Resenha - Jesus Cristo Com. & Rep. Ltda - Death Slam

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Cláudio Pinheiro
Enviar Correções  


É... Nos dias de hoje é cada vez mais difícil encontrarmos uma banda agressiva e brutal, ainda que ao mesmo tempo mostre-se tecnicamente perfeita e capaz de compor materiais tão acessíveis e recorrentes. Mas, é bom deixar bem claro que formações acima do bem e do mal conseguiram - e talvez ainda consigam - tal façanha. Veja só: Agathocles, Disrupt, Napalm Death e Nasum são bons exemplos disso. Porém, sem demora, deve-se adicionar a esta lista uma banda ainda underground: a Death Slam, de Taguatinga (DF), que executa um crust/grind que desafia os adjetivos. Atualmente, a banda tem em suas fileiras Fellipe CDC (vocal), Adélcio Santana (guitarra), Itazil Júnior (baixo) e Ademir Santana (bateria).

publicidade

Vale ressaltar que o quarteto taguatinguense demonstra muito competência em seu álbum de estréia, Jesus Cristo Com. & Rep. Ltda.. Afirmo isso com toda a certeza, tendo em vista que pude acompanhar de perto a performance da banda no "Rigor Mortis II" e constatei a gana com que a Death Slam ataca os palcos da vida... Então, é bom deixar bem claro que a principal característica deste trabalho é a arte gráfica/gravação/produção bem cuidada e de nível elevadíssimo, muito acima das produções nacionais. Outros pontos importantes que merecem nota 10 dizem respeito a Fellipe CDC, que tem um grande talento na arte de fazer barulho e canta (como canta esse filho da puta) com um ódio incontrolável e também a toda a parte instrumental, que, sem dó nem piedade, explode toda sua fúria pelos alto-falantes.

publicidade

Gravado ao vivo entre os anos 1996 e 2000 nos estúdios Jams, ME, ORBIS e Zen, com a produção executiva dos selos Independência, No Fashion HC e Rotthenness, Jesus Cristo... é "uma forma de repúdio contra toda e qualquer forma de exploração do ser vivo", que conta com algumas participações especiais. Sinceramente, eis uma banda que já está no ponto e não há um único pormenor que a desabone.

publicidade

E a farra toda dura 64min34s. Ao todo são 53 canções (!!) interpretadas ora no idioma de Camões ora na língua de Shakespeare, que atuam como uma verdadeira britadeira em ação, pronta para triturar ouvidos mais sensíveis. É uma aposta certa para aqueles que apreciam uma desgraceira bem-feita e original. Ah, puta, quase me esqueci de mencionar este detalhe: a bolacha ainda vem com um cover para "No Longer a Threat", do ROT.

publicidade

Fodido. Fodido e altamente recomendado.

Contatos: QNJ 21 - Casa 11 - Taguatinga (DF) - CEP.:
72140-210 ou através do e-mail
[email protected] (CP)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Silverchair: a história por trás da capa de Freak ShowSilverchair
A história por trás da capa de Freak Show

Anette Olzon: ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sextaAnette Olzon
Ex-vocal do Nightwish trabalha como enfermeira de segunda a sexta


Sobre Cláudio Pinheiro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin