Matérias Mais Lidas

imagemBeatles: A música que Paul McCartney compôs para calar a boca de Pete Townshend

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemTony Iommi diz que Geezer Butler sofreu acidente de barco e quebrou costela

imagemAs 10 músicas mais estranhas do Guns N' Roses, em lista do Ultimate Classic Rock

imagemBlaze achava que Bruce jamais voltaria para o Iron Maiden

imagemBatera do Polyphia perde click e técnico salva marcando o tempo em sua perna

imagemAs obscuras músicas favoritas do Red Hot Chili Peppers de John Frusciante

imagemO hit do Engenheiros do Hawaii frequentemente confundido com confissão de aborto

imagemDream Theater: confira possível setlist dos shows da banda no Brasil

imagemMaranhão Open Air anuncia line-up com 24 bandas em dois dias

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemDez clássicos do thrash metal que não foram gravados pelo "Big Four" - Parte I

imagemCinco músicas lançadas após o ano 2000 que se tornaram clássicos do rock - Parte III


Stamp

Resenha - As Live as It Gets - Blaze

Por Rafael Carnovale
Em 03/07/03

Nota: 9

Se fosse feita uma lista dos músicos mais criticados no heavy metal e hard rock, certamente Blaze Bayley estaria no mínimo entre os dez mais. O ex-vocalista do Wolfsbane foi do céu ao inferno entre 1993 e 1998, período em que substituiu Bruce Dickinson na Donzela De Ferro (Iron Maiden para quem não sabe). Dois cd’s se seguiram: "X-Factor" e "Virtual XI" e uma coletânea "Best of the Beast". Muitos aprovaram Blaze, mas as críticas foram inevitáveis. Todos os críticos voltaram sua fúria contra o vocalista, esquecendo que o Iron passou por uma das suas fases mais pobres a nível de criatividade. Solução encontrada: Blaze sai em 1998, após uma turnê sul-americana (aonde ocorreram diversos contratempos, como o cancelamento de um show em Campinas - São Paulo - que terminou em confusão e um show tumultuado no Rio, com direito a objetos atirados em Janick Gers) e o retorno de Bruce Dickinson, trazendo a tiracolo Adrian Smith. O Iron não fez um cd tão poderoso assim ("Brave New World") , mas se recuperou dignamente, e Blaze se viu só, para começar algo novo... que futuro este rapaz teria?

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Um futuro brilhante: Blaze formou uma banda solo, e lançou seu "debut" "Silicon Messiah". Com a experiência adquirida nos anos de Iron, Blaze procurou moldar um som no qual pudesse encaixar sua voz. E o fez competentemente. Seu segundo cd "Tenth Dimension" continuou a trajetória de sucesso, transformando muitos de seus críticos em seus fãs. Finalmente ele conseguia mostrar seu talento, que já existia na época da Donzela, mas que por motivos que só Steve Harris sabe, ficou oculto.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A turnê de "Tenth Dimension" foi realmente um grande sucesso para Blaze, que tocou em diversos festivais europeus (com bela recepção), passando inclusive pelo Brasil, aonde o mesmo foi ovacionado por muitos, embora os shows não tenham estado cheios. "As Live as It Gets" é um registro desta turnê. E as coisas começam a velociade da luz, com a poderosa "Speed of Light", seguida de "When Two Worlds Collide" e "Steel" do Wolfsbane, que mostram que Blaze não esqueceu daonde veio. O "Set" é calcado em músicas dos cd’s de Blaze e algumas do Maiden.

De sua carreira solo podemos destacar a speed "Kill and Destroy" as excelentes "Ghost in the Machine" e "Born as a Stranger" e as cadenciadas "End Dream" e "Stare at the Sun" além das melódicas "Silicon Messiah" e "The Brave". Blaze e banda ainda aprontam numa excelente e inusitada versão para "Dazed and Cofused" do Led Zeppelin, que fora gravada para o tributo "The Music Remains the Same" e cuja versão ao vivo ficou matadora.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Do Iron Maiden Blaze inteligentemente escolheu músicas muito interessantes: a nunca tocada "Vírus" (que ficou muito pesada com os novos arranjos), o sucesso "Futureal" e a excelente "Sign of The Cross" (com direito a todas as partes orquestradas), que Bruce interpretou de maneira excepcionalmente fiel no cd ao vivo "Rock in Rio" do Iron Maiden. A pesadíssima "Tenth Dimension" fecha o cd, que mostra um grande show, nos permitindo concluir que Blaze e banda são ótimos de performance ao vivo.

A banda é muito talentosa, com destaque para os guitarristas John Slater e Steve Wray, sem falar do versátil baixista Rob Naylor, que toca sons próprios e reproduz com personalidade o baixo galopante de Mr. Steve Harris, além da batera precisa de Jeff Singer, que deixaria a banda logo em seguida. Um grande cd, que merece rapidamente uma versão nacional.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Blaze provou para todos que sair do Iron Maiden foi a melhor coisa que poderia ter acontecido para sua carreira, e merece os créditos de um trabalho bem feito. Pode conferir sem medo.

Site oficial: http://www.planetblaze.com

Lançado pela SPV/Stealhammer em 2003.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Blaze achava que Bruce jamais voltaria para o Iron Maiden

Guitarrista da banda de Blaze Bayley está com câncer incurável

Blaze explica por que o Andre Matos seria uma opção melhor para o Iron Maiden

Steve Harris: os álbuns com o Blaze são parte importante da carreira

Blaze Bayley: breve comentário sobre discos gravados com o Maiden

Blaze Bayley: segundo ele as "viúvas do Bruce" hoje apreciam seus álbuns no Iron Maiden

Metallica: a letra que fez Hammett e Hetfield chorarem

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.