Resenha - On To Evermore - Glass Hammer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Atenção fãs do progressivo! Por indicação de ninguém menos que Neal Morse (ex-Spock's Beard), demos uma conferida profunda na carreira dos americanos do Glass Hammer, os quais, infelizmente, não têm seus trabalhos difundidos da maneira que merecem no Brasil.

Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasLoudwire: as dez melhores bandas da era Grunge

Pensamos em trazer já de cara a resenha de "Lex Rex", álbum lançado em 2002. Contudo, uma pequena introdução não faz mal a ninguém e "On To Evermore", de 1998, nos possibilitará levar os leitores a ingressarem no estilo e abordagem do conjunto.

O início das atividades ocorreu em 1992 e, de lá pra cá, foram lançados sete discos, sendo um deles ao vivo. Este que comentamos aqui é o quarto e aparece como um destaque na carreira do grupo. Sem dúvida, tem méritos pra isso.

A 'fragrância' dos anos setenta, nas influências de Genesis e, em especial ELP, é elevada ao máximo por nove faixas repletas de belas harmonias, proporcionadas principalmente pelos teclados. Em outros momentos, o bandolim de Fred Schendel e as guitarras aparecem também como importantes peças no suporte da via harmônica sentida e 'angelical', digamos assim.

Nessa acepção, o trabalho é fantástico. Contudo, outras partes deixam a desejar. As melodias vocais não mexem e vibram tanto quanto o instrumental, exceto em algumas músicas, como a excelente "Arianna", de quase dezessete minutos, além de "The Conflict" e "Junkyard Angel". Cantos corretos geralmente, acertados, e nada mais.

Uma produção boa e que dá enfoque, por uma boa causa, aos teclados. Magníficos de fato, mas com cítara, flautas, e tantas outras opções, haveria muito que se fazer. E é nessa hora que você clica no link "Glass Hammer - Lex Rex", para ler os comentários sobre o disco de 2002, o qual...

Site Oficial - http://www.glasshammer.com

Formação:
Fred Schendel (Vocais - Backing Vocals - Teclados - Guitarras - Cítara - Bandolim - Flauta - Bateria)
Steve Babb (Vocais - Backing Vocals - Teclados - Baixo - Percussão)
Walter Moore (Vocais - Backing Vocals - Guitarras - Bateria)
David Carter (Backing Vocals - Guitarras)

Material cedido por:
Sound Resources - http://www.glasshammer.com
P.O. Box 16046, 11000
Chattanooga, TN 37416
Email: Audio111@aol.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Glass Hammer"


Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasSlipknot
Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Loudwire: as dez melhores bandas da era GrungeLoudwire
As dez melhores bandas da era Grunge

Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Góticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80Góticas
10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 80

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

WatchMojo: os 10 guitarristas mais subestimados de todos os temposWatchMojo
Os 10 guitarristas mais subestimados de todos os tempos

U2: Bono diz que não aguenta ouvir a própria VoxU2
Bono diz que não aguenta ouvir a própria "Vox"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.