Resenha - Introspection - Myriads

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

8


Este é no mínimo um cd interessante. O quinteto norueguês Myriads foi formado em 1997, e após um demo e seu primeiro cd, reaparece em 2002 com "Introspection", um lançamento que poderia ser rotulado de gothic-metal, mas que possui diversas influências, desde o thrash até folk music, passando por suítes progressivas. Isto cria uma atmosfera interessantíssima, pois cada música se torna uma surpresa, e quase todas têm no mínimo seis minutos de duração, aonde o grupo despeja toda sua diversidade musical e talento.

publicidade

Já a primeira música, "Enigmatic Colours of The Night", é como o título mesmo diz, enigmática. A música, que começa com uma atmosfera "dark" digna de um doom metal arrastado tem um ganho de velocidade no seu meio e encerra como um death agressivo,com um resultado positivo e que principalmente, não enjoa.O mesmo se repete na seguinte "Miserie Mel", aonde elementos de doom, gothic, metal e até progressivo se unem, em doze minutos de pura viagem. O bom uso da alternância de vocais (gutural, clean e feminino) é um fator que também contribui para que o resultado não se torne entediante, embora deva-se admitir: não é um cd para ser ouvido numa tacada só. Como uma ópera, o bom é ouvir aos poucos, tentando captar cada momento da banda, que definitivamente está inspirada.

publicidade

Momentos mais calmos podem ser observados nas baladas "Inside", "Falling in The Equinox" e a semi-balada "The Ascent", aonde a banda investe mais nos teclados, arranjo de cordas e nos vocais femininos e masculinos clean, criando excelentes resultados. Ambas as faixas criam uma atmosfera viajante, típica das boas bandas de gothic-metal, e são recomendáveis. Curiosamente, estas são as fixas mais curtas do cd.

publicidade

Mas o grande destaque mesmo fica na diversidade de estilos e no trabalho mostrado em faixas como a pesadíssima "The Sanctrum of My Soul", aonde guitarras pesadas e vocais agressivos predominam, e na faixa "Flickering Thoughts", aonde o andamento heavy tradicional empera, dando a esta faixa um destaque especial,sendo empolgante, com seus agressivos oito minutos.

publicidade

A banda mostra um entrosamento perfeito, com destaque para os vocais masculinos e a performance de guitarras e cordas. O vocal feminino é competente, mas se perde um pouco quando alça notas mais altas, ficando incompreensível. Mas isso acontece poucas vezes, não chegando a prejudicar o trabalho como um todo. Algo a ser observado em futuros lançamentos.

publicidade

Um bom cd. Mas que não deve ser ouvido numa talagada só, senão pode se tornar estafante. É como um bom vinho, para ser degustido aos poucos, saboreando cada momento. Recomendável.

Site oficial: www.come.to/myriads

Formação:
Mona Skottene – Vocais femininos, Teclados
Alexander Twiss – Vocais, Guitarras
Rudi Junger – Bateria
J.P. – Guitarra
Mikael Stokdal – Vocais,Teclados
Torp – Baixo (convidado)

publicidade

Material cedido por:
Hellion Records
http://www.hellionrecords.com

Licenciado pela Napalm Records.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

David Bowie: muito mais assustador que Michael JacksonDavid Bowie
Muito mais assustador que Michael Jackson


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin