Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

Marcello Pompeu: ele conta por que não se posiciona politicamente, apesar de cobranças

imagemQueen e a artimanha infantil de Roger Taylor pra ganhar mais dinheiro que os outros

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum


Stamp

Resenha - Flying Beyond The 9 - Byrd

Por Thiago Sarkis
Em 20/07/01

Nota: 8

O virtuosismo de guitarristas é algo tão visto e saturado, que alguns estilos que trazem essa alta técnica perderam o sentido. Esse é o caso do neo-clássico, muitíssimo comentado e poucas vezes bem explorado. Existem dez "zilhões" de músicos dizendo incorporar esta vertente musical. De todos estes, você pode contar nos dedos aqueles que realmente fazem jus ao estilo. E nesta contagem manual, trate de incluir James Byrd.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Flying Beyond The 9" não é o primeiro álbum neo-clássico deste guitarrista, mas é disparado o melhor, desde que ele adotou essa linha. Técnica perfeita, solos inacreditáveis, fraseado impressionante e notas muito bem escolhidas; estas são características pertinentes, que o próprio Yngwie Malmsteen já cansou de elogiar e destacar em James Byrd. Além dessas costumeiras qualidades, temos algo especial neste novo álbum. O surgimento de um grande compositor, com arranjos, orquestrações e composições reluzentes.

Ao seu lado, estão os não menos competentes Michael Flatters (ex-Heir Apparent, atual Takara) e Brian Hutchinson. O primeiro é destaque absoluto, mostrando um vocal acima de qualquer suspeita; técnico e cheio de feelin’, com variações brilhantes entre vocalizações suaves e mais pesadas. O segundo é o principal aliado de Byrd, como ‘engenheiro’ do disco e principal instrumentista, tendo atuação primordial nos teclados, baixo e bateria.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O som pode ser descrito como uma mistura de Queen, Kansas, Savatage e Yngwie J. Malmsteen. E é nas características do último artista citado que se encontra o maior problema das músicas. Todas são excelentes, bem feitas e construídas, mas têm momentos muito presos às influências Malmsteenianas. Por vezes falta um pouco de originalidade.

Para quem curte neo-clássico (em seu real sentido) e guitarristas virtuosos, é um disco indispensável. Para aqueles que admiram as bandas citadas no parágrafo anterior, é apenas uma boa pedida.

Site Oficial – http://www.jamesbyrd.com

James Byrd (Guitarras & Backing Vocals)
Michael James Flatters (Vocais & Backing Vocals)
Brian Hutchinson (Teclados, Baixo, Bateria & Backing Vocals)

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Material cedido por:
Lion Music - http://www.lionmusic.com
Box 19
Godby 22 411
Aland
FINLAND
Email: [email protected]
Fax - 35818 41551

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.