Resenha - 10 Anos ao Vivo - Dr. Sin

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Dutra
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Mais do que ter a banda do coração, todo mundo possui carinho especial por determinados grupos. Nunca escondi que o Dr. Sin faz parte da minha lista, não somente pela qualidade das músicas, como também pela trajetória de seus integrantes. Eduardo Ardanuy (guitarra) e os irmãos Andria (baixo e voz) e Ivan Busic (bateria e vocal) fazem parte da história do rock brasileiro. Platina, Cherokee, A Chave do Sol, Wander Taffo e até mesmo Ultraje a Rigor e Supla estão no currículo de pelo menos um deles. Mais do que isso, o metal nacional deve um capítulo à parte de seu crescimento ao trio.

Dr. Sin: novo álbum Back Home Again, primeiro com nova formação, é lançadoDoors: Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Como o simples Alive, lançado em 1999, não fez justiça ao trabalho da banda, felizmente a banda resolveu comemorar aniversário dando um belíssimo presente aos fãs: o duplo 10 Anos ao Vivo, que também chegou às lojas no formato DVD, é espetacular. Produção impecável - já que a apresentação no Sesc Ipiranga, em São Paulo, foi gravada justamente visando ao lançamento - e uma performance irrepreensível de três dos melhores músicos do Brasil. Apesar de quatro das minhas músicas favoritas - Miracles, Gates of Madness, Hey You e Scream and Shout - não estarem presentes, as 18 canções que compõem o set list estão entre as melhores que o Dr. Sin já gravou.

A excelente Time After Time abre o show e é uma das quatro escolhidas do álbum Dr. Sin II, gravado com Michael Vescera nos vocais. Apesar de Andria não usar tons tão altos como Vescera - que canta uma barbaridade, diga-se de passagem - seus vocais não comprometem em momento algum, mesmo porque o baixista não apenas é muito bom, como tem um timbre único. Assim, o resultado permanece lá em cima nas outras três. Fly Away tem um refrão ótimo para se cantar, assim como a contagiante Eternity e a pesada Danger, que mostra uma das muitas virtudes de Ardanuy: grandes riffs.

No primeiro CD, pérolas como Sometimes (ainda melhor ao vivo), Isolated (solo maravilhoso!) e as "antigas" Stone Cold Dead (com uma dose extra de peso, fora o refrão mais acessível) e The Fire Burns Cold, com seu jeito de hino (graças ao ótimo riff inicial) e mais uma aula de Ardanuy (chega a assustar o que essa cara toca!), além de menções a Wild Thing e Voodoo Chile (Slight Return), do mestre Jimi Hendrix. Com a participação do percussionista Marcus Cesar e de Marcos Sérgio tocando xarango, a banda surpreende com a belíssima Years Gone e, apenas com Cesar, a maravilhosa Revolution (é de arrepiar o público cantando o excelente refrão). Sem dúvida, dois dos melhores momentos.

Algumas notas de Lazy, do Deep Purple, dão início a No Rules no segundo disquinho. Ótimo começo, seqüência ainda melhor. Leaving and Learnig e Zero são exemplos de ritmo e refrão deliciosos, Karma traz no fim um instrumental pesadíssimo que o trio costuma tocar há muito tempo e Down in the Trenches é um show à parte - e conta com a segunda parte da música, apesar de não creditada. Ardanuy - que, fato raro, mudou o solo - comanda o instrumental até brilhar a dupla Busic, principalmente Andria. Suas linhas de baixo já são de encher os olhos, aí o cara resolve dar uma aula de slaps e two hands. Enquanto isso, e mais ainda durante todo o show, Ivan manda ver em viradas e quebradas precisas e um trabalho de caixa perfeito.

O show chega ao fim com uma trinca arrasa-quarteirão. Primeiro grande clássico do Dr. Sin, Emotional Catastrophe levanta a galera, que vai à loucura com Futebol, Mulher & Rock n' Roll, que por sua vez já nasceu clássica. Para ter uma noção de tudo isso, é só assisitir ao DVD, mas é Fire - com o perdão do trocadilho - que termina de incendiar o lugar. Não à toa, a música conta com a participação de André Matos, vocalista do Shaman e um dos maiores frontmen do metal mundial. Por isso tudo só nos restar aplaudir - como o próprio Matos, que se junta à platéia para reverenciar o trio - e comprar 10 Anos ao Vivo, disco obrigatório à coleção de qualquer um que goste de rock. Nada mais justo.

Paradoxx Music - nacional


Outras resenhas de 10 Anos ao Vivo - Dr. Sin

Dr. Sin: Uma aula de hard rock pesado, preciso, energéticoDr. Sin
Uma aula de hard rock pesado, preciso, energético




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Dr Sin"


Dr. Sin: novo álbum Back Home Again, primeiro com nova formação, é lançadoDr. Sin
Novo álbum Back Home Again, primeiro com nova formação, é lançado

Importando Metal: músicos gringos que atuam ou já atuaram em bandas brasileirasImportando Metal
Músicos gringos que atuam ou já atuaram em bandas brasileiras

Dr.Sin: acabou-se a magia da espera de um discoDr.Sin
"acabou-se a magia da espera de um disco"


Doors: Perguntas e respostas e curiosidades diversasDoors
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Rolling Stone: Os 500 melhores álbuns da história em lista da revistaRolling Stone
Os 500 melhores álbuns da história em lista da revista


Sobre Daniel Dutra

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336