Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemJen Majura disse que sair do Evanescence não foi decisão dela e recebe apoio dos fãs

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagemO clássico do Helloween que fez Angra mudar nome original de "Running Alone"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden tocou no primeiro show de 2022


Resenha - Cypher - And Oceans

Por Thiago Sarkis
Em 26/08/02

Nota: 6

Você não precisa ter acompanhado toda a carreira do ...And Oceans para descobrir que algo de muito radical mudou no andar da carruagem. Basta olhar o logo do debute "The Dynamic Gallery Of Thoughts" e dos últimos CDs. É uma diferença explícita. De qualquer maneira, para aqueles que seguiram de perto a trajetória, é bem estranho ver o black metal "sinfônico" inicial passar a dark metal industrial, com ramificações no techno e ambiente.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

"Allotropic/Metamorphic Genesis of Dismorphism (A.M.G.O.D.)", o penúltimo disco, surpreendeu e trabalhou competentemente as possibilidades do novo leque aberto pelo grupo. Resultado ótimo, não repetido, infelizmente, por seu sucessor.

"Cypher" é um álbum cuja definição adequada seria, talvez, esquisito. Nunca um CD foi tão importante, mesmo repleto de momentos indiferentes e desagradáveis até. Explico: os experimentos feitos nessa empreitada têm sua valia e renderão frutos interessantes, para quem souber aproveitá-los. Todavia, não se encaixaram na maioria das faixas, cujos títulos citarei pouco, pela suas imensidões, as quais podemos exemplificar com "Cataclysm Savour: And The Little Things That Make Us Smile".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Nesse oceano de contradições, se encontra o fato do novo lançamento ser, em termos de letras, provavelmente o mais denso, reflexivo, eficiente e humanista da história destes finlandeses. Sem dúvida excelente e bastante inspirador.

Para você ver que nem tudo deu errado. E há outros fatores positivos, como a produção magnífica, mesmo na guerrilha de instrumentos e barulhos desengonçados. Também podemos falar da arte e de alguns instantes das composições. Porém, neste último caso, nada de encantador, que encha os olhos.

Seis é uma nota regular, dada a partir de ouvidos que talvez não alcancem tal evolução sonora ou simplesmente desconhecem o porque de tal e configure-as como exageros, narcisismos desnecessários. Mesmo assim, é um álbum que precisa ser ouvido, e não só pelo aprender a fazer diferente, como também tirar proveito de poucas, mas ainda assim, boas passagens.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Site Oficial – http://on.to/andOceans

Line-Up:
Kenny (Vocais)
Pete (Guitarra)
T (Guitarra)
Q (Baixo)
Anti (Teclados)
Sami (Bateria)

Material cedido por:
Century Media Records – http://www.centurymedia.com.br
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.