Matérias Mais Lidas

imagemBeatles: A música que Paul McCartney compôs para calar a boca de Pete Townshend

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemTony Iommi diz que Geezer Butler sofreu acidente de barco e quebrou costela

imagemAs 10 músicas mais estranhas do Guns N' Roses, em lista do Ultimate Classic Rock

imagemBlaze achava que Bruce jamais voltaria para o Iron Maiden

imagemBatera do Polyphia perde click e técnico salva marcando o tempo em sua perna

imagemAs obscuras músicas favoritas do Red Hot Chili Peppers de John Frusciante

imagemO hit do Engenheiros do Hawaii frequentemente confundido com confissão de aborto

imagemDream Theater: confira possível setlist dos shows da banda no Brasil

imagemMaranhão Open Air anuncia line-up com 24 bandas em dois dias

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemDez clássicos do thrash metal que não foram gravados pelo "Big Four" - Parte I

imagemCinco músicas lançadas após o ano 2000 que se tornaram clássicos do rock - Parte III


Stamp

Resenha - Nothing To Remember - 40 Grit

Por Thiago Sarkis
Em 04/09/03

Nota: 8

Um álbum como "Nothing To Remember" é capaz de enlouquecer qualquer crítico de metal. É o tipo do disco que contém muitas características e se enquadra no nu-metal, mas ao mesmo tempo explicita alguns pontos que as bandas do estilo possuem, porém só os ouvidos mais atentos são capazes de ouvir. Boas melodias nos vocais, passagens semi-acústicas de alta qualidade, climas bem criados, e harmonias simples, contudo diferenciadas.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Começa a mídia, a partir de tais dados, num movimento que constitui uma autêntica palhaçada, a nomear o 40 Grit de metal moderno, rock comercial, melódico, alternativo e daí vamos. Tudo para fugir do rótulo nu-metal unicamente por este se tratar de algo abominável para seus leitores. Faça diferente e raciocine que neste estilo também surge muita coisa boa.

Scratches, DJs, vocais de rap e coisas do tipo, não entram neste lançamento da Metal Blade. Há alguns toques de Stone Temple Pilots (mais pesado), Machine Head e similares. A produção é excelente assim como geralmente o que ouvimos proveniente dos grupos citados.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Os músicos tocam de maneira coesa e com eficiência. Guitarras bem pesadas, com afinações típicas da vertente que fazem parte também aparecem. O baixo se destaca bastante e Kevin Young participa amplamente da constituição harmônica.

O único problema está nos vocais de James Santiago, que não têm muita pegada. Ele tenta por vezes ir a pontos mais extremos, porém não consegue dar a levada, por exemplo, e fazendo uma referência razoavelmente próxima, àquilo alcançado pelo Anthrax em "Taking The Music Back" com John Bush no recente "We’ve Come For You All" (2003).

Antes de ouvir, você precisaria se desvencilhar das barreiras certeiras. Faça isso, ao invés de tentar o contrário, negando e tentando desvencilhá-los de um estilo ao qual pertencem e ostentam muito bem.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Site Oficial: http://www.40grit.com

Line-Up:
James Santiago (Vocal – Guitarra)
Chris Anderson (Guitarra – Vocais)
Kevin Young (Baixo)
Andy Green (Bateria)

Material cedido por:
Metal Blade Records Inc. USA – http://www.metalblade.com
2828 Cochran St. Suite 302 Simi Valley, CA 93065
Hotline: +1 805-522-7548
Email: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Guns N' Roses: a versão de Axl Rose sobre a separação

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treino


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.