Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSentado em cadeira de rodas, Paul Di'Anno faz primeiro show em sete anos

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemAndre Matos sempre foi de esquerda e reprovaria governo atual, diz irmão do maestro

imagemDo Ozzy ao Slayer: veja os momentos mais metal do desenho South Park

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemSyd Barrett em 1967 analisando os principais singles lançados em julho

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemDaniel Cavanagh, do Anathema, sobrevive a tentativa de suicídio

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemComo CDs e MP3s decepcionaram Jimmy Page

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"


Stamp

Resenha - Order of the Leech - Napalm Death

Por Rafael Carnovale
Em 20/02/03

Nota: 9

Podreira, teu nome é Napalm Death. O som destes ingleses, na ativa desde 1987 (ano de lançamento de seu primeiro LP "SCUM") sempre se caracterizou por ser extremo em tudo. Vocais urrados ao máximo, guitarras beirando a loucura e uma bateria insana. Muitas mudanças de formação aconteceram nestes 15 anos (nenhum dos atuais integrantes pertenceu à formação original, que só gravou um lado do primeiro LP), e o som mudou bastante. Do hardcore insano de músicas curtas e diretas, surgiu um som mais trabalhado, com um pé no death metal, mas ainda agressivo e animal. E muito se deve à entrada do vocalista Mark "Barney" Greenway, que substituiu competentemente Lee Dorian (hoje no Cathedral).

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os vocais urrados de Barney, aliados à capacidade criativa da banda (que se especializou em escrever sobre temas políticos e sociais) se mostram em extrema forma com "Continuing War in Stupidy", "Forced to Fear" (aonde a bateria de Danny Herrera chega a soar matadora com o uso dos dois bumbos) e na velocíssima "Narcoleptic". O Napalm deu uma sincera acelerada na velocidade, pois em outros trabalhos como o excelente "Diatribes" e o aclamado "Inside the Torn Apart", os mesmos investiam em sons mais cadenciados. O que podemos considerar mais cadenciado neste cd seriam as faixas "Lowest Common Denominator" (com seu riff matador de entrada) na maravilhosa "Per Capita", que lembra o Napalm de "Fear, Emptiness, Despair", mais death e menos hard e na bem feita "Force and Fiction", que impressiona com seu começo mais melódico, mas descamba num death/hardcore de primeira.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Uma conclusão é óbvia: a banda retorna às origens, como podemos notar na agressividade de faixas pesadíssimas e rapidíssimas como "Out of the Sight Out of the Mind" e "The Great Capitulator". Isso torna as faixas muito parecidas, pois quase todas investem na velocidade absurda e nos vocais urrados e rosnados de Barney. Mas é o Napalm de sempre e é ótimo vê-los em boa forma. Em alguns momentos sentimos que o baixista Shane Embury aproveitou sua experiência com o LOCK UP (que lançou dois cd’s) para mesclar esse Napalm antigo com o estilo que a banda vinha adotando.

Um cd indicado para os fãs antigos, mas que vai agradar os fãs de um som pesado ao extremo e com letras bem boladas, cortesia do fato de Mark Greenway ser um jornalista conhecido na Inglaterra. Vale ouvir e verificar o quanto seu pescoço vai agüentar! ;)

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Site oficial: http://www.enemyofthemusicindustry.com

Line Up:
Mark Greenway – Vocais
Shane Embury – Baixo
Mitch Harris – Guitarras
Jesse Pintado – Guitarras
Daniel Herrera – Bateria

Lançado nos EUA pela Spitfire Records.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale.