Resenha - Unfortunatelly We're not Robots - Curl Up And Die

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

6


O que é isso? Hardcore eletrônico? Punk New Metal? Seja o que for, esses americanos do Curl Up And Die criaram uma obra totalmente maluca e inrotulável, mesclando de tudo um pouco. A Melancolia do gótico, o peso do thrash, pitadas eletrônicas, Pro Tools, pianinhos sarcásticos. E não é que a mistureba funcionou? Uma porradaria do começo ao fim, de detonar pescoços. Mas só para curtir. Não para entender.

publicidade

"We Are All Dead": as quatro primeiras faixas deste longo cd (cerca de 35 minutos) se resumem a isso. As palavras ditas separadamente com uma porradaria ao fundo. Não há explicação para tal? Qual mensagem eles querem passar? Depois uma faixa com título inusitado, "100 MPH, Vomit Dedicated to John", e outras duas mais ainda, "On the Run from Johnny Law Ain’t No Trip To Cleveland" e "Ted Nugent Goes AOL" (se o velho Ted ouvir essa...). Todas são pedradas hardrcore com 1 ou 2 minutos de duração (com exceções), aonde imperam guitarras distorcidas, uma bateria alucinada, e um vocalista a Barney Greenway (Napalm Death), só que mais esganiçado. A faixa seguinte define bem o que o cd tenta nos passar: "Total Pandemonium".

publicidade

Peso, andamentos quebrados por toda parte, vocais guturais e loucura imperam pelas 15 faixas deste cd. O grande problema é que de tão rápido e pesado fica um tanto repetitivo escutar tantas faixas parecidas, falta mais diversidade, o que não acontece nas faixas "Doctor Doom", "A Man of Science", "Doesn’t Believe in Jesus", "Why the Fuck to You", aonde alguns elementos eletrônicos fazem a diferença e na faixa "You’d Be Cuter if I shot You in the Face", o mais próximo que eles podem fazer de melódico, se é que isso pode ser chamado melódico.

publicidade

A única coisa concreta que podemos tirar deste cd é que a revolta impera nas letras. Críticas à tecnologia ("Make Like a Computer and Get With the Program", "I lost My Job to a Machine"), críticas políticas ("Your idea of Facism and Global Intervention Makes me Puke") e (PASMEN!) amor ("Kissing You is Like Licking an Ashtray").

O cd peca pela repetição: guitarra rápida, vocal gritado, teclado ou samples de vez em quando e só... falta criatividade, mas sobra porradaria. Destaques: as porradas "I Lost My Job to a Machine", "Your idea of Fascism and Global Intervention Makes me Puke", e a última faixa "Rich Hall", talvez por serem as mais estruturadas e que parecem realmente músicas. O lado positivo é que a banda quer falar algo sério, politizado. Só não soube como musicar isso.

publicidade

Seria fácil rotulá-los como New Metal, mas eles incorporam tantos elementos que eu prefiro ficar de fora dessa, e vc? Vai encarar? Tal mistureba deve ter acontecido porque infelizmente eles não são robôs... ;)

Site Oficial: www.curlupanddie.net

Line Up:

Matt Fuchs – Guitarras, Baixo e Piano
Jesse Fitts – Bateria
Mike Minnick – Vocais, Samples e Pro Tools.

publicidade

Material cedido pela:

Revelation Records
Po Box 5232 Huntington Beach, Ca
http://www.revelationrecords.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Aerosmith: Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiroAerosmith
Steven Tyler e três mulheres nuas no chuveiro

Capas: 10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhosCapas
10 das mais belas feitas por artistas dos quadrinhos


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin