Resenha - Dying For Life - Antithesis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

8


Site Oficial – http://www.antithesismusic.com

Separados no nascimento: Alice Cooper e Emerson Fittipaldi

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rock

Ty Cook (Vocais)
Sean Perry (Guitarras & Vocais)
Paul Konjicija (Guitarras & Sintetizadores)
James Lewis (Baixo)
Paul Kostyack (Bateria)

Poucos meios vêm clamando tanto pelo seu passado quanto o metal. Os pontos positivos dos anos noventa - muitos por sinal - ficaram escondidos, apagados por modas de rádios e televisões, que trouxeram algumas variações metálicas sofríveis. Todas as luzes se voltaram para os eclipses mentais e a absoluta falta de criatividade, musicalidade e técnica. Contudo, o sofrimento haveria de acabar uma hora e felizmente o novo milênio começou dando espaço a uma safra rica de bandas talentosas e vertentes mais inteligentes. Dentre os estilos que retornam, surge o metal técnico, que no contexto do Antithesis, divide as atenções com power, thrash e speed.

Se você é um daqueles malucos, que costumava pirar a cuca ouvindo WatchTower, Helstar, Heathen, Tourniquet e Sadus, pode se preparar pra desembolsar uma graninha, e ter satisfação garantida com o segundo álbum do Antithesis, "Dying For Life".

A pancadaria promovida em faixas como "Soul Of Ice", "Consequence", "Politicide" e "Dying For Life (Limbo Pt. 2)", e a energia despejada, especialmente pelos vocais de Ty Cook, são coisas indescritíveis. Remetem imediatamente a John Bush e os áureos tempos do Armored Saint (Era "Symbol Of Salvation"), porém com um pouco mais de velocidade e frenesi.

A produção é que realmente deixa a desejar. Mais uma vez, um conjunto de sonoridade oitentista, executa suas músicas com competência, mas coloca a qualidade do som no mesmo nível ou abaixo do que se fazia nos anos oitenta. Infelizmente esqueceram de captar essa evolução tecnológica e um dos lados saudáveis da última década. Caso contrário, poderiam ter chegado bem mais longe com este segundo trabalho.

Material cedido por:
Nightmare Records – http://www.nightmare-records.com
7751 Greenwood Drive, Saint Paul,
Minnesota (MN) – 55112 - USA
Email: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Separados no nascimento: Alice Cooper e Emerson FittipaldiSeparados no nascimento
Alice Cooper e Emerson Fittipaldi

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin