Resenha - Tô Virado - Mary's Band

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcelo Valença
Enviar Correções  

7


A Mary's Band surgiu já há alguns anos mas começou a ser conhecida graças ao lançamento deste disco. "Tô Virado" é um disco um tanto quanto pretensioso, com um bom começo, mas que vai perdendo força ao longo das faixas. A rebeldia adolescente e temas que relembram um pouco os Sex Pistols são utilizados de forma maçante, comprometendo a constância da música do quarteto mineiro.

Metallica: Hetfield explica por que não gosta de bater fotos com fãs

Poison: Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?

Porém, se tratarmos do talento musical da banda, a história muda. Não que seja uma grande maravilha da música moderna mas, com um pouco mais de experiência, a banda pode ter grandes chances, como a apresentação no palco do Rock In Rio. Os garotos levam jeito para a coisa e é isso que me fez curtir um pouco do disco de estréia da banda. E é exatamente neste pensamento que as músicas "Tô Virado" e "Happy Birthday", esta com clipe veiculado pela MTV, mostram porque vieram. Boas bases e harmonias, com arranjos que agradam aos ouvidos.

Outras, no entanto, acabam abaixando um pouco a pegada do disco. "Abagabalô", música de refrão fácil mas que, juntamente com outras que tratam de temas em voga como drogas e/ou problemas adolescentes, soam batidas, muito manjadas. Não que critique experiências da banda, mas as músicas me soaram mal, não causando boas impressões. "Nem sei se volto ou revolto" trabalha mais com melodias intimistas, sendo um dos raros pontos altos do disco.

Na seqüência aparece algo inusitado. Uma versão da música "I'm OK, You're OK", dos americanos do MxPx (chamada pelos garotos de "Vestibular") mostra que a banda bebe em boas fontes e que sabe das coisas; o mesmo não se diz da letra escolhida para encaixar na melodia. Uma chance de levantar o disco foi desperdiçada, mas não é o fim do mundo.

E o disco continua da mesma forma: som despretensioso com letras nem tanto, o que faz as coisas não fluírem como imaginadas. O disco tem seus méritos mas a pegada da banda é melhor vista ao vivo; no entanto o CD não decepciona. Vale conferir, mas sem esperar grandes performances.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Metallica: Hetfield explica por que não gosta de bater fotos com fãsMetallica
Hetfield explica por que não gosta de bater fotos com fãs

Poison: Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?Poison
Bret passou o cambão na mãe da Hannah Montana?


Sobre Marcelo Valença

Estudante de Direito na PUC-Rio. Ouve Ska, Surf Music, HC, Guitar e Punk Rock, tocava baixo no Milhouse. Não dispensa um bom bate boca. Está preparando o lançamento de sua nova banda, Peter Gunn & The Neighbor's Rockin' Band. Bandas favoritas: Weezer, Ramones, Queers, Ira!, MxPx, Pixies, Brian Setzer Orchestra, NUFAN, Bouncing Souls, Specials, Madness, Hillvalleys, Autoramas, Randal Grave, Dumbs e Stukas Lazy.

Mais matérias de Marcelo Valença no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin