Resenha - Trova de Danú - Tuatha de Danann

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar Correções  


O Tuatha de Danann já é reconhecido como um dos grupos mais criativos e talentosos do cenário nacional. Trova de Danú não é apenas o melhor disco da banda até agora, mas é a maior prova de que com um pouquinho de dedicação é possível vencer as limitações impostas a quem faz música de forma independente e não se dispõe a fazer concessões em nome do sucesso. O Tuatha mudou de gravadora, mas a sonoridade continua intacta e mágica como na época das demos, com apenas um diferencial: a natural evolução técnica dos músicos e a ampliação do uso de instrumentos exóticos para conduzir o ouvinte numa viagem pelo folclore celta. Tudo isso feito com muito amor pelo heavy metal e muita dedicação por parte dos músicos.

publicidade

É muito difícil não gostar desse disco logo de início. A música conquista de imediato, mesmo aqueles que não são entusiastas do tal folk metal. Aliás, nem só de folk metal é feita a música do Tuatha. Nesse novo trabalho as influências do doom metal praticamente desapareceram, mas a pegada Jethro Tull que a banda sempre teve está ainda mais forte. "Bella Natura", a faixa que abre o disco é veloz e pesada, mas com uma atmosfera "pra cima" que contagia até o mais mal humorado dos headbangers. "Lover of the Queen" tem uma pegada mais épica, portanto, mais característica dos trabalhos anteriores da banda. A interpretação de Bruno Maia é magistral nessa faixa. "Land of Youth" é a faixa mais Skyclad da carreira do Tuatha. Violões em profusão e aquela batida rapidinha, mas bem reta (ouve-se até um banjo nessa música. Muito legal mesmo). A própria deusa Danú aparece para cantar em "De Dannan’s Voice" e o resultado é, no mínimo, indescritível. "The Land’s Revenge" é uma das minhas favoritas pelo fato de ser despretensiosa e lindíssima ao mesmo tempo. As flautas de Bruno estão em destaque aqui e toda a banda fez um excelente trabalho numa faixa melódica e muito pesada, talvez até lembre um pouco a nova fase do Angra, mas nada muito explícito. O disco segue com faixas maravilhosas como "Spellboundance", "Believe: It’s True" e a impressionante faixa-título, dentre outras.

publicidade

Difícil encontrar defeitos num disco que transborda honestidade e feeling. O meu maior medo era que o Tuatha começasse a aliviar o "delírio" contido nos trabalhos anteriores em nome de uma maior facilidade de penetração na grande mídia (sem trocadilhos infames, por favor). Mas, para a sorte de nós, fãs do trabalho único dessa banda, isso não aconteceu. Ao contrário, como eles prometeram no disco anterior, o delírio está apenas começando. O único recado que eu posso deixar para os leitores do Whiplash é que procurem prestigiar o Tuatha de Danann (de preferência comprando o CD e não fazendo downloads ilegais. Eles merecem). Tomara que eles continuem no rumo certo de não abrir mão da qualidade das convicções musicais.

publicidade

Banda:
Bruno Maia: voz, flauta, guitarra, violões
Rodrigo Berne: vocais, guitarra e violões
Giovani Gomes: baixo, vocais
Rodrigo Abreu: bateria
Edgard Brito: teclados (convidado)

Contatos:
Internet: www.tuathadedanann.com.br
Telefone: (11) 5679-5245 e (11) 9189-2598

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Tuatha de Danann: Banda lança single para "Guns and Pikes"

Manifesto Bar: Live do Tuatha de Danann cancelada

Tuatha de Danann: banda lança o single "The Molly Maguires" em lyric vídeo e karaokê


Café com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010Café com Ócio
15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010

Bruno Maia: os álbuns que marcaram o líder do Tuatha de DanannBruno Maia
Os álbuns que marcaram o líder do Tuatha de Danann


Heavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os temposHeavy Metal
Os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos

Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar ParanoidBlack Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin