Músicas boas mas pouco conhecidas: a vida nem sempre é justa

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Fabio Nobre Braz, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

Na primeira parte desta série quero falar um pouco sobre canções do universo hard rock/heavy metal que, apesar de sua qualidade, nunca se tornaram hits ou clássicos das respectivas bandas. Injustiças, em minha visão e que fazem parte de minha memória afetiva, que tentarei corrigir um pouquinho a partir deste artigo. Confiram estes sons, mandem as suas listas e comentem...

2298 acessosIron Maiden: DVD terá imagens do Brasil, Argentina e El Salvador5000 acessosAtores de Hollywood no mundo da música

KISS “TURN ON THE NIGHT” (CRAZY NIGHTS, 1987) – para começar uma das músicas que nunca consegui entender como não se tornou marcante, seja comercialmente ou musicalmente, na carreira de PAUL STANLEY e GENE SIMMONS. Comparo bastante este som com “Livin’ on a prayer” do BON JOVI quanto a alguns aspectos. Duas canções que unem perfeitamente o hard rock com o pop, prontas para o consumo em massa portanto; ambas possuem melodias, refrões e ganchos arrojados e “viciantes” para colar em sua mente; ambas tem videoclipes muito legais, super produzidos, com performances energéticas das bandas num palco; ambas tem riffs e harmonias guiadas por teclados inspiradas e ambas foram compostas por membros das bandas junto a grandes “hitmakers” da época (Desmond child no caso do BON JOVI e Diane Warren no caso do KISS) mas, em detrimento a tudo isso, uma se tornou um dos maiores hits da história do hard rock e, posteriormente um clássico do BON JOVI, enquanto a outra se tornou apenas um pequeno hit na Inglaterra (atingindo apenas o número 41 dos charts de singles de lá por três semanas) e nunca é lembrada pelos fãs (muito por culpa da banda também que nunca a executou ao vivo) e pelos membros da banda remanescentes da época que foi concebida.

WARRANT “SONG AND DANCE MAN” (CHERRY PIE, 1990) – de uma forma geral esta banda é muito subestimada, bem como muito de seu material principalmente, talvez, pelo grande sucesso da canção “Cherry pie” e seu videoclipe que deram aos caras uma imagem um pouco estereotipada, deixando de lado o talento musical principalmente de seu principal compositor, o falecido vocalista JANI LANE. Mas, no cd “Cherry pie”, bem como em seus outros discos, existem pérolas do hard rock melódico como “Bed of roses” e “Mr. Rainmaker” tão subestimadas quanto a canção aqui escolhida como objeto do artigo. “Song and dance man”, como as outras citadas, tem melodias cativantes, arranjos elegantes e o aspecto lírico, que me levou a escolhê-la para representar a banda neste texto. JANI LANE além de bom compositor de melodias cativantes escrevia letras interessantes e bem sacadas, tanto com características sacanas ou românticas, como o estilo à época pedia, como com conteúdo “poético” em assuntos mais profundos (“Song and dance...”, “Sad theresa” e “April 2031” do cd Dog eat dog e “Stronger now” do cd Ultraphobic são bons exemplos). Deixe-se levar pelo som e pela letra e curta este som (e ou outros aqui citados) sem contraindicações, sem nunca esquecer que “Life is poetry in motion” como JANI LANE nos ensinou nesta canção.

ALICE COOPER “DANGEROUS TONIGHT” (HEY STOOPID, 1991) – existem artistas de caRreiras tão brilhantes e prolíficas que, no bojo se sua arte, sempre fica faltando alguma coisa que não teve a atenção devida. Aqui é um exemplo no caso da tia ALICE (que deu o lindo nome A minha amada filha). “Dangerous tonight” é um tema sensacional, com um riff sombrio e vocais soturnos que descambam num refrão empolgante, unidos por uma ponte (”bridge”) melodiosa e envolvente, tudo “embalado” na característica lírica “doentia”, própria da carreira deste gênio da música e, infelizmente, esquecida no bojo de um cd que acabou sendo reconhecido apenas pela música título e “Feed my Frankstein” que é uma das canções favoritas de alice para tocar ao vivo e até hoje sobrevive no set list dos shows. Outra deste cd que também poderia estar aqui é “Wind up toy”, também maravilhosa.

METALLICA “WASTING MY HATE” (LOAD, 1996) – também sou daqueles fãs do ‘TALLICA que nunca digeriu bem o cd Load, nem tanto pelas músicas pois temos vários temas interessantes e pesados (sem a velocidade de outrora claro, pendendo mais para uma sonoridade “setentista”), bem como letras inspiradas e singulares até então não oferecidas por JAMES HETFIELD A seus ouvintes. Mas, se algo no cd me lembrou o Metallica “oitentista”, mesmo que com certa distancia, foi “Wasting my hate”. Provavelmente a mais rápida e pesada composição da banda no período Load/Reload (junto com a maravilhosa “Fuel”), tem em seu andamento um riff mais acelerado que descamba em outro riff mais lento e com a pegada “setentista “ na junção ponte/refrão (atinente a característica da música produzida pela banda à época), tudo isso envolto no ódio lírico despejado por James quanto aos seus traumas de infância e, principalmente, a perda de sua mãe. Posso estar enganado mas, até onde eu sei, “Wasting...” foi tocada ao vivo apenas uma vez no programa da tv inglesa do apresentador JOOLS HOLLAND em novembro de 1996 que, se você for conferir no youtube por exemplo, irá atestar todo o aqui exposto de forma mais vigorosa e pesada. Para aqueles que acham que a fase Load/Reload não pode ter “ headbangin’ ”, moderado talvez...

TESTAMENT “NOBODY’S FAULT” (THE NEW ORDER, 1987) – fazer versões de canções de outros artistas é sempre arriscado e uma “arte” que deve ser levada em consideração muito pelo seu executor, aqui no caso o TESTAMENT, principalmente de clássicos de bandas clássicas. Não digo que sempre se chegue a excelência do JUDAS PRIEST, que na minha opinião forjou os melhores “covers” da história do metal, mas que se faça a coisa com respeito, coerência e, se possível, sem simplesmente copiar a original, dando sua personalidade e características ao som “coverizado”. Bem como no caso do Slayer com “dissidente agressor” do mestre PRIEST, o TESTAMENT aqui seguiu a risca tais preceitos de qualidade e produziu um petardo de mais peso, mais força e mais vigor para a já anteriormente pesada, forte e vigorosa “Nobody’s fault” do AEROSMITH. Uma versão totalmente condizente com o estilo musical do Testament, com vocalização rouca e musculosa que, diante da performance anasalada (e brilhante) de STEVEN TYLER na versão original parece um digamos, com a devida licença poética, “gutural setentista”, que confere a música um poder que se destaca em um cd tão bom e cheio de canções poderosas mas que, mesmo tendo sido agraciada com um videoclipe muito legal e algumas vezes tocada em shows à época, nunca obteve o reconhecimento e a visibilidade que merece e sempre mereceu, sejam pelos “thrashers” em geral ou ao menos pelos fãs da banda.

SLAYER “CRIONICS” (SHOW NO MERCY, 1983) – muitas grandes e influentes bandas, mesmo antes de “achar” seu som, com a devida e completa aplicação da personalidade e dos conceitos musicais de seus compositores à música a ser produzida, forjam pérolas escondidas em sua discografia que, em muitos casos, pelo sucesso e reconhecimento alcançados posteriormente, ficam quase “esquecidas” em algum lugar do baú musical destes artistas. Infelizmente isso se aplique a muitos sons do fantástico “debut” do SLAYER (talvez excetuando “Black magic”, “Die by the sword” e “The Antichrist”, sempre lembradas pela banda em seus shows até recentemente) mas, principalmente, a maravilhosa peça metálica objeto deste texto. Em “Crionics” (assim como em outras canções do mesmo cd) verificamos de forma mais acentuada a influencia da “New Wave of British Heavy Metal”, principalmente do MAIDEN, característica essa soterrada entre os decibéis produzidos pelo quarteto californiano, com as melodias mais evidentes junto ao peso e crueza característicos da música da banda. Em “Crionics” temos até o “cavalgar” de guitarra e baixo, bem como o duelo harmônico de guitarras, inerentes ao som do MAIDEN, tudo isso a partir de 1 minutos de 40 segundos exatamente. Escute e tente não lembrar de clássicos da banda inglesa. Mais para frente, na continuidade da carreira do SLAYER, tais elementos seriam postos um pouco de lado em detrimento ao som próprio e distinto encontrado pela banda, principalmente a partir de “Reign in blood”, para alguns melhor, para outros nem tanto, para mim apenas diferente e consequência da evolução musical do grupo que tendeu para algo mais rápido.

ENUFF Z’ NUFF “BABY LOVES YOU” (STRENGHT, 1991) – quando se fala em bandas, músicas ou compositores subestimados no universo hard n’ heavy é quase mandatório falar do ENUFF Z’NUFF. O fato deste quarteto hard rock de Chicago nunca ter feito sucesso comercial em larga escala e não ser reconhecido e/ou valorizado pelos fãs do gênero é um mistério que permeia minha mente desde 1989 quando lançaram seu “debut”. Existem duas bandas que conseguiram com maestria unir o universo hard n’ heavy com forte influencia da maior banda do universo pop/rock da historia da música, os BEATLES; uma foi o CHEAP TRICK e a outra o Enuff (muito influenciada também pelo TRICK, claro). Melodias cativantes ao extremo, vocais aveludados, “backing” vocais harmoniosos e toques sempre florescentes de psicodelia (características inerentes a música dos “fab four”) convivem com groove, riffs gordurosos e sensuais, solos ora fritados (shred) ora melódicos e letras com temas sacanas/relacionamento/cotidiano/o rock n roll em si (referencias do hard rock, principalmente dos 80’s), bem como vários blues pesados que recheiam seu repertório. a música aqui escolhida, “Baby loves you”, além de ser um ótimo exemplo de todos os atributos aqui elencados, que resume bem o som do quarteto americano, foi veiculada como single, divulgada com um videoclipe muito legal e, como até hoje, nada aconteceu. A não ser por alguns sortudos que conseguiram ter acesso ao som da banda prematuramente e fazem parte de um nicho bem específico de fãs de hard rock que absorveram a pequena miscelânea musical que esta banda oferece, nunca sucesso e reconhecimento fizeram parte da história deste combo musical. Se você tiver curiosidade vale muito a conferida, começando com o “debut” de 1989 (que teve um sopro de reconhecimento e sucesso comercial com seus dois singles – “Fly high michelle” e “New thing” - que chegaram a figurar rapidamente em alguns charts na época) e o cd que contém a música aqui analisada (strenght de 1991), dois dos melhores álbuns desta era (até porque na segunda metade dos 90’s eles perderam o foco entregando discos ruins que tentavam reproduzir o grunge e o rock alternativo reinantes a época) .

IRON MAIDEN “REACH OUT” (WASTED YEARS single, 1986) – música subestimada na carreira do MAIDEN, seria uma blasfêmia? Talvez não. A grande banda inglesa cometeu uma pseudo heresia ao gravar este hard rock extremamente melódico e comercial, cantado surpreendentemente bem pela voz rouca de ADRIAN SMITH, que ficou relegado como lado b de um dos maiores clássicos da banda. Todas as características de canções deste estilo estão ligadas neste tema que, principalmente na época, sobressaltou muita gente. Até hoje lembro da primeira vez que a ouvi, junto com outros dois amigos ”maidenmaníacos “, e as feições de nossos rostos, bem como as indagações que nos fizemos: que é isso, o MAIDEN gravando hard rock americano? Nossa isso é quase um “aor”! Tudo isso foi potencializado pelo fato das experiências com guitarras sintetizadas efetivadas pela banda no álbum lançado a época, somewhere in time, além da pegada bem hard de “Wasted years” (primeiro single e clipe do disco e primeiro contato que os fãs tiveram com a sonoridade do álbum). À despeito de tudo isso, “Reach out” é uma canção maravilhosa, cheia de melodia, groove, harmonias de guitarra e vocal sublimes que conduzem a música até uma ponte que cria um pouco de suspense e “deságua” no refrão empolgante e emocionante, perfeito para uma arena ou estádio entoarem em uníssono, reverberado pela segunda voz proeminente de BRUCE DICKINSON, sintetizando mais uma obra sublime banda de metal mais amada pelos headbangers brasileiros e de grande parte do mundo.

JUDAS PRIEST “RECKLESS” (TURBO, 1986) – canção subestimada do JUDAS realmente só poderia vir do álbum mais subestimado da brilhante carreira dos “metal gods”. Se o tempo se encarregou de reconhecer uma pequena parte do valor de turbo como o ótimo álbum que ele é, fruto de seu tempo; nenhum reconhecimento foi reservado a quase esquecida última canção do lado b do antigo vinil, que foi como a escutávamos na época o que, em minha visão, se mantém como uma enorme injustiça. “Reckless” tem um dos melhores trabalhos vocais de um dos melhores vocalistas da história do rock, escute-a com fones de ouvido e se deixe emocionar pelas notas alcançadas e pela afinação perfeita, em uma música que tem todas as características do som tradicional dos ingleses, apenas com a guitarra sintetizada. Riffs envolventes, bases pesadas, solo dividido em parte harmônica de dueto das guitarras e parte em que os dois “duelam”, além da condução musical pelo vocal brilhante e a junção ponte/refrão empolgante, melódica e cativante, colando em sua mente por meses, somando-se ainda uma letra bem bacana sobre velocidade e emoção, temas que também são abordados na faixa título (turbo lover). Enfim, mais um tema grandioso da banda que mais simboliza o metal, com o brilhantismo e musicalidade de sempre mas que, diferentemente de outros clássicos da banda, não tem o reconhecimento devido nem de sua enorme base de fãs tampouco dos fãs de metal em geral. Antes de terminar vou contar uma passagem da história da banda que podia ter mudado completamente este artigo, não constando “Reckless”: Enquanto o JUDAS estava terminando as etapas finais de gravação do álbum Turbo, eles foram abordados pela Warner Brothers para enviar uma música para a trilha sonora do próximo filme de TOM CRUISE 'Top Gun', música esta que teria que ser “Reckless”, apesar da banda ter oferecido outras três. Nas palavras do guitarrista KK DOWNING (revista Goldmine, 5 de junho de 1998) a explicação/lamento: “Eles expressaram mais do que um simples interesse em usar a música 'Reckless', mas eles queriam tirar do álbum se eles a usassem. Eles provavelmente teriam comprado a canção diretamente de nós. Nós não teríamos visto o benefício disso. Além de vê-la no filme e ter a exposição. Em retrospectiva, provavelmente foi um grande erro na carreira da banda, porque a trilha sonora vendeu mais de 5 milhões, o que nunca um álbum do Priest vendeu na América. Para ser honesto, quando disseram ‘Este filme tem o Tom Cruise’, não sabíamos quem era a cara ainda”.

OZZY OSBOURNE “NEVER” (THE ULTIMATE SIN, 1987) – aqui temos um caso semelhante ao do JUDAS PRIEST já citado. Um ótimo tema do disco mais subestimado da carreira do madman mas que, diferentemente do caso do turbo, parece ser mais desvalorizado com o passar do tempo, até pela contribuição de OZZY neste processo que teima em desprezar este álbum pelo fato de ter questões judiciais pendentes com PHILL SOUSSAN (seu baixista à época, que participa tocando e compondo o grande hit/clássico do play: Shot in the dark). Quando de seu lançamento, e durante um bom tempo, a despeito da inclinação para o som reinante no mercado americano do período e do visual beirando o glam em moda na época, este disco era visto como um bom álbum do madman, como realmente é. Bem gravado, bem tocado por uma competente e eficiente banda de apoio que cada um tem seu brilho próprio. “Never” representa bem tais competência e eficiência, sendo um tema dos mais pesados do disco (junto a “Secret loser”), conduzido por um riff que lembra aqueles ágeis e rápidos que RANDY RHOADS fazia com maestria, cortesia do brilhante e muito subestimado JAKE E. LEE, culminando em um refrão onde a guitarra se une à viradas frenéticas de bateria e que o produtor Ron Nevison exige toda amplitude vocal de OZZY que com afinação e potencia (nos limites dele. claro) infere sua personalidade única e dá um brilho a mais em toda esta sequencia. Além disso temos a letra bacana que relata aqueles momentos em que todos nós não exteriorizamos nossos sentimentos, positivos ou negativos, e acabamos carregando isso como um fardo. Pena que consta que apenas em um show da tour americana de 1986 “never” foi tocada ao vivo e depois deixada de lado.

AEROSMITH “YOU SEE ME CRYING” (TOYS IN THE ATTIC, 1974) – baladas sempre foram um ponto forte do AEROSMITH, durante toda a sua carreira e não apenas em seu período “queridinho da MTV”, como alguns atestam. Este tipo de peça musical ao mesmo favorece e é favorecida pelas interpretações épicas e dramáticas de STEVEN TYLER, sem dúvida, um dos maiores vocalistas da história do rock que, mesmo com 69 anos nos dias atuais, ainda oferece aos fãs performances brilhantes em todos os shows, veja esta banda ao vivo e confirme. “You see me crying” é uma lindíssima balada, a melhor da banda em minha modesta opinião que, apesar de constar do álbum mais clássico deles (junto com o rocks de 1975), foi totalmente ofuscada pelo grande sucesso de outros tema desta natureza na carreira da banda (principalmente “Dream on”, sua contemporânea) que, diga-se de passagem, também nunca fez muito esforço para mudar tal panorama. Consta que ela apenas foi tocada ao vivo integralmente em poucos shows da tour de 2009 que tocava o álbum “Toys...” na íntegra, com a justificativa que exigia muito de TYLER ( o que é verdade) cantá-la todas as noites e que grande parte do giro foi feito com um baixista substituto a TOM HAMILTON que estava tratando um câncer. Além disso em 2011 e 2016 Tyler, como introdução de “Dream on” ao piano, executava os primeiros versos, nada mais... Esquecida como última música do lado b do vinil original de “Toys...”, nunca lançada como single, apesar do potencial até maior que “Dream on”, a bela melodia da canção é enriquecida com um arranjo de cordas inspirado, que mantém a orquestração durante todo o tempo, com exceção do inicio e fim onde temos apenas a presença do piano. Tal orquestração entre 2minutos/25segundos e 3minutos/03segundos cria um momento de pura beleza, leveza e encantamento musical, com TYLER usando magnificamente o recurso de vocais em falsete até, a partir de 3minutos/04segundos, JOE PERRY nos brindar com um solo melódico, conciso e que reitera algumas sequencias de acordes anteriormente ouvidas pela orquestra, até final onde o piano e as cordas se unem para um encerramento doce e singelo de um dos mais belos temas românticos forjados por uma banda de rock na história da música. Sublime, beloa uma canção em que o “estado da arte” é inversamente proporcional ao reconhecimento emanado dos fãs da banda (sendo que muitos que converso nem se lembram de sua existência) ou de boa música em geral.

GARY MOORE “NOTHING’S THE SAME” (AFTER HOURS, 1992) – GARY MOORE foi um grande músico, estupendo guitarrista e, com o passar do tempo e experiência adquirida, se tornou também um ótimo vocalista (bem semelhante ao processo de outro gênio do instrumento, ERIC CLAPTON, que veio a se tornar também um ótimo cantor). Apesar disso, excetuando Japão e algumas partes da Europa, nunca teve seu valor reconhecido nos mesmos termos de outros “Guitar heroes”, especialmente nas Américas. Nos deixou muito muito cedo, deixando fãs bastante saudosos, como o que aqui escreve mas que, pelo menos, tem uma vastíssima obra musical para deleite e emoção. Tudo isso, principalmente a emoção, pode ser atestado nesta lindíssima peça musical criminosamente ignorada no final do lado b do vinil original de After hours, seu segundo disco como “bluesman”, após o estrondoso sucesso de Still got the blues (1990) lançado em 10 de março 1992. Um tema semi acústico, deitado em uma cama discreta de teclado, sob a condução de um baixo apenas para dar os tons graves, com intervenções e solo fleumático de guitarra, tudo emoldurado com um vocal afetuoso e delicado que quase suplica uma letra comovente sobre a dor da distancia da pessoa que um dia foi presente em nossas vidas e compartilhava nosso amor. Tanto os adjetivos como a analise acerca do reconhecimento citados no caso de “You see me crying” do AEROSMITH são plenamente cabíveis aqui, com o desconsolo que o artista que nos brindou com tal obra de arte musical não está mais entre nós.

