Resenha - No Rest - Sick Society

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6


O quarteto Porto-Alegrense "Sick Society" já tem um tempinho de estrada, tendo lançado seu primeiro cd em 1998, auto-intitulado. Após tours por todo o país e abertura para bandas como Agnostic Front e Madball, eles lançam em 2002 seu segundo cd, "No Rest". Uma banda de hardcore com vocais femininos. Algo no mínimo interessante. Como soaria tal banda?

Metallica: sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"Bandas: Audiófilos elegem as maiores da história do rock

Apesar de alguns deslizes, até que dá para curtir o cd. Faixas como "I Got no Rest" e "City Lights" são boas pedradas hardcore bem cadenciadas, com riffs pesados e uma bateria bem colocada. A vocalista Aline Rodrigues canta de maneira razoável, embora seu tom mais "gutural" soe um tanto forçado, precisando ser melhorado. Já faixas como "Sick Society" , "The Price of the Lie" e "What've we Learned" são altamente influenciadas pelo trash dos anos 80, com as guitarras poderosas de Paulo Barcelos e Aline despejando agressividade no vocal. As letras falam basicamente de protestos sobre a injustiça social e política, algo já meio manjado, mas que existe até hoje.

O grande problema de "No Rest" é a repetição. Faixas como "Running in Vain" e "Frank (einstein)" (belo trocadilho) são as únicas que fogem do contexto repetitivo do cd. A maioria das faixas esbarra no esquema riff pesado, vocal gutural, riff pesado... e quando a banda resolve fazer algo mais rápido como "Dog Day", o resultado até que ficou bem legal. Um melhor trabalho nas músicas, tentando fugir do óbvio, resultaria num cd muito mais interessante. Sem contar a produção, que ficou a desejar, dando uma sonoridade abafada que compromete o ataque da bateria e o peso das guitarras.

Não é um mau cd. Mas a banda precisa melhorar, afinal, o cenário brasileiro tem bandas de hardcore de altíssimo nível, e o Sick Society tem tudo para entrar como uma representante, basta maior atenção as composições e produção.

Line Up:
Aline Rodrigues - Vocal
Paulo Barcellos - Guitarra
Gabriel Almeida - Baixo
Santiago Rodrigues - Bateria

Material Cedido por:
Megahard Records / Prw Distribuidora
http://www.megahard.com.br
São Paulo - Sp
11 - 8815150




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sick Society"


Metallica: sobre o que fala For Whom The Bell TollsMetallica
Sobre o que fala "For Whom The Bell Tolls"

Bandas: Audiófilos elegem as maiores da história do rockBandas
Audiófilos elegem as maiores da história do rock

Loudwire: as 10 melhores músicas do NirvanaLoudwire
As 10 melhores músicas do Nirvana

Poeira: Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer partePoeira
Rockstars e as bandas que eles sonhavam fazer parte

Milhões: Os eventos com maior público da história da músicaMilhões
Os eventos com maior público da história da música

Slipknot: como a banda roubou o seu primeiro álbum do estúdioSlipknot
Como a banda roubou o seu primeiro álbum do estúdio

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1991Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1991


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.