Resenha - Salvation By Fire - Burning Point

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 5


Em 1997, quatro finlandeses resolveram formar uma banda de heavy metal. Mas heavy metal mesmo, tradicional, sem teclados, sem orquestra. Apenas porrada de guitarras baixo e bateria. Daí surgiu o Burning Point, que em 2001 lançou seu debut "Salvation By Fire". Vemos uma banda agressiva, inspirada em nomes fortes do estilo, como Iron Maiden, Judas Priest, e que também resgata a agressividade do Black Sabbath fase Ozzy.

Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenSupergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Logo de cara, uma cacetada speed, "Under de Dying Sun", que poderia bem ter sido gravada pelo Helloween fase "Walls of Jericho", apesar de uma quebradinha de ritmo que chega a incomodar quase no final. O lado mais cadenciado vem na faixa seguinte, "Lake of Fire", com riffs bem pesados, mas com uma pinta de "já ouvi isso antes", tal a semelhança com o Black Sabbath (o vocal chega a lembrar Ozzy algumas vezes). Tal fato volta a se repetir em "Fall of thy Kingdom", que é muito parecida com Iron Maiden. E uma coisa incomoda na banda: as músicas quase todas começam do mesmo jeito, com um solinho de guitarra no início. Não que isso seja ruim, em faixas com "Higher" (com sua levada mais hard/rock), a qualidade da música faz você esquecer esse detalhe e na pesadíssima "Black Star" (outra que Ozzy poderia muito bem meter seus vocais, embora os riffs não possam ser comparados ao do mestre Tony Iommi), mas isso incomoda, saber que quase toda música tem o mesmo início.

A banda volta a se repetir em "Stealer of the Night", outra speed, que chega a ser meio enjoativa, pois se parece muito com as primeiras faixas, e na cadenciada "The One", que apesar de tudo consegue ser interessante, por seu refrão contagiante. A banda acerta em cheio quando faz uma faixa quase trash pelos riffs de guitarra como "Signs of Danger" e a épica "Salvation By Fire", que consegue ser original,cativante e ainda ter sete minutos de pura inspiração, sendo o maior destaque do cd.

A banda precisa urgentemente definir seu estilo e investir nele, para não ser rotulada de "legal, mas já ouvi isso em outro cd". Potencial eles têm.

Line Up:

Jukka Kyro - Guitarra
Pete Ahonen - Guitarra, Vocais
Toni "Jope" Kansanoja - Baixo
Jarí Kaiponen - Bateria

Material cedido pela:

Rockbrigade Records
Rua dos Bonitos 89 - São Paulo (SP) - Tel: 11-5579-4124
http://www.rockbrigade.com.br




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Burning Point"


Fotos de Infância: Yngwie MalmsteenFotos de Infância
Yngwie Malmsteen

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal HammerSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Lynyrd Skynyrd: a história da espetacular Simple ManLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

Humor: os dez maiores picaretas da música internacionalHumor
Os dez maiores picaretas da música internacional

Halloween: dez clássicos do Heavy Metal para curtir a dataHalloween
Dez clássicos do Heavy Metal para curtir a data

Pré-Clube dos 27: 10 astros do rock que morreram antes dos 27 anosPré-Clube dos 27
10 astros do rock que morreram antes dos 27 anos

David Coverdale: Puto com intransigência de Ritchie BlackmoreDavid Coverdale
Puto com intransigência de Ritchie Blackmore


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336