Resenha - In Nomine Rock and Roll - Sled

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Bruno Coelho
Enviar Correções  

4

Parece até brincadeira sem graça. O cd vem numa capinha bisonha, o press release é mal escrito e o pessoal mal se incomodou em tirar uma foto um pouquinho mais produzida: todos sentados num banco de praça. Fala sério!

Riffs pobres e solos toscos, bateria quadrada, inglês sofrível, vocais desafinados e um baixo que nem pensa em improvisar, além de vários erros de gravação, fazem do SLED uma banda no mínimo interessante, já que um dia foi conhecida como Black Sabbath Cover. O Stoner Metal do grupo vindo de Ourinhos-MG seria glorioso se não fosse tão mal tocado. Ver uma banda seguindo este estilo nos dias de hoje é louvável, mas, SLED, vamos ensaiar e estudar muuuito antes do próximo demo-cd! Conselho de quem não tá aqui pra resenhar por grana e não tem a mínima obrigação de ser bonzinho com qualquer banda do mundo.

publicidade

Potencial existe, as composições não são totalmente ruins e o fato de apresentarem uma proposta diferenciada ajuda, mas a estrada é longa e árdua. SLED, se vocês estão pensando em seguir em frente com a banda é melhor ralar um pouquinho mais porque com este cd aqui vocês fizeram uma baita propaganda negativa!

Destaque: a faixa Beware. Porque era o que deveria estar escrito na capa do álbum em letras garrafais, porque ela fecha o álbum e porque depois dela não há mais nada (UFA!).

publicidade


Outras resenhas de In Nomine Rock and Roll - Sled

Resenha - In Nomine Rock And Roll - Sled




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Heavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capasHeavy Metal
O Diabo e personagens bíblicas nas capas

Legião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neuróticaLegião Urbana
Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica


Sobre Bruno Coelho

Bruno Coelho é Arquiteto, escritor, poeta, produtor de eventos, pai, tradutor, intérprete e professor de inglês. Morou em cinco capitais brasileiras e hoje dedica-se ao árduo labor de organizar eventos na capital maranhense de São Luís. Fã do Dream Theater, Tool, Symphony X, Pain of Salvation e Evergrey, encontra espaço pra novas bandas e vertentes sempre.

Mais matérias de Bruno Coelho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin