Resenha - Black Sun - Primal Fear

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O Rock n' Roll sempre teve aquelas bandas que nunca mudaram o estilo. Quem já comprou um disco do AC/DC ou dos Ramones, sabe do que estou falando. A banda alemã Primal Fear, liderada pelo baixista Mat Sinner, é uma dessas bandas que não mudam a fórmula e nem por isso deixam os fãs entediados.

Luís Mariutti para Nando Moura: "Estádio não se lota com views ou likes"Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

O quarto disco da banda das águias metálicas, intitulado "Black Sun", é uma porrada do começo ao fim. É impressionante o quanto a banda evoluiu em relação ao disco anterior ("Nuclear Fire"). O entrosamento entre os dois guitarristas está cada vez melhor. Os duetos de guitarra de Henny Wolter e Stefan Leibing estão alucinantes, enquanto a cozinha da banda, composta por Mat Sinner e Klaus Sperling (baixo e bateria respectivamente) está impecável. Porém, para não fugir à tradição dos discos do Primal Fear, mais uma vez, o destaque fica por conta dos vocais de Ralf Scheepers. O cara está cantando cada vez mais! (sim, eu também achava que isso seria impossível).

Apesar do estilo musical ter sido preservado, Mat fez questão de escrever letras completamente diferentes dos últimos álbuns. "Black Sun" é um disco conceitual, que conta uma estória onde a temática principal é a busca do Sol Negro (Black Sun). A capa também foi feita com o intuito de se distanciar das cores do disco anterior; Dessa vez, as águias estão voando no espaço, onde as cores predominantes são preto, azul e cinza - algo bem frio, totalmente oposto ao último disco.

Após a introdução "Countdown To Insanity", vem a faixa título do álbum. Riffs rápidos marcam esse disco, aliás, em muitos momentos, as rápidas palhetadas beiram o Thrash Metal. A faixa "Lightyears From Home" é a prova do entrosamento entre os dois guitarristas e consegue cativar todos os fãs com um refrão muito legal, cantado com toda a técnica de Ralf.

O grande destaque do álbum fica por conta da heavy "Fear". A introdução é uma coleção de riffs super pesados, que vão se encaixando até formarem a melodia da música. A introdução dessa música consegue ser mais impressionante do que a introdução da música "Fight The Fire" do álbum anterior. A faixa "Revoltution" é mais cadenciada e segue a linha da música "Dollars" (do disco "Primal Fear"). "Silence" seria a música que mais se aproxima de uma balada no álbum, por ter uma melodia mais calma.

Outras músicas que merecem destaque pelo peso e pelo grande trabalho de Ralf Scheepers são "We Go Down", "Cold Day in Hell", que tem uma levada meio que Metallica e "Controlled" com um dos riffs mais pesados do álbum.

"Black Sun" é o disco que todos os fãs do Primal Fear esperavam: pesado, com riffs rápidos, bases cheias de harmônicos e refrões marcantes. Enfim, é metal da melhor qualidade!


Outras resenhas de Black Sun - Primal Fear

Primal Fear: "Black Sun", a banda em pleno augeResenha - Black Sun - Primal FearResenha - Black Sun - Primal Fear




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Primal Fear"


2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados2000 a 2002
10 shows/turnês pouco comentados

Primal Fear: Scheepers lembra tentativa de entrar no JudasPrimal Fear
Scheepers lembra tentativa de entrar no Judas

Rhapsody: o Angra reabriu as portas do metal, diz Luca TurilliRhapsody
O Angra reabriu as portas do metal, diz Luca Turilli


Luís Mariutti para Nando Moura: Estádio não se lota com views ou likesLuís Mariutti para Nando Moura
"Estádio não se lota com views ou likes"

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Bateristas: os dez músicos mais loucos de todos os temposBateristas
Os dez músicos mais loucos de todos os tempos

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Beavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?Beavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?

Muse: o que faz do trio uma das maiores bandas da atualidade?Muse
O que faz do trio uma das maiores bandas da atualidade?

Metallica x Reverend: a oração que ambas bandas usaram em letraMetallica x Reverend
A oração que ambas bandas usaram em letra


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336