Resenha - Introspection - Myriads

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Este é no mínimo um cd interessante. O quinteto norueguês Myriads foi formado em 1997, e após um demo e seu primeiro cd, reaparece em 2002 com "Introspection", um lançamento que poderia ser rotulado de gothic-metal, mas que possui diversas influências, desde o thrash até folk music, passando por suítes progressivas. Isto cria uma atmosfera interessantíssima, pois cada música se torna uma surpresa, e quase todas têm no mínimo seis minutos de duração, aonde o grupo despeja toda sua diversidade musical e talento.

Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumLegião Urbana: O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

Já a primeira música, "Enigmatic Colours of The Night", é como o título mesmo diz, enigmática. A música, que começa com uma atmosfera "dark" digna de um doom metal arrastado tem um ganho de velocidade no seu meio e encerra como um death agressivo,com um resultado positivo e que principalmente, não enjoa.O mesmo se repete na seguinte "Miserie Mel", aonde elementos de doom, gothic, metal e até progressivo se unem, em doze minutos de pura viagem. O bom uso da alternância de vocais (gutural, clean e feminino) é um fator que também contribui para que o resultado não se torne entediante, embora deva-se admitir: não é um cd para ser ouvido numa tacada só. Como uma ópera, o bom é ouvir aos poucos, tentando captar cada momento da banda, que definitivamente está inspirada.

Momentos mais calmos podem ser observados nas baladas "Inside", "Falling in The Equinox" e a semi-balada "The Ascent", aonde a banda investe mais nos teclados, arranjo de cordas e nos vocais femininos e masculinos clean, criando excelentes resultados. Ambas as faixas criam uma atmosfera viajante, típica das boas bandas de gothic-metal, e são recomendáveis. Curiosamente, estas são as fixas mais curtas do cd.

Mas o grande destaque mesmo fica na diversidade de estilos e no trabalho mostrado em faixas como a pesadíssima "The Sanctrum of My Soul", aonde guitarras pesadas e vocais agressivos predominam, e na faixa "Flickering Thoughts", aonde o andamento heavy tradicional empera, dando a esta faixa um destaque especial,sendo empolgante, com seus agressivos oito minutos.

A banda mostra um entrosamento perfeito, com destaque para os vocais masculinos e a performance de guitarras e cordas. O vocal feminino é competente, mas se perde um pouco quando alça notas mais altas, ficando incompreensível. Mas isso acontece poucas vezes, não chegando a prejudicar o trabalho como um todo. Algo a ser observado em futuros lançamentos.

Um bom cd. Mas que não deve ser ouvido numa talagada só, senão pode se tornar estafante. É como um bom vinho, para ser degustido aos poucos, saboreando cada momento. Recomendável.

Site oficial: www.come.to/myriads

Formação:
Mona Skottene - Vocais femininos, Teclados
Alexander Twiss - Vocais, Guitarras
Rudi Junger - Bateria
J.P. - Guitarra
Mikael Stokdal - Vocais,Teclados
Torp - Baixo (convidado)

Material cedido por:
Hellion Records
http://www.hellionrecords.com

Licenciado pela Napalm Records.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Myriads"


Dream Theater: os segredos do álbum OctavariumDream Theater
Os segredos do álbum Octavarium

Legião Urbana: O dia em que Renato calou a plateia do Programa LivreLegião Urbana
O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

Musculação: os músicos mais bombados do heavy metalMusculação
Os músicos mais bombados do heavy metal

Rock In Rio: Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985Rock In Rio
Freddie Mercury desdenhou dos artistas brasileiros em 1985

Regis Tadeu: Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiroRegis Tadeu
Los Hermanos fez um tremendo mal ao rock brasileiro

Megadeth: vídeo mostra Dystopia pela primeira vez ao vivoMegadeth
Vídeo mostra "Dystopia" pela primeira vez ao vivo

Grandes covers: cinco versões para a inesquecível Stairway To HeavenGrandes covers
Cinco versões para a inesquecível "Stairway To Heaven"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.