Matérias Mais Lidas

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemSteven Tyler dá entrada em clínica de reabilitação após sofrer recaída

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO que Adrian Smith descobriu ao retornar ao Iron Maiden

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemShavo Odadjian, baixista do System Of A Down, conta quais álbuns mudaram sua vida

imagemO dia que os membros do Black Sabbath foram amaldiçoados por uma seita satânica

imagemNick Mason relembra a época que o Pink Floyd desastrosamente tentou tocar reggae

imagemAs composições de Paul McCartney nos Beatles preferidas de John Lennon

imagemTodos os discos do Nightwish, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemMark Tremonti, do Alter Bridge, revela que é grande fã de lendária banda de metal

imagemIntegrantes do Rush relembram a época que abriram shows para o Kiss, em 1975

imagemMarcello Pompeu agradece mobilização de fãs


Stamp

Resenha - All That You Can't Leave Behind - U2

Por Ana Therezo
Em 15/12/00

Nota: 7

All That You Can’t Leave Behind, lançado em outubro pela Universal, já alcançou - só em terras tupiniquins - a marca de 350 mil cópias vendidas.

Com um legado de mais de 10 anos de estrada e muito experimentalismo (leia-se Achtung Baby, Zooropa e Pop), o U2 volta com o velho rock que, aliás, é tudo o que eles não poderiam ter deixado para trás - como faz alusão o próprio nome do álbum.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O quarteto irlandês usou neste trabalho a receita de seu início de carreira: simplicidade, porém sem grandes novidades. O que se ouve são os insistentes falsetes impelidos pela voz de Bono e as melodias repetitivas de The Edge. O destaque fica mesmo para as letras, altamente politizadas.

Foi justamente a letra de "Walk On" (quarta faixa), dedicada a Aung San Suu Kyi, que impediu a distribuição do álbum em Burma (país asiático), já que a "homenageada" está detida nas mãos do governo por ser da oposição política e uma das pessoas que mais lutou pelos direitos dos povos que existem naquele país.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mesmo cheias de boas intenções e com letras politicamente corretas, algumas faixas ainda recorrem a artifícios eletrônicos, como é o caso do funk "Elevation" (terceira faixa) e "Stuck In a Moment You Can't Get Out Of" (segunda faixa), que apesar da combinação guitarra-bateria, deixa passar um nada discreto sintetizador, entre outras parafernálias.

Em contrapartida, "Peace on Earth" (oitava faixa) é guiada por belíssimos arranjos de guitarra acústica, e "In a Little While" (sexta faixa) - umas das melhores, senão a melhor do CD - envereda pela soul music, lembrando Otis Redding. "Wild Honey" (sétima faixa) vem proporcionar ao ouvinte um gostinho de rock a la Rolling Stones, mas tudo volta à mesmice em "Kite" (quinta faixa) e "Grace" (décima-primeira faixa).

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"The Ground Beneath Her Feet", feita originalmente para a trilha sonora do filme "The Million Dollar Hotel" e faixa-bônus do CD, não chega a ser enfadonha como o filme, mas não merece ser comparada a baladas como "I Still Haven't Found What I'm Looking For" ou "With or Without You".

Resta "Beautiful Day", um dos carros-chefes do álbum, que resume em exatos 4 minutos e 8 segundos o significado da palavra "pop".

Track List
1. Beautiful Day
2. Stuck in a Moment You Can't Get Out Of
3. Elevation
4. Walk On
5. Kite
6. In a Little While
7. Wild Honey
8. Peace on Earth
9. When I Look At The World
10. New York
11. Grace
12. Bonus Track: The Ground Beneath Her Feet

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Observação: Vale destacar que o U2 tem usado seu site http://www.u2.com.br para denunciar ao mundo as atrocidades que ocorrem em Burma, onde os direitos humanos estão longe de serem respeitados. Visite o site, vale a pena!

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Ana Therezo

Engenheira, Escritora de Araque e, atualmente, moradora das planícies gélidas Canadenses. Fã de Rock em todas as suas vertentes, mas com tendências xiitas ao Heavy Metal, ganhou seu primeiro bolachão - No Rest for the Wicked, em 1988. Vinte e poucos anos depois e, contrariando aqueles que acreditam que o gosto musical muda com o passar do tempo, continua escutando Ozzy, AC/DC, Deep Purple e afins. Colaboradora e leitora do Whiplash! desde que o site tinha caveirinhas na página principal, e que a lista dos melhores guitarristas de todos os tempos era o assunto da vez.

Mais matérias de Ana Therezo.