Matérias Mais Lidas

Heavy metal: cinco grandes formações que nunca mais se reunirãoHeavy metal
Cinco grandes formações que nunca mais se reunirão

Escola de Rock: atores mirins do filme hoje namoram na vida real e caso viralizaEscola de Rock
Atores mirins do filme hoje namoram na vida real e caso viraliza

Raimundos: Roqueiro reaça é o c***lho, sou roqueiro raiz, Ramones raiz, afirma DigãoRaimundos
"Roqueiro reaça é o c***lho, sou roqueiro raiz, Ramones raiz", afirma Digão

Iron Maiden: quantas unidades a cerveja Trooper já vendeu em 8 anos de mercadoIron Maiden
Quantas unidades a cerveja Trooper já vendeu em 8 anos de mercado

Jimmy Page: quando o guitarrista arregou para Pepeu Gomes em canja no BrasilJimmy Page
Quando o guitarrista arregou para Pepeu Gomes em canja no Brasil

Grunge: Os 10 melhores álbuns do estilo em todos os tempos, pela Far Out MagazineGrunge
Os 10 melhores álbuns do estilo em todos os tempos, pela Far Out Magazine

Compridas: As músicas mais longas de grandes bandasCompridas
As músicas mais longas de grandes bandas

Kiara Rocks: eles pagaram para tocar no Rock in Rio em 2013? Kadu Pelegrini respondeKiara Rocks
Eles pagaram para tocar no Rock in Rio em 2013? Kadu Pelegrini responde

Iron Maiden: As 5 músicas mais fracas da carreira da bandaIron Maiden
As 5 músicas mais fracas da carreira da banda

Black Sabbath: queriam uma banda de bar para abrir os shows e veio o Van HalenBlack Sabbath
Queriam uma banda de bar para abrir os shows e veio o Van Halen

Lista: 20 bandas de rock e heavy metal que foram formadas na AlemanhaLista
20 bandas de rock e heavy metal que foram formadas na Alemanha

Metallica: por que Les Claypool não daria certo na banda, na qual tentou entrar em 1986Metallica
Por que Les Claypool não daria certo na banda, na qual tentou entrar em 1986

Amazon: seleção de CDs, LPs e livros de rock e metal com até 80% de desconto hojeAmazon
Seleção de CDs, LPs e livros de rock e metal com até 80% de desconto hoje

Kiss: Gene Simmons relembra o primeiro encontro com o desdentado Angus YoungKiss
Gene Simmons relembra o primeiro encontro com o desdentado Angus Young

Cazuza: vídeo em que ele diz ter desprezo total pela direita viraliza nas redesCazuza
Vídeo em que ele diz ter desprezo total pela direita viraliza nas redes


Arte Musical
Firewing

Resenha - Discografia SACD - Rolling Stones

Por Bento Araújo
Em 25/12/02

É PURA E TÃO SOMENTE ROCK N’ ROLL,
MAS A GENTE ADORA!!!!

São ao todo 22 discos relançados em formato digipak, todos remasterizados em SACD (Super Audio Compact Disc); uma nova tecnologia que oferece uma alta definição e resolução sonora, para essa que foi, sem dúvida alguma, a mais inventiva fase, da mais sacana (em todos os bons sentidos da palavra) banda do planeta. Os relançamentos compreendem todos os álbuns lançados pela selo Decca/London/ABCKO, ou seja, do primeiro "England’s Newest Hitmaker’s" de 1964 até o ao vivo "Get Yer Ya-Ya’s Out" de 1970. Cada disquinho vem com um certificado de autenticidade (que mimo!), todos eles juntos formam a capa do "Their Satanic Majesties Request". Essa nova tecnologia pode ser apreciada tanto em aparelhos comuns, como em próprios aparelhos SACD. O único senão é que você não poderá ouvi-lo no seu computador. É importante ficar de olho bem aberto, pois as discografias inglesas e americanas do grupo, diferem bastante em alguns casos, e alguns títulos foram relançados em ambas versões. Não é exagero dizer que todos são essenciais em qualquer coleção que se preze, afinal trata-se de um registro de uma época única dentro do rock; uma época onde uma simples banda que tocava standarts do rhythm’n’blues, passou a agregar elementos psicodélicos no seu som, e no fim dos anos 60 voltou-se as mais puras raízes do rock n’ roll. Quarenta anos depois, tudo ainda é revolucionário, e até hoje cada vez mais garotos ainda amam os Rolling Stones. Ladies and Gentlemen: The Rolling Stones.

ENGLAND’S NEWEST HIT MAKERS (1964) - US Version *** 1/2

Antes de qualquer comentário, é importante ressaltar que essa versão em questão é baseada na versão original americana do álbum, que difere da inglesa em alguns aspectos.

Versão americana: lançada em 29 de maio de 1964 pelo selo London, com o título de "England’s Newest Hit Makers". Trazia a faixa "Not Fade Away", e não continha a faixa "Mona (I Need You Baby)". Já a música "Tell Me" vinha com 2:59 minutos de duração, com um efeito "fade out" (aquele tradicional efeito que vai diminuindo o volume da música em seu fim), e sem o breque da guitarra.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Versão inglesa: lançada em 17 de abril de 1964 pelo selo Decca, somente com uma foto da banda na capa, sem nada escrito. Trazia a faixa "Mona (I Need You Baby)" e não continha "Not Fade Away". Já a faixa "Tell Me" aparecia mais longa com 4:08 minutos, sem o "fade", mas com o breque da guitarra presente. Esclarecidas as diferenças, vamos ao disco.

A estréia dos meninos não podia ser melhor, composto basicamente de standarts do rhythm ‘n’ blues americano, como dois clássicos da Motown "Walking the Dog" (que curiosamente outra banda, com um vocalista também "bocudo", gravou no seu disco de estréia), e "Can’t I Get A Witness". Apenas uma canção de composição de Jagger/Richards aparece, a balada "Tell Me". E o legal mesmo, é a crueza de coisas como "I Just Want Make Love To You" de Willie Dixon. Reza a lenda que durante algumas das sessões de gravação para o disco, Phil Spector, Gene Pitney e Graham Nash se juntaram aos Stones e criaram coisas como "Andrew´s Blues" e "Spector & Pitney Came Too", que para o desespero geral, nunca foram lançadas.

Dica: não esquente porque somente a versão yankee do disco está disponível, a música "Mona (I Need You Baby)" aparece no disco "NOW ! " de 1965.

12x5 (1964) ***

É o segundo disco norte americano da banda, contém material gravado nos estúdios Chess, de Chicago, durante os poucos dias de "descanso" que o grupo tinha enquanto fazia sua primeira excursão norte americana.

Nunca foi lançado na Inglaterra, somente algumas de suas faixas apareceram no mercado britânico sob forma de "Rolling Stones no. 2" e "Five By Five EP".

Já abre com um arrasa quarteirão, a cover de "Around and Around" de Chuck Berry (que se tornou um dos pontos altos da tour inglesa), e continha também os hits "Time Is On My Side" e "It’s All Over Now". Tem blues lamacento à vontade, "Confessin’ The Blues" e "Good Times Bad Times", e uma instrumental bacana, "2120 s. Michigan".

Curiosidade: O lendário bluesman americano Muddy Waters, ajudou o grupo a carregar todo seu equipamento para dentro do Chess Studios!

THE ROLLING STONES NOW! (1965) ***

Disco lançado somente nos EUA, com intuito de ser a versão americana do disco inglês "The Rolling Stones No. 2". Continha gravações de 64 e 65, escolhidas a dedo pelo produtor do grupo, Andrew Oldham.

Mostra mais do que qualquer outro disco da banda, as tão amadas influências do blues americano. Basta uma rápida ouvida em "Little Red Rooster", "Down the Road Apiece" e "Heart Of Stone", para perceber que os garotos não estavam de brincadeira. Versões para clássicos da soul music também aparecem, "Pain In My Heart" de Otis Redding, e "Everybody Needs Somebody To Love" de Solomon Burke, essa com uma impressionante atuação de Jagger. Com certeza é um álbum que deixou Brian Jones orgulhoso!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

OUT OF OUR HEADS (1965) *** 1/2

Se somente um motivo fosse necessário para justificar a aquisição desse disco, ele seria o hino "(I Can’t Get No) Satisfaction", aqui em sua deliciosa versão original.

O disco já estreou direto no topo da parada americana, onde permaneceu por três semanas; foi também o primeiro a ser gravado totalmente em estéreo. As composições da dupla Jagger/Richards aumentavam cada vez mais, dessa vez quatro faixas apareciam em meio as já tradicionais versões de clássicos do R&B.

Confusão: As versões inglesa e americana do disco estão disponíveis nessa nova leva; a versão inglesa de "Out Of Our Heads" tem a mesma capa que o, exclusivamente americano "December’s Children", ou seja, aquela foto com Brian na frente. Já o americano traz aquela foto com Keith no centro. Quanto ao repertório, ele também difere bastante entre as versões; o jeito melhor de resolver é adquirindo ambas.

DECEMBER’S CHILDREN (AND EVERYBODY’S) (1965) *** 1/2

Lançamento dedicado ao mercado americano. Reunia dois singles de sucesso ("Get Off My Cloud" e "As Tears Go By"), e outras faixas inéditas até então na América. O disco foi o último a ser elaborado sobre total controle dos executivos da gravadora; o que veio a seguir já era totalmente idealizado, única e exclusivamente, pela banda.

As faixas "Talkin’ Bout You" e "Look What You’ve Done" eram sobras daquelas famosas sessões gravadas no Chess Estúdios de Chicago; já "Route 66" e "I’m Moving On" eram gravadas ao vivo.

AFTERMATH (1966) **** 1/2

É o pontapé do grupo em sua mais experimental e criativa fase; foi aqui que Brian passou a utilizar instrumentos exóticos (dulcimer e cítara) como peça fundamental no som da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Foi também o primeiro disco dos Stones a conter somente canções de Jagger/Richards, como "Under My Thumb", "Out Of Time" e "Lady Jane".

A versão americana, além de ter uma capa mais legal, traz a maravilhosa "Paint It Black", no lugar de "Mothers Little Helper" da versão inglesa.

Mancada: ainda continuam inéditas, 3 músicas gravadas durante as sessões de "Aftermath". São elas: "Looking Tired", "Aftermath" e "Track Of My Tears".

GOT LIVE IF YOU WANT IT! (1966) ** 1/2

Primeiro e mais fraco registro ao vivo dos Stones. O duro é ter que ouvir aquelas histéricas garotinhas berrando pelos seus ídolos, 36 anos depois! Parece que a banda fez questão de mostrar mais o barulho gerado por tais garotas do que as músicas em si. O pior é que sempre rolou um boato que algumas músicas do disco foram gravadas em estúdio, com o barulho da platéia adicionado posteriormente!

O disco foi lançado somente na América, e ao contrário do que diz a ficha técnica, os shows aqui registrados não são do "Royal Albert Hall" de Londres, e sim foram tirados de duas noites no "City Hall" em Newcastle e mais duas no "Colston Hall" em Bristol.

BETWEEN THE BUTTOMS (1967) *** 1/2

A versão americana arrasa, pois traz o hino "Let’s Spend The Night Together" e a delicadeza que é "Ruby Tuesday", no lugar de "Backstreet Girl" e "Please Go Home" da versão inglesa. Para remediar tamanha confusão, é bom esclarecer que as quatro músicas acima aparecem na coletânea "Flowers".

A foto da capa é genial, inspirada em "Rubber Soul" dos Beatles, mostra que os Stones andavam bem no clima psicodélico da época. Desenhos do baterista Charlie Watts ilustram a contra capa.

FLOWERS (1967) ***

Mais uma compilação destinada ao mercado americano, que serviu para nada além do que "levantar uma grana" enquanto Jagger e Richards estavam detidos por porte de drogas. O que mais vale o investimento é a versão de "My Girl" dos Temptations.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

THEIR SATANIC MAJESTIES REQUEST (1967) *** 1/2

Apesar de muito malhado pela crítica e pelos fãs na época, hoje pode ser condiderado uma das mais belas viagens de LSD já feitas por uma banda. Suavemente esquisito na primeira audição, traz maravilhas do quilate de "She’s A Rainbow", que contava com John Paul Jones (futuro Led Zeppelin), no piano e arranjos; "2000 Man", que foi regravada pelo Kiss alguns belos anos depois; "2000 Light Years From Home", escrita por Jagger numa prisão em Brixton e "Sing this Altogether" com backing vocals de Lennon e McCartney. O título era uma paródia a inscrição contida nos passaportes britânicos: "Her Britannic Majesty Requests". Pena que essa reedição em SACD não reproduz o genial efeito holográfico contido na capa do LP original, onde até os quatro Beatles aparecem.

BEGGAR’S BANQUET (1968) ****

Uma primeira volta às raízes rock n’ roll, que mescla sabiamente algumas faixas acústicas como "No Expectations", "Dear Doctor" e "Prodigal Son", com as vicerais "Sympathy For The Devil" (nada mal para uma abertura de um disco de rock), e "Street Fighting Man".

A famosa capa censurada do banheiro grafitado, foi motivo de muita confusão entre a banda e a gravadora Decca, e na verdade funcionou como "a gota d’agua" para que os Stones procurassem uma gravadora nova assim que o contrato expirasse. Só para se ter uma idéia do pique da banda durante as gravações, basta lembrar que dessas sessões também saíram coisas como "Jumpin’ Jack Flash", "Love In Vain" e "Sister Morphine"; usadas ou em forma de singles, ou em álbuns posteriores.

Curiosidade: a capa (fotografada pelo marido da "Mary" do Peter,Paul and Mary), trazia insultos grafitados num banheiro imundo, escritos por Jagger e Richards; a dupla atacava Bob Dylan, Herb Alpert, e o próprio manager deles, Allen Klein.

LET IT BLEED (1969) *****

Quem ouvir aquela introdução de "Gimme Shelter" e não sentir um arrepio subindo pela espinha, não merece nunca mais ouvir um disco de Rock ‘N Roll na vida! Que abertura de disco meu! A faixa foi escrita por Keith Richards enquanto ele esperava em seu carro por sua namorada Anita Pallenberg, que estava transando com Mick Jagger.

Um fator importante é que o disco trazia as últimas gravações de Brian Jones (nessa altura ele já não fazia mais parte do grupo), que morreu justamente enquanto o disco era finalizado em Londres; e trazia também as primeiras gravações de seu substituto Mick Taylor.
Alguns meses antes, a banda estourava com o single de "Honky Tonk Woman" (gravada na primeira sessão de Taylor com o grupo), e no disco eles satirizavam eles próprios com "Country Honk". Fora isso o disco ainda tinha "You Can’t Always Get What You Want", "Midnight Rambler" e "Love In Vain".

Uma das sessões para o álbum tinha Ry Cooder como guitarrista convidado (parte disso está registrado no disco "Jamming With Edwards"), e até hoje, muitos acusam a banda de ter roubado várias partes de guitarra tocadas por Cooder, sem se quer ter dado devido crédito ao moço. Coisas do Rock N’ Roll.

GET YER YA-YA’S OUT (1970) ****

O melhor dos muitos discos ao vivo lançados pela banda, simplesmente por mostrar a banda no auge e com muito tesão pelo palco. Basta conferir versões "potencializadas" de "Midnight Rambler", "Jumpin’ Jack Flash" e "Carol".

Os shows aqui registrados foram realizados no Madison Square Garden, em Nova Iorque, durante a tour de 1969, porém até hoje existem dúvidas quanto a inclusão de algumas faixas tiradas de shows também no Boston Garden e no Baltimore Civic Center.

SINGLES COLLECTION – THE LONDON YEARS ****

Que tal uma compilação de todos os lados A e B dos singles da banda de 1963 até 1971? Pois é isso que oferece essa atraente coletânea tripla.

De bom, o que temos aqui, é a fiel ordem da seleção das faixas; acompanhando exatamente a ordem dos singles lançados. E muitos dos lados B’s e mesmo dos lados A’s não aparecem nos álbuns originais (principalmente nas versões britânicas).

De ruim, o fato das maiorias das faixas estar em mono, fazendo com que coisas como "Sympathy For The Devil", percam muito em relação a versão em estéreo contida no disco original (nesse caso no "Beggar’s Banquet").

MORE HOT ROCKS (1972) ****

Relançamento daquela compilação dupla lançada em 1972, com 3 faixas bônus incluídas: "Everybody Need’s Somebody To Love", "Poison Ivy"(version 2), e "I’ve Been Loving You To Long". Funciona como complemento da "Singles Collection", com inúmeras faixas raras e difíceis de arranjar, mesmo em singles do grupo.

BIG HITS – HIGH TIDES & GREEN GRASS (1966) *** 1/2

Relançamento baseado na versão americana dessa coletânea lançada em 1966, com o intuito de cobrir todos os hits norte-americanos da banda até então. Tem "(I Can’t Get No) Satisfaction", "Heart Of Stone" e "As Tears Go By". Indicada mais para fãs completistas.

THROUGH THE PAST DARKLY – BIG HITS VOL. 2 (1969) ****

Compilação norte americana, que nada mais é do que uma continuação do item anterior, cobrindo o período de 1966 até 1969. Foi dedicada a Brian Jones, e trazia uma inovação para o formato vinil; a capa era cestavada, com seis lados! Infelizmente nessa reedição a arte gráfica não foi fiel a original.

Musicalmente era um primor pois tinha hits do calibre de "Jumpin’ Jack Flash", e "Paint It Black", e obscuridades como "Dandelion" e "Sittin On A Fence".

METAMORPHOSIS *****

Talvez o mais esperado de todos esses relançamentos, simplesmente pelo fato de que é a primeira vez que o álbum é lançado no formato digital.

Se trata de uma compilação de irresistíveis out-takes e faixas não aproveitas dos anos 60. Outra boa notícia, é que o título em questão foi baseado na versão inglesa de 1975, que tinha duas músicas a mais do que a norte americana.

A qualidade sonora é surpreendente, a o disco pega fogo do meio em diante, pois lá estão escondidas sobras das sessões do "Beggar’s Banquet" e do "Let It Bleed"; coisas como o gostoso boogie sulista de "Jiving Sister Fanny"; o nervoso "Hard Rock" que é "I’m Going Down" e o cover de "I Don’t Know Why" de Stevie Wonder, que curiosamente foi gravada na noite da morte de Brian Jones.


Bento Araújo, 26, jornalista, contra-baixista, e acima de tudo fanático por Rock em geral. Adora escrever biografias, discografias comentadas e estórias relacionadas com o mundo da música. Trabalhou sempre no meio fonográfico, e colabora sempre com sites e revistas especializadas.

Contato: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
Pentral
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Pain: banda de Peter Tägtgren lança versão para Gimme Shelter, dos Rolling StonesPain
Banda de Peter Tägtgren lança versão para "Gimme Shelter", dos Rolling Stones

Rolling Stones: show histórico de Copacabana será lançado; confira capa e tracklistRolling Stones
Show histórico de Copacabana será lançado; confira capa e tracklist

Rolling Stones: Ronnie Wood revela que lutou contra o câncer durante a pandemiaRolling Stones
Ronnie Wood revela que lutou contra o câncer durante a pandemia

Robert Fripp e Toyah: assista versão de I Can't Get No SatisfactionRobert Fripp e Toyah
Assista versão de "I Can't Get No Satisfaction"

Rolling Stones: 5 faixas isoladas de guitarra para provar que Keith Richards é um gênioRolling Stones
5 faixas isoladas de guitarra para provar que Keith Richards é um gênio

Mick Jagger e Dave Grohl: vídeo de música otimista sobre fim do lockdownMick Jagger e Dave Grohl
Vídeo de música otimista sobre fim do lockdown

Alice Cooper: só há um astro do rock que o chama pelo nome real; saiba qualAlice Cooper
Só há um astro do rock que o chama pelo nome real; saiba qual


Guitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a TimeGuitarristas
Os 10 maiores de todos os tempos segundo a Time

Mick Jagger: aos 15 anos do lado do pai em estreia na TVMick Jagger
Aos 15 anos do lado do pai em estreia na TV

Rain List: Músicas para um dia de chuvaRain List
Músicas para um dia de chuva


Metallica: por que 9 entre 10 fãs odeiam Load e Reload?Metallica
Por que 9 entre 10 fãs odeiam "Load" e "Reload"?

Out: os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revistaOut
Os 100 álbuns mais gays de todos os tempos segundo a revista


Sobre Bento Araújo

Bento Araújo nasceu em 1976. É jornalista profissional e adora a música dos anos 60 e 70. É o editor chefe da Poeira Zine, a única publicação do país dedicada à música dos bons tempos. Lá ele escreve os textos, faz a diagramação, cuida da arte, do visual, faz 'a social' com os anunciantes, distribui, faz correio, banco, responde os e-mails e as cartas e também limpa o banheiro da redação... Além de tudo isso, o cara ainda tira uma onda tocando contra-baixo pela noite paulistana, além de vez ou outra fazer um 'bico' em alguma loja de discos em troca de raridades vinílicas... O Editor também oferece seus serviços jornalísticos e musicais a quem se interessar... (nada que uns bons dólares não possam resolver...)

Mais matérias de Bento Araújo no Whiplash.Net.