Joy Division :  Transmissão para a Eternidade

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Garcia, Fonte: medium.com
Enviar correções  |  Comentários  | 

“[…] Um labirinto de ruas sujas. A iluminação pública ainda era de um amarelo muito tedioso […] A violência estava por toda parte — e era aceita. Havia uma escuridão espiritual, assim como a escuridão literal: ainda havia muitos vagabundos com uniformes de desmobilização do Exército, lojas de discos em prédios sombrios, praças completamente sem iluminação, 70% dos prédios do centro da cidade estavam abandonados e tudo dependia do último ônibus para casa. Tudo ainda era visivelmente de um período pós-guerra e com uma feiura muito industrial, tudo descolorido com a poeira de cem anos, e o rock era um enxame de infelicidade.”

5000 acessosGuitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os tempos5000 acessosMomentos bizarros: histórias de Ozzy, Stones, Who e outros

Assim era Manchester nos anos 70, segundo descrito por Morrissey no livro The Smiths — A Biografia, de Tony Fletcher. E foi nesse cenário que surgiu a banda Warsaw, em 1976, que logo mudaria de nome para Joy Division e se tornaria famosa por representar o que era viver aqueles tempos sombrios e decadentes melhor do que qualquer outra banda da cidade. E isso em muito graças a seu vocalista e compositor, o sensível, solitário, introspectivo e deprimido Ian Curtis.

A música do Joy Division é caracterizada pela atmosfera densa e hipnótica formada pela combinação da sonoridade crua e suja com as letras melancólicas e o vocal grave (ora gélido, ora desesperado), bateria direta como uma marcha militar, linhas de baixo marcantes e guitarra cortante. E todos esses elementos estão reunidos naquela que se tornou uma das mais emblemáticas canções do grupo: ‘Transmission’.

A letra de ‘Transmission’ traz uma rádio transmissão ao vivo onde Ian Curtis fala, de forma poética, não apenas sobre sua vida em Manchester, mas a de sua geração. Uma geração mais do que arruinada, condenada; Uma geração de filhos de trabalhadores pobres numa cidade velha, feia e abandonada sem qualquer oportunidade ou opção de entretenimento ou diversão para obter algum prazer na vida; uma geração esmagada pela crise do capitalismo numa cidade que já havia sido uma das mais industriais da Europa; uma geração que vivia o caos entre apagões, racionamento de combustível, serviços públicos em colapso, violência, greves, fascistas marchando nas ruas e um governo neo liberal esmagando a classe trabalhadora com mãos de ferro; uma geração sem esperanças, sem perspectivas de um futuro melhor, que se sentia vivendo os créditos finais da história entre os escombros de um plano que deu errado.

Ao final da música Curtis ordena repetidamente, com uma urgência desesperada, que o ouvinte dance diante do rádio. O rádio, a única válvula de escape, a única fuga daquele mundo, daquela vida. A única coisa que resta a eles: Fechar os olhos e dançar para que, durante alguns minutos, nada mais no mundo importe.

A união dos conceitos utilizados por Curtis nessa música é brilhante. Afinal, o que é o rádio se não uma ferramenta para propagar a voz através do tempo e do espaço? E o que é o rock se não uma linguagem que dá voz a jovens que precisam gritar sua insatisfação para outros jovens igualmente insatisfeitos? Naqueles tempos, o que havia de melhor para alguém que precisava gritar para todo mundo ouvir do que o rádio?

Ian Curtis morreu poucos meses após o lançamento de ‘Transmission’, aos 23 anos de idade, mas ele será eternamente lembrado como um dos poetas do rock que colocaram seu coração em sua música de forma mais marcante. Seu corpo físico se desfez, mas sua transmissão vai ecoar para sempre.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Joy Division"

A TeiaA Teia
Trilha sonora repleta de clássicos

LegoLego
Bandas que amamos (e outras nem tanto) em versão Lego

Pré-Clube dos 27Pré-Clube dos 27
10 astros do rock que morreram antes dos 27 anos

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Joy Division"

Guitar WorldGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

BizarricesBizarrices
Ozzy Osbourne, Rolling Stones, The Who e outros

Metal NeoclássicoMetal Neoclássico
As regras para se tornar uma estrela do gênero

5000 acessosMegadeth: as 10 maiores tretas de Dave Mustaine5000 acessosMetal Rules: Os 100 melhores discos da História do Metal5000 acessosClassic Rock: as 10 melhores baladas dos anos 805000 acessosLars Ulrich: baterista ensinou seus filhos a ouvir Metal5000 acessosBateristas: canhotos que tocam de forma diferente5000 acessosBandas novas: a maldição dos covers

Sobre André Garcia

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online