Resenha - Haywire Logic - Kraised

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


Para quem pensa que crítica musical é um negócio fácil, aqui está o melhor exemplo do tipo de torturas a que somos obrigados a nos submeter de vez em quando. Eu ainda não desisti desse negócio porque, graças aos deuses do metal, este Kraised é só uma banda medíocre no meio de um monte de outras coisas legais. Vamos ao que interessa, ou seja, as razões que me levam a fritar o trabalho deste quarteto norte-americano.

Journey: o famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"

O som trata-se de uma mistura de Anthrax desprovido de inspiração com o que há de pior em termos de new metal. O vocalista The Tones esforça-se em recriar os timbres mais aborrecidos de James Hetfield e John Bush, conseguindo com isso um resultado terrível. Algumas faixas beiram o risível, como é o caso de "Headache" ou a terrível "Embossed". O negócio não dá sinais de melhora ao longo das 13 faixas deste Haywire Logic. A banda mostra-se cuidadosa com a produção do material de divulgação (se eu fosse me basear pelo release que veio junto com este CD, eu estaria aqui fazendo os mais rasgados e empolgantes elogios). Mas o resultado final soa forçado. A banda não possui identidade própria, soando ora como um Biohazard com problemas psicológicos (como em "Out of Danger", teoricamente "dedicada" às vítimas do 11/09/01) ora como uma trombada entre James Hetfield e Scott Ian, que causou traumatismo craniano em ambos ("Shame on Me"). A timbragem dos instrumentos é ingênua e as estruturas das músicas não contribuem para tornar este álbum nada interessante. Apesar do bom desempenho individual dos músicos, especialmente do baixista Ryan Mack e do batera Kelly Knight, com um sujeito como The Tunes (onde será que ele aranjou esse nome?) na banda, não há time que consiga

Não é thrash, não é punk, não é hardcore, não é rapcore. É apenas mais uma banda que acabou se lançando no mercado fonográfico cedo demais para que pudesse se encontrar e lançar um trabalho com mais identidade. A banda tem garra e muito potencial. Mas que deveria ter esperado antes de soltar este disco, ah deveria. E para aqueles que acham que estou sendo demasiado duro com os rapazes do Kraised, dêem uma olhada no site oficial da banda, onde é possível encontrar trechos de todas as músicas do disco.

Line-up:
The Tones - vocal
Ryan Mack - baixo
Kris Pierce - guitarra
Kelly Knight - bateria

Site oficial:
http://www.kraised.com



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kraised"


Journey: o famoso erro geográfico em Don't Stop Believin'Journey
O famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"

Bon Jovi: o mistério de Tommy e Gina em Livin' On A PrayerBon Jovi
O mistério de Tommy e Gina em "Livin' On A Prayer"


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.