Resenha - Backlash - Bad English

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Supergrupo é igual produção cinematográfica "arrasa quarteirão"; se o primeiro filme foi sucesso, tudo leva a uma continuação, que pode superar ou não o original. Bem, no caso do Bad English, podemos dizer que a "continuação", lançada em 1991, entitulada Backlash está longe de superar a original, porém, possue excelentes momentos que valem a pena conferir. O elenco aqui é o mesmo do anterior, o enredo é interessante, mas as vezes chega a ser meio cansativo, mas a proposta continua intacta. Porém, a produção dessa vez ficou à cargo de Ron Nevison, e não Richie Zito, como no anterior.

Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Parece que a banda utilizou-se de todas as excelentes idéias que tinha para o primeiro álbum, deixando as sobras para usar no segundo. O disco já explode com a ótima "So This Is Eden", excelente som de abertura, mas nada impressionante, apesar do ótimo solo de Schon. A segunda, "Straight To Your Heart" vai pelo mesmo caminho, porém com uma batida diferente, sendo também, melhor trabalhada. A seguir uma intro de violão espanholada prepara terreno para a balada "Time Stood Still", seguida por outra balada (duas seguidas, haja...), "The Time Is Alone with You", porém, essa é mais melada que a anterior.

Após deixar as fãs loucas (e Os fãns também! ;p) com tamanha melação, a banda resolve dar uma animada nas coisas; "Dancing Off the Edge of the World" chega arrasando de novo, com ótimos riffs e vocais e um excelente refrão e solo matador, até que enfim, é como se o disco começasse à partir dessa faixa. Agora sim, estamos falando de Bad English! Seguindo a mesma pulsação com mais calma, chega a boa "Rebel Say A Prayer", e a banda comanda a festa novamente! A seguir temos uma lenta, mas muito boa, "Savage Blue", com uma excelente pegada e melodia.

A seguir temos a excelente "Pray For Rain", que parece uma versão demo de "Forget Me Not" do álbum anterior, mas com uma melodia contagiante e solo arrasador. Depois temos "Make Love Last", outra boa balada da banda, e para fechar, a excelente "Life At The Top", com um refrão grudento e contagiante e uma batida excelente, dando o tom final no projeto curto, mas bem sucedido desses excelentes músicos.

Resumindo, Backlash, como eu disse no início, não chega a superar o debut da banda, mas não deixa de ser um excelente segundo disco, que encerra com chave de ouro o Bad English. O que viria depois seria um Greatest Hits e dois bootlegs, com um deles (The Restless Ones) sendo uma performance ao vivo da banda e o segundo (The Lost Tapes), compilação do que ficou de fora desses dois trabalhos. Pra quem é fã do hard rock oitentista, não pode deixar de conferir mais esse ótimo disco.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por escolha do autor os comentários foram desativados nesta nota.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bad English"


Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Black Metal: o lado mais negro da cena brasileiraBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV


Sobre Ricardo

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336