Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemBruno Valverde diz que preconceito contra ele veio mais da igreja do que dos metaleiros

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemGeezer Butler, Heavy Metal e a clássica canção do Black Sabbath inspirada por Jesus

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemIggor Cavalera manda ver em "Dead Embryonic Cells" ao vivo; confira drumcam

imagemDavid Coverdale diz que hit "Is This Love" seria gravada por Tina Turner

imagemComo foram os últimos meses de Renato Russo e a causa da sua morte

imagemMichael Anthony diz que "Van Halen III" foi "a coisa mais louca que a banda já fez"

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemNovo álbum do Krisiun será lançado em julho; veja capa e tracklist


Stamp

Resenha - Humanos - Oficina G3

Por Maurício Gomes Angelo
Em 25/05/03

Nota: 4

Último trabalho de uma das maiores bandas de rock cristão do Brasil, uma das pioneiras do estilo em terras brazucas, que cresceu, ficou maior e muito famosa, conquistando uma gama imensa de fãs. Todo trabalho dos caras é muito bem recebido, e é uma pena que toda essa fama não corresponda ao som que eles fazem.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Ao se começar a ouvir "Humanos" se tem uma ótima impressão; vê-se um rock pesado, riffs impactantes, boa massa sonora, realmente excelentes composições. As músicas em que eles empregaram mais peso, mais pegada, mais energia, são justamente as melhores do cd. Esse peso é representado pelos petardos "Onde Está?" e "Apostasia", as primeiras. Já "Te Escolhi" é música feita para agradar a todos, que vira hit facilmente, mesclando partes mais pesadas com outras mais calmas. Não se pode negar que agrada.

A partir daí alguma coisa parece ter saído errado. O cd desemboca num rockzinho básico, adocicado, leve e melodioso. O que se segue é uma sucessão de baladas que os diabéticos não irão agüentar. Trancar um deathbanger numa sala e colocar Humanos para rodar me parece uma definição perfeita de tortura. Tá bom, as letras são muito boas, sabem falar do que se propõe a fazer, são uma das qualidades mais fortes dos caras. "Eu Sei", "Ele Se Foi", "Criação", "Don´t Give Up"... uma overdose de baladas intermináveis que não fazem muito bem ao organismo. E a injeção de açúcar segue com "Memórias", "Minha Luta" e "Simples". Um riffzinho mais pesado aqui, outra passagem mais energética ali, mas nada que dê pra salvar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A tortura finalmente pára com a insana e realmente pesada "Até Quando?" seguida da mais ou menos pesada e digerível "Desculpas", que junto com as duas primeiras faixas vão te proporcionar os únicos momentos realmente agradáveis desse cd, e quem sabe arrancar um sorrisinho. Mas a alegria não dura muito e a doçura volta com força total em "Pra Você" e "O Teu Amor", que fecham o cd.

Sabe porque eles não investem de verdade num rock mais pesado e agressivo? Infelizmente eles não estão preocupados em fazer rock n’roll de verdade, são muito famosos no meio gospel, têm milhares de fãs, arrastam excelentes públicos por onde passam. Você acha que aquelas saltitantes tietes pré-adolescentes vidradas no visual "rockeiro-bom-moço" dos caras querem ouvir rock? E as rádios? Nunca iriam tocar suas composições mais pesadas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Realmente é uma pena. A banda já provou que tem competência para fazer um bom rock n’roll, como fizeram no passado e como hoje em dia ainda fazem quando querem. Precisam urgentemente decidir se vão fazer baladinhas para agradar os mais tradicionais e arrebanhar mais fãs enlouquecidas ou se vão investir no som que todos nós apreciamos e gostamos de ouvir.

Line – Up:
P.G. (Vocais)
Juninho Afram (Guitarras)
Jean Carllos (Teclados)
Duca Tambasco (Baixo)
Luis Fernando (Baterista convidado)

Site Oficial: http:// www.oficinag3.com.br

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Oficina G3: Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódio

Oficina G3: "o Brasil não é essa desgraça como todos afirmam!"



Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo.