é a obra errada vinda da banda certa. Aliás, certíssima. Ouça "Torn" e "Left Behind" do debute e entenda o que estou dizendo.

Site Oficial - http://www.intoeternity.com

Chris Krall (Vocais death)
Tim Roth (Vocais - Vocais death)
Rob Doherty (Guitarras - Vocais death)
Scott Krall (Baixo - backing vocals)
Jim Austin (Percussão - Vocais death)

Material cedido por:
Century Media Records - http://www.centurymedia.com.br
Caixa Postal 1240 São Paulo SP 01059-970 BRASIL
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: brasil@centurymedia.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Into Eternity"


Queen: Perguntas e respostas e curiosidades diversasQueen
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaMilhões
Os eventos com maior público da história da música


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336