Resenha - Inside - Orphanage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 2


O Orphanage me deixa sempre com muitas dúvidas. Na verdade, 99% dessas questões que vêm à minha mente se relacionam ao suposto objetivo do grupo, que ainda não entendi, mesmo depois de ouvir vários álbuns. Eles misturam vocais de death, com vocais femininos meio góticos, 'angelicais', com teclados cheios de clima, ao maior estilo doom, riffs de guitarra nada criativos e composições que variam de péssimas a quase interessantes. No fim, o que eles conseguem passar é um tremendo vazio.

Slayer: "Raining Blood" é brutal, mesmo com a bateria da BarbieBruce: "Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

Em alguns momentos, dá para lembrar parcialmente de Fear Factory. O parcialmente fica por conta do baterista, que consegue simplesmente desaparecer em quase todas as faixas. Logo, imagine um Fear Factory praticamente sem baterista. É assim que eles soam em alguns momentos.

Quando esses holandeses partem para o doom até que não saem tão mal. Daí veio a expressão "quase interessantes" que usei. Guus Eikens cria uns climas diferentes nos teclados e quando acompanhado pela bela Rosan van der Aa consegue fazer a música do Orphanage ficar um pouco mais interessante. E esse é o ponto 'forte' deste álbum.

A coisa fica preta mesmo é na hora que eles resolvem ficar mais brutais e partem para o death. Haja paciência. É um show de incompetência e incapacidade técnica. Cada um pior que o outro. Um baterista ausente, um baixista inexistente, riffs nada criativos e aquele lance do vocal variando entre 'angelical e brutal'... aquela coisa mais clichê e chata.

Só para finalizar. No encarte, George Oosthoek está creditado APENAS por "grunts and screams", ou seja, "grunhidos e gritos, berros". É isso que ele faz na banda. Só com isso já dá para ter uma idéia a mentalidade e o conseqüente resultado que está presente neste escabroso "Inside".

Material cedido por:
Nuclear Blast - http://www.nuclearblast.de
Tel: +49 (0) 7162 928026
Fax: +49 (0) 7162 24556
Email: death@nuclearblast.de




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Orphanage"


Slayer: Raining Blood é brutal, mesmo com a bateria da BarbieSlayer
"Raining Blood" é brutal, mesmo com a bateria da Barbie

Bruce: Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!Bruce
"Olhei para Di'Anno e pensei que deveria estar lá!"

Jason Newsted: revelando porque ele deixou o MetallicaJason Newsted
Revelando porque ele deixou o Metallica

Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadFotos de Infância
Lemmy Kilmister, do Motorhead

Glen Benton e Euronymous: a verdade sobre o encontroGlen Benton e Euronymous
A verdade sobre o encontro

Pré-Clube dos 27: 10 astros do rock que morreram antes dos 27 anosPré-Clube dos 27
10 astros do rock que morreram antes dos 27 anos

David Coverdale: Puto com intransigência de Ritchie BlackmoreDavid Coverdale
Puto com intransigência de Ritchie Blackmore


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.