Resenha - On To Evermore - Glass Hammer

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

8


Atenção fãs do progressivo! Por indicação de ninguém menos que Neal Morse (ex-Spock’s Beard), demos uma conferida profunda na carreira dos americanos do Glass Hammer, os quais, infelizmente, não têm seus trabalhos difundidos da maneira que merecem no Brasil.

publicidade

Pensamos em trazer já de cara a resenha de "Lex Rex", álbum lançado em 2002. Contudo, uma pequena introdução não faz mal a ninguém e "On To Evermore", de 1998, nos possibilitará levar os leitores a ingressarem no estilo e abordagem do conjunto.

O início das atividades ocorreu em 1992 e, de lá pra cá, foram lançados sete discos, sendo um deles ao vivo. Este que comentamos aqui é o quarto e aparece como um destaque na carreira do grupo. Sem dúvida, tem méritos pra isso.

publicidade

A ‘fragrância’ dos anos setenta, nas influências de Genesis e, em especial ELP, é elevada ao máximo por nove faixas repletas de belas harmonias, proporcionadas principalmente pelos teclados. Em outros momentos, o bandolim de Fred Schendel e as guitarras aparecem também como importantes peças no suporte da via harmônica sentida e ‘angelical’, digamos assim.

publicidade

Nessa acepção, o trabalho é fantástico. Contudo, outras partes deixam a desejar. As melodias vocais não mexem e vibram tanto quanto o instrumental, exceto em algumas músicas, como a excelente "Arianna", de quase dezessete minutos, além de "The Conflict" e "Junkyard Angel". Cantos corretos geralmente, acertados, e nada mais.

Uma produção boa e que dá enfoque, por uma boa causa, aos teclados. Magníficos de fato, mas com cítara, flautas, e tantas outras opções, haveria muito que se fazer. E é nessa hora que você clica no link "Glass Hammer – Lex Rex", para ler os comentários sobre o disco de 2002, o qual...

publicidade

Site Oficial – http://www.glasshammer.com

Formação:
Fred Schendel (Vocais – Backing Vocals – Teclados – Guitarras – Cítara – Bandolim – Flauta – Bateria)
Steve Babb (Vocais – Backing Vocals – Teclados – Baixo – Percussão)
Walter Moore (Vocais – Backing Vocals – Guitarras – Bateria)
David Carter (Backing Vocals – Guitarras)

publicidade

Material cedido por:
Sound Resources – http://www.glasshammer.com
P.O. Box 16046, 11000
Chattanooga, TN 37416
Email: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Geddy Lee e Marquito do RatinhoSeparados no nascimento
Geddy Lee e Marquito do Ratinho

Álbuns: os vinte piores discos de todos os temposÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin