Resenha - Flying Beyond The 9 - Byrd

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


O virtuosismo de guitarristas é algo tão visto e saturado, que alguns estilos que trazem essa alta técnica perderam o sentido. Esse é o caso do neo-clássico, muitíssimo comentado e poucas vezes bem explorado. Existem dez "zilhões" de músicos dizendo incorporar esta vertente musical. De todos estes, você pode contar nos dedos aqueles que realmente fazem jus ao estilo. E nesta contagem manual, trate de incluir James Byrd.

Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoIron Maiden: "se as bandas de metal mandassem no mundo..."

"Flying Beyond The 9" não é o primeiro álbum neo-clássico deste guitarrista, mas é disparado o melhor, desde que ele adotou essa linha. Técnica perfeita, solos inacreditáveis, fraseado impressionante e notas muito bem escolhidas; estas são características pertinentes, que o próprio Yngwie Malmsteen já cansou de elogiar e destacar em James Byrd. Além dessas costumeiras qualidades, temos algo especial neste novo álbum. O surgimento de um grande compositor, com arranjos, orquestrações e composições reluzentes.

Ao seu lado, estão os não menos competentes Michael Flatters (ex-Heir Apparent, atual Takara) e Brian Hutchinson. O primeiro é destaque absoluto, mostrando um vocal acima de qualquer suspeita; técnico e cheio de feelin', com variações brilhantes entre vocalizações suaves e mais pesadas. O segundo é o principal aliado de Byrd, como 'engenheiro' do disco e principal instrumentista, tendo atuação primordial nos teclados, baixo e bateria.

O som pode ser descrito como uma mistura de Queen, Kansas, Savatage e Yngwie J. Malmsteen. E é nas características do último artista citado que se encontra o maior problema das músicas. Todas são excelentes, bem feitas e construídas, mas têm momentos muito presos às influências Malmsteenianas. Por vezes falta um pouco de originalidade.

Para quem curte neo-clássico (em seu real sentido) e guitarristas virtuosos, é um disco indispensável. Para aqueles que admiram as bandas citadas no parágrafo anterior, é apenas uma boa pedida.

Site Oficial - http://www.jamesbyrd.com

James Byrd (Guitarras & Backing Vocals)
Michael James Flatters (Vocais & Backing Vocals)
Brian Hutchinson (Teclados, Baixo, Bateria & Backing Vocals)

Material cedido por:
Lion Music - http://www.lionmusic.com
Box 19
Godby 22 411
Aland
FINLAND
Email: info@lionmusic.com
Fax - 35818 41551




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "James Byrd"


Classic Rock: os 50 maiores álbuns de rock progressivoClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Iron Maiden: se as bandas de metal mandassem no mundo...Iron Maiden
"se as bandas de metal mandassem no mundo..."

Piadas sobre músicosPiadas sobre músicos

Music Radar: Os maiores frontmen de todos os temposMusic Radar
Os maiores frontmen de todos os tempos

Guns N' Roses: a famosa trilogia de clipes do grupoGuns N' Roses
A famosa trilogia de clipes do grupo

Kevin Shirley: detido por causa de calote do Slayer em 2004Kevin Shirley
Detido por causa de calote do Slayer em 2004

Rolling Stone: revista elege melhores faixas de álbuns ruinsRolling Stone
Revista elege melhores faixas de álbuns ruins


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.