Resenha - Gathering - Testament

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Augusto Sarcinelli
Enviar Correções  

Se você me perguntasse qual a banda mais corajosa do heavy metal hoje, eu responderia: Testament. Eles renunciaram à um thrash melódico que hora ou outra flertava com o hard rock baladeiro e assumiram sua devoção – que a bem da verdade nunca deixou de existir – pela música extrema (veja os guturais que vez ou outra são evocados no álbum "The New Order", por exemplo). Vale frisar que tal renúncia implicou em demissão de uma "major", o que, por sua vez, refletiu em produções e distribuições mais modestas, e, consequentemente, vendagens idem . Somente não subtraiu o bem mais singular de qualquer artista: sua capacidade de criação.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No álbum anterior, "Demonic", eles certamente alcançaram o limite da agressividade, sobretudo pelas vocalizações extremas de Chuck Billy, que, ao meu ver, configuram as mais viscerais já realizadas por qualquer vocalista em todos os tempos. Para se ter uma idéia, Chuck fez teste para o posto de Max Cavalera no Sepultura. A alegação por sua reprovação? "É agressivo demais!".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Este novo trabalho pode ser definido como uma inter-relação entre "Demonic" e seu antecessor, "Low", que, embora também extremamente pesado, primava por uma atmosfera menos densa, e uma dinâmica mais cadenciada, condicionadas à manifestações constantes da técnica dos instrumentistas da banda, neste novo disco novamente enfatizadas.

"The Gathering" é um álbum de suma importância para os cenários Thrash e Death de nossos dias ao passo que reafirma sua força. Ele traz consigo uma nova abordagem, apresentando novas propostas para a música pesada do próximo milênio. "D.N.R. (Do Not Ressuscitate)" clássico imediato que abre o disco e "Allegiance" são exemplos que mais servem para gastar tinta e espaço nesta resenha do que para ilustrar qualquer coisa, uma vez que todas as composições primam pela mesma qualidade e carisma pertinentes à banda.

Ouvindo o álbum, a principal influência salta naturalmente: Slayer, sobretudo, e isto é tão óbvio, pela presença do imortal Dave Lombardo no kit, que aceitando convite da banda dá um show à parte. Steve Digiorgio, continua irrepreensível, embora acredite que ele possa render ainda mais. Eric Peterson , primoroso como de costume em seu trabalho de bases e riffs quebra-pescoço dispensa maiores manifestações de idolatria. Sua limitação nos solos parece não fazer diferença dada a presença de Mr. James Murphy na outra guitarra, configurando o que seja talvez a dupla de guitarristas que melhor consegue o equilíbrio entre peso extremo e melodia .

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Com este time e a atitude permanentemente honesta desta extraordinária banda, este álbum realmente não poderia ser menos que maravilhoso.

Nota: 9 (nove


Outras resenhas de Gathering - Testament

Testament: 20 anos de um clássico absoluto

Testament: O Dream Team do Thrash MetalTestament
O Dream Team do Thrash Metal

Resenha - Gathering - Testament


Cli336 Cli336 CliIL Cli336