POISON “LIFE LOVES A TRAGEDY” (FLESH AND BLOOD, 1991) – o POISON sempre foi a banda que todos amaram odiar durante um bom período dos 80’s e 90’s, muitas vezes sem sequer ouvir atentamente qualquer disco ou música conhecida da banda. Situações principalmente verificadas na imprensa e entre os fãs de rock brasileiros. Com o passar dos anos e a chegada de novas pragas musicais no meio hard n’ heavy (alguém disse new metal?) deixaram um pouco de lado o quarteto americano oriundo da Pennsylvania que, para muitos, foi o percursor e maior representante do que se passou pejorativamente a chamar de “hair metal” a partir da chegada do século 21 pois, até aí, este termo nunca foi veiculado. Era hard rock americano, glam metal, pop metal, e por aí vai... mas, para aqueles que não se davam ao trabalho de ficar alimentando sentimentos musicais negativos e tentavam descobrir mesmo no frascos mais feios boas fragrâncias, se depararam com uma banda muito divertida, com um vocalista limitado mas bom compositor e ótimo “entertainer” no palco, um guitarrista habilidoso mas exagerado, um baixista “na média” que cuidava bem de seu trabalho e um bom baterista mas que juntos, com a experiência e evolução musical adquiridos com o passar dos álbuns e tours, cresceram como músicos e forjaram boas canções em bons discos, como a aqui sob analise deste escriba. “Life loves a tragedy” faz parte do, tecnicamente falando, melhor cd da banda (Flesh and blood) juntamente com o cd seguinte feito com o ótimo RICHIE KOTZEN na guitarra (Native tongue de 1995), sendo um tema com uma letra que aborda os aspectos que nos norteiam nos momentos de dificuldades e como nossas vidas são suscetíveis a estes momentos, evidenciados por vícios, tragédias pessoais ou relacionamentos que deixaram feridas abertas. Além disso, musicalmente, uma introdução em dedilhado acompanhada do vocal melodioso e emocionado de BRET MICHAELS, adentra, após isso, na condução musical orientada pelo riff em staccato de CC DEVILLE e em viradas e levadas interessantes da bateria de RIKKI ROCKET que nos levam ao refrão com os coros empolgantes para serem entonados em arenas e estádios no estilo “pergunta/resposta” (“Good times - bad times, How life loves a tragedy; Heartbreaks - heartaches...”) acrescido de um solo melódico e não exagerado na fritação (shred). Bacana como muitos outros sons do catalogo da banda e infelizmente nunca tocada ao vivo ou veiculada comercialmente, apesar do evidente potencial.

CINDERELLA “ONE FOR ROCK N’ ROLL” (HEARTBREAK STATION, 1990) – esta banda, principalmente no período da segunda metade dos 80’s e inicio dos 90’s, no que se convencionou pejorativamente a chamar de “hair metal” foi, com certeza, a mais rica e variada musicalmente, com forte influencia em seu hard rock contemporâneo de blues, country, folk e “americana”; que formam os pilares da música norte americana mais tradicional e arraigada, levando sua música a ultrapassar as fronteiras estabelecidas pelo mercado da época. Isso se deve muito ao talento de TOM KEIFER, guitarrista, vocalista, pianista e principal compositor da banda que sempre ditou os rumos que o quarteto da Filadélfia seguia. O problema é que a ótima discografia do CINDERELLA parou em 1995, não sendo mais nada produzido até hoje, além de tours esporádicas no decorrer dos anos e de um disco solo de KEIFER (the way life goes de 2013) que, na visão do mercado e de muitos fãs, foi pouco para manter o nome do conjunto em evidencia e com o reconhecimento que sua obra musical merece. Na esteira disso, em seu terceiro disco Heartbreak station, lançado em 20 de novembro de 1990, com mais elementos de country e folk presentes que o anterior que tendia mais para o blues (o excelente “Long cold winter” de 1988), encontramos esta verdadeira pérola do que poderia ser chamado de “cancioneiro” americano chamada “One for rock n’ roll”. Com uma letra autobiográfica que também é uma declaração de amor ao rock, tom keifer nos brinda com um tema bem próximo ao estilo “americana” (que é a confluência de tradições compartilhadas e variadas que formam o “ethos” da música estadunidense, especificamente mesclas de sons folk, country, rhythm & blues, rock & roll), orientado por violão “dobro” (um violão com cordas de aço e com um cone metálico dentro de sua caixa de ressonância), bandolim e a percussão; que mostra como esta banda e seu líder tinham raízes fincadas na melhor música de seu país, diferentemente do que críticos tolos/intelectualóides (tipo revista Rolling stone sacam?) e fãs radicais/cegos os atribuíam, os colocando negativamente no bojo de muitas bandas oitentistas que não mereciam figurar ao lado deles. Grande banda, ótimo álbum, esplendida canção.

TESLA “PARADISE” (THE GREAT RADIO CONTROVERSY, 1989) – para encerrar este pequeno compêndio um caso semelhante, em termos de qualidade musical, ao CINDERELLA supra citado. O tesla, das grandes bandas americanas da virada dos 80’s para os 90’s, sempre foi a mais subestimada em terras tupiniquins, mesmo com seus quatro primeiros álbuns lançados no país a época onde, como em alguns outros lugares do mundo, foi colocada indevidamente no bojo do que se passou a chamar pejorativamente de “hair metal” quando nem o visual glam fazia parte de seu metiê, ainda mais o som, totalmente fincado em raízes rockeiras setentistas, country, blues e toques de progressivo aqui e ali. “Paradise” faz parte de seu melhor disco, em minha opinião, e que levou o quinteto de sacramento à condição de rockstars (muito pelo sucesso da linda balada “Love song”), não sendo veiculada comercialmente nem tocada ao vivo na tour do álbum em questão (“The great radio controversy” de 1989) mas, alguns anos depois, sendo parte do ótimo cd acústico ao vivo “five man acoustical jam” onde sua versão neste formato, nem de longe comparável a versão elétrica original, chegou a ser veiculada comercialmente (após o grande hit do cd que foi “signs”) sem, no entanto, nada acontecer. “Paradise” inicia com um belo dueto harmônico de guitarras (estilo THIN LIZZY, forte influencia da banda e de seus guitarristas FRANK HANNON E TOMMY SKEOCH) seguido pela condução ao piano junto a melódica linha vocal do cantor JEFF KEITH, dono de voz e interpretação únicas no cenário hard n’ heavy, A canção não tem uma condução tradicional tipo verso/ponte/refrão, evoluindo de forma semelhante a “Stairway to heaven” do LED por exemplo, quando o tema vai crescendo aos poucos em intensidade, até desaguar em um rock pesado e energético com melódicos solos de guitarra encaixados na batida vigorosa e acelerada de bateria , transição esta enriquecida por viradas técnicas e precisas do baterista TROY LUCCKETTA que tem participação importante na excelente condução rítmica do tema. Além de tocada no formato acústico para um lançamento específico, como já citado, “Paradise” voltou a fazer parte dos shows da banda brevemente em uma tour americana de 2008, lembrando a maioria dos fãs que ela existe, sendo deixada de lado posteriormente, ficando sempre a sombra dos hits do cd em questão (Love song, Heaven’s trail, Hang tough e The way it is), muito pouco para a excelência que esta peça musical apresenta.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 09 de agosto de 2017

Iron MaidenIron Maiden
Novo DVD terá imagens do Brasil, Argentina e El Salvador

237 acessosEm 26/09/1981: Dickinson largava o Samson para se juntar ao Maiden34 acessosEm 08/09/2002: Bruce Dickinson se tornava piloto comercial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Iron MaidenIron Maiden
Canadense mostra sua incrível coleção da banda

Iron MaidenIron Maiden
"Não sabíamos se haveria futuro para nós"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
"Venha para o backstage e eu cuidarei de você"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Kiss"0 acessosTodas as matérias sobre "Warrant"0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"0 acessosTodas as matérias sobre "Aerosmith"0 acessosTodas as matérias sobre "Alice Cooper"0 acessosTodas as matérias sobre "Metallica"0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"0 acessosTodas as matérias sobre "Testament"0 acessosTodas as matérias sobre "Slayer"

Atores e músicaAtores e música
As bandas de Russell Crowe, Keanu Reeves e Bruce Willis

Pink FloydPink Floyd
Dupla sertaneja desvirtua clássico da banda

Corey TaylorCorey Taylor
"Não comprem a playboy da Lindsay Lohan"

5000 acessosRockstars: Os 50 mais ricos do planeta5000 acessosBlaze Bayley: "é melhor ser ex do Iron que do A-HA"5000 acessosPor pouco: 15 rockstars que quase partiram dessa para uma melhor5000 acessosMarilyn Manson: 8 vezes em que ele provou que o mundo estava errado5000 acessosBruno Sutter: "The Dance of Eternity" do Dream Theater no baixo fretless5000 acessosMetallica: Lars Ulrich revela o segredo para tocar bateria até hoje

Sobre Fabio Nobre Braz

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